Como integrar os filhos de diferentes casamentos

Dicas para uma melhor convivência em novas configurações familiares

Por Carolina Werneck
como integrar os filhos de diferentes casamentos Como integrar os filhos de diferentes casamentos

Foto: Thinkstock

Esqueça aquela família de comercial de margarina: pai, mãe e filhos muito felizes em torno da mesa de café da manhã, enquanto o dia surge lindo pela janela. A família do século XXI se desprendeu desses estereótipos e acabou sendo fragmentada, dando origem a novos tipos de núcleos familiares.

Em um mundo que já aceita com grande naturalidade questões como o divórcio e a decisão de oficializar um novo relacionamento após a separação, as chamadas “família mosaico” são cada vez mais comuns. É importante que os casais saibam lidar com a bagagem que o outro traz do casamento anterior. Aprender a conviver com os filhos que seu novo namorado já tem, ao mesmo tempo em que integra seus filhos a essa nova realidade é um passo importante na construção do novo lar. Preparamos cinco dicas de como tornar a adaptação menos traumática e mais assertiva.

1 – Respeito é fundamental

Se você quer que os filhos do seu novo namorado respeitem os seus, precisa dar o exemplo. Procure demonstrar interesse – desde que autêntico – pelas atividades de seus enteados, e evite compará-los aos seus próprios rebentos. Você deve estimular a amizade entre as crianças, e não a rivalidade. Comparações e competições são prejudiciais e podem causar antipatia de uns pelos outros.

2 – Dê tempo ao tempo

Não é difícil entender os motivos para que uma criança rejeite, ao menos inicialmente, o novo companheiro do pai ou da mãe. Além do trauma do divórcio, há o fator ciúme. Os filhos, ainda que não sejam tão novinhos, sempre trazem consigo um apego muito grande pelos pais, o que atrapalha na aceitação de um novo relacionamento. Antes de tomar a decisão de se casar novamente, procure avaliar se a novidade não afetará demais seus filhos (e os do parceiro). Observe, no período de namoro, se eles gostam da pessoa que você escolheu – e trabalhe a ideia do casamento com calma, sem apressar os passos. Isso vai ajudar na assimilação da nova configuração familiar, facilitando a adaptação das crianças e diminuindo o risco de problemas.

3 – Criem regras

É preciso que o casal esteja de acordo com algumas regras básicas de convivência, que vão permitir que a família se desenvolva de forma saudável. Essas regras devem ser debatidas longe dos filhos, para que o casal não perca a autoridade diante das crianças.

4 – Filho é uma coisa, enteado é outra

Não adianta querer estender seus conceitos de educação aos filhos do seu parceiro. É importante apoiar o companheiro e mostrar-se disposta a auxiliar no que for necessário, mas evite influenciar ou opinar diretamente sobre as decisões que ele toma. Se for imprescindível, procure fazê-lo quando estiverem a sós, longe das crianças.

5 – Procure dialogar

Conversar abertamente é a maneira mais adequada para a criação de um ambiente familiar verdadeiro e tranquilo. Separem um momento do dia – o jantar, por exemplo – para ficarem juntos e debaterem temas importantes para as crianças, seu cotidiano e os problemas que possam estar enfrentando na escola, por exemplo. Usar o bom humor pode ser uma boa forma de lidar com o ciúme, por exemplo.

Crianças são autênticas. Se demonstram não gostar de você, não force uma aceitação. Ao contrário, procure mostrar a elas que você as quer bem e conquiste-as pela persistência, não pela força.