Opinião

Linguagem neutra e o desejo de definição para todes

Uma divagação sobre palavras, linguagem e a beleza de pensar a língua para além de convenções pré-estabelecidas

Canva

Por
Atualizado em 06.07.22

No terceiro versículo de Gênesis está escrito que Deus disse: “Haja luz”, e houve luz. Não acredito em muita coisa sagrada, a bem da verdade, mas esse trecho me põe religiosa como quase nenhum outro. Este texto também é para explicar por quê.

Publicidade

Se tem algo em que acredito muito, é na palavra. Ela inaugura universos. É quando digo que eu amo que o amor se delineia – antes disso, só existe uma quentura no peito que espalha felicidade pelo corpo. Quando o bebê diz tetê, o leite deixa de ser um desejo impalpável morando no estômago e se torna o alimento exato que pode satisfazê-lo. A palavra define e contorna, ela encapsula a fluidez de uma ideia ou sensação em uma sequência de letras e sons. Palavra atômica, palavra-semente.

As palavras, porém, não necessariamente criam (ainda que possam fazê-lo, como nas histórias de fantasia). Muitas coisas habitam o mundo, mas é a palavra que confirma e determina essa existência, registrando-a, materializando-a. Uma das formas de se superar um trauma, por exemplo, é falar sobre ele, de modo que, elaborando a experiência em palavras, consigamos domesticá-la.

Tudo o que tem palavra existe. Mesmo o que nem existe mais. Dinossauro, por exemplo. Ainda que não haja mais nem um deles pisando sobre a Terra, a ideia do dinossauro mora na palavra, guardada ali dentro. Igual ao Saci e à Caipora. Existem, ainda que na imaginação. E a saudade também não é feita de matéria, mas existe inteira na gente, quero ver alguém dizer que não.

Gosto muito das palavras escritora e poeta. Gosto de tomá-las para mim, sentir que caibo nelas. Eu as honro e celebro em cada texto que escrevo. Poder ter uma palavra para me definir me circunscreve, ganho realidade, posso pensar em futuros a partir daquilo que assumo para mim. Eu, escritora. Eu, poeta.

Estou divagando em torno dessa força que a palavra carrega porque me lembrei de uma conversa que tive com alguns amigos do clube de leitura que frequento. O assunto era a linguagem neutra. Para quem ainda não sabe o que é isso, explico: há em certos círculos um debate sobre a adoção de algumas palavras neutras, sem marcação binária de gênero, para serem usadas tanto em plurais, quando há uma mistura de pessoas de gêneros diferentes, como, no singular, para indicar pessoas que não se identifiquem com um ou outro gênero.

Isso afetaria palavras que, definindo seres humanos, variam entre feminino e masculino, como amiga e amigo. Em relação a essa palavra específica, uma variação que tem sido experimentada é amigue(s), com a letra E marcando a neutralidade.

O principal pressuposto é que, sendo a língua uma construção social, carregada das ideologias e preconceitos de um determinado grupo, ela também pode excluir e hierarquizar.

Uma demonstração: quando os alunos e as alunas de um determinado curso não faltaram, eu digo que todos estavam presentes. Todos, no masculino, mesmo que só haja, não sei, um menino e trinta meninas. Por quê?

Gramaticalmente, o plural masculino é tido como neutro. Mas não poderia ser o feminino? Ou, pelo menos, não poderia ser respeitada a maioria? O que moveu quem definiu o masculino como neutro a escolhê-lo – em vez do feminino ou de uma terceira palavra diferente, realmente neutra? Essas são algumas das perguntas que eu, que respeito tanto a força que a palavra tem, me faço.

Publicidade

Quando comecei a me dar conta desse aspecto machista da língua, tentei miudamente subvertê-lo. Muitas vezes, em vez de usar todos, uso as pessoas. Ou seja, opto por uma palavra neutra, porque o fato de pessoa ser uma palavra no feminino não a faz designar apenas mulheres. A pessoa, assim como o ser humano, são expressões relativamente neutras porque não variam conforme o gênero do indivíduo identificado. Eu, mulher, sou um ser humano. E sou uma pessoa. Deslizando assim por entre a norma gramatical, passei a conseguir ser mais fiel ao que realmente queria dizer e ao que socialmente acredito: na igualdade, na equidade, na horizontalidade.

Nesse sentido, quando alguém diz “boa noite a todos e todas”, pode até ser redundante quando se pensa em gramática, mas também está marcando ideologicamente sua discordância da desigualdade entre homens e mulheres na nossa sociedade. Mais do que isso, está permitindo que essa discordância exista de forma palpável – já que é só a partir de ser trazido para o campo da palavra que algo realmente entra em cena. Inclusive no caso de uma reflexão ou um debate social como esse.

Mas voltemos às palavras com variação de gênero. Vocês já sabem: o gênero (sexual) é social. O que identifica o masculino e o feminino muda no decorrer dos anos, décadas, séculos. Rosa já foi uma cor tida como masculina e, nos séculos XVII e XVIII, perucas, maquiagens e babados eram elementos considerados parte do vestuário masculino. Construções sociais mudam.

De todo modo, há quem não se identifique com tais construções e não consiga se encontrar nelas. Dizer “ela” para alguém que não está confortável em incorporar o que vem com essa palavra pode não caber. Mas dizer “ele” também não. Então, que caminho tomar?

Por enquanto, não há uma resposta. O que há são tentativas. Inventam-se pronomes como elu, ilu ou el para tentar definir quem, entre as identidades definidas como ele e ela, fica numa espécie de limbo. Em relação a outras palavras, o uso do E no lugar do A ou O – como no todes do título deste texto – é a solução que mais me agrada. São esforços nessa construção de falares que sejam mais precisos, mais inclusivos.

Como a palavra é uma coisa muito forte, não a desperdiço com o que não seja verdade. Não sei dizer sim sendo não. Não sei dizer não sendo sim. Sem saber mentir, às vezes omito. Desvio o foco, me ensaboo e escorrego. Mas toda pergunta direta me pega de calça curta e me põe na parede – porque sou muito fiel à verdade de cada palavra.

Essa minha fidelidade me permite entender um pouquinho a dor de quem não se encontra na palavra que veste. Eu me vejo nas minhas palavras: mulher, escritora, ela. Eu me sinto existir porque tenho vocabulário para falar sobre mim. Mas, se dar palavra a algo é o que consolida sua existência, impedir que alguém tenha uma palavra definidora é, por outro lado, uma violência sem tamanho, porque interdita o acesso da pessoa a falar sobre si com mais verdade.

Aliás, vou deixar uma pergunta no ar: o quanto será que essa resistência a novas palavras é, na verdade, resistência a aceitar a existência de pessoas que fujam dos padrões que construímos socialmente? Impedir alguém de ter um nome, uma palavra definidora, é mantê-la em uma categoria de não sujeito, de não pessoa. E que palavra eu poderia dar para isso se não… preconceito?

Isso também vale para a questão do nome social de pessoas trans. Poder ter um nome é algo muito importante na construção da identidade de alguém, especialmente quando ela precisa ser refeita para ser realmente condizente com quem se é. A força da palavra é imensurável.

Para além dessas questões, há ainda uma ideia de que incorporar pronomes e palavras neutras poderia “estragar” a língua. Acho engraçado. Parece que nós a recebemos fechada e acabada, pronta e inalterável, escrita na pedra para nunca mais mudar. Grande erro. A língua é viva. Ela muda conforme muda a sociedade e suas necessidades de comunicação. Ela é uma ferramenta e, como ferramenta, deve servir aos falantes daquela língua, e não o contrário. A língua precisa se esforçar para cada vez mais designar o que existe – não é o que existe que deve se moldar para caber na língua.

Publicidade

Voltando para a citação que abre o texto, eu acredito, na verdade, que a luz já existia na história contada em Gênesis quando Deus lhe deu um nome. Porque primeiro as coisas são. Depois, nós as definimos. Aposto que a luz estava lá e iluminava, alta e clara. O que Deus fez foi validar sua existência por meio da palavra. A luz ganhou seu nome e, a partir de então, deixou de ser uma coisa indefinível e impossível de ser mencionada. Foi só assim que ela passou a existir de fato para nós, no nosso discurso.

Não custa nada aprendermos uma palavra para definir alguém que não se sente definido. A maioria de nós, falantes de português, nem sabemos todas as palavras e regras da nossa língua, não seria a primeira coisa nova que precisaríamos aprender.

Então, em vez de resistir tanto, minha sugestão é abrir os braços e receber a realidade. Aceitar que cada coisa exista como é e seja nomeada.

Dar à luz a palavra: isso é o divino.

* Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Dicas de Mulher.

Escritora, autora de "A mulher que ri", "Efêmeras" e "Do Silêncio". Apaixonada por Clarice Lispector, clubes de leitura e pessoas. Gosta de listar coisas de três em três.