Opinião

2022: o ano do cansaço

Em que se baseia essa teoria formulada única e exclusivamente pelas vozes da minha cabeça - mas com a qual há grandes chances de você se identificar.

Thays Pretti

Por
Atualizado em 17.04.22

Dias atrás, comentei no Instagram que uma das coisas que eu mais tenho ouvido neste ano é sobre o quanto as pessoas estão cansadas. No trabalho, entre amigos, na família, é difícil não ouvir um “nossa, tô tão cansada(o)”. É geral. Aí, comecei a brincar e comentar: “é 2022, gente, este é o ano do cansaço”. Eu realmente sinto que é.

Publicidade

Há vários motivos para sentirmos este ano assim. Dois anos de tensão devido à pandemia e termos “desacostumado” com o ritmo da vida “normal” é um deles. Com a flexibilização e o frouxamente delineado “fim da pandemia”, tudo fica excessivo. É carga demais para quem estava se acostumando a apenas preservar a própria vida.

Também precisamos somar a isso a situação política instável, a crise econômica, as relações internacionais caóticas – tudo mediado por um bombardeio constante de informação via internet. Estamos vivendo uma espécie de burnout coletivo, e acredito que esse seja um dos principais motivos de tanto cansaço.

Há uns dias tenho me perguntado sobre quando foi a última vez que eu senti tédio. Tédio. Essa espécie de vazio e embotamento da consciência que nos permite olhar as coisas sem qualquer urgência. Nada é urgente no tédio e, além disso, a pulsão por fazer coisas “úteis” fica em suspenso. A mente fica livre. Lembra do “ócio criativo”? Pois é. Precisamos de tempo livre para criar. O tédio também é fundamental para nossa vida. É necessário desligar.

Apesar disso, estamos num momento em que tudo nos convoca à atividade, à informação. Tudo parece urgente e, mais do que nunca, nos vemos afetados pela MOS – Missing Out Syndrome (Síndrome da Perda). Sentimos o tempo todo que, se não estivermos conectado e atentos, perderemos algo muito importante e ficaremos para trás. Vale lembrar, porém, que há um século as pessoas se comunicavam apenas por cartas – e o mundo funcionava bastante bem. Os dias já se seguiam um após o outro e o que tinha que ser sabido se sabia – mesmo que não fosse imediatamente (e tudo bem, não é?).

A única questão é que não é só isso. O buraco é bem mais embaixo.

Sociedade do cansaço

No meio das pesquisas para tentar entender melhor por que estamos tão cansados, acabei esbarrando na filosofia. E descobri que talvez não estejamos vivendo apenas um ano de cansaço. Para o filósofo sul-coreano Byung-Chul Han, nós vivemos atualmente o que ele definiu como “Sociedade do Cansaço”.

Em um livro homônimo a essa tese, Han explica que a sociedade do cansaço vem da absolutização unilateral da “potência positiva” – como efeito colateral do discurso motivacional crescente desde o começo do século XXI. Essa ideia, entranhada na sociedade, acaba gerando uma cobrança excessiva por produtividade e resultados, tudo isso pintado com cores de uma positividade do tipo “se você realmente quer, você pode” – o que não é real. Aliás, na maioria das vezes, “poder” não é consequência direta de “querer”. Isso é uma visão simplista que apaga milhares de variáveis pelo caminho.

Absorvendo e naturalizando essas exigências (a princípio externas), passamos a nos cobrar mesmo em relação ao lazer e descanso: buscamos coisas como “eficácia”, “efetividade” e “otimização” para ações que deveriam ser relaxantes, como o sono, o contato com a natureza e a fruição/produção artística, por exemplo. Ou seja, nos tornamos o que Han chamou “sujeitos do desempenho” – que exploram a si mesmos para maximizar seu desempenho. Nesse contexto, a positividade e a motivação se convertem em um perfeccionismo doentio. O excesso de trabalho se intensifica e acaba se tornando autoexploração.

Assim, em um mundo em que tudo precisa ter objetivos e dar resultados, é óbvio que atividades lúdicas, artísticas, contemplativas e de descanso soam (mesmo para quem as realiza) como a perda de um tempo “útil”, que poderia estar “rendendo” algo. Isso gera culpa e potencializa ainda mais o estresse – estresse esse que poderia ser combatido, adivinhem só, por atividades lúdicas e relaxantes. É um círculo vicioso.

Publicidade

2022 é o ano do cansaço porque, além de estarmos em um momento socialmente difícil, estamos soterrados por essas cobranças e autocobranças – as quais também decorrem, lembremos, de um discurso positivo e motivacional extremado, que fica ainda mais cruel pela situação do país. Quanto pior fica a situação, mais sentimos que não podemos parar.

Além disso, unimos o frenesi virtual surgido durante a pandemia ao frenesi da “normalidade” presencial. O mundo virtual, antes tão mais relacionado ao lazer, agora também gera demandas e exigências das quais tentamos o tempo todo dar conta. Só que eu preciso revelar uma coisa a você que está me acompanhando neste texto: não vamos dar conta de tudo. E é importante que consigamos lidar com isso.

Talvez o mais importante hoje seja dar um passo atrás, entender em relação ao que realmente precisamos ser produtivos, efetivos e eficazes e, a partir daí, nos permitir um pouco de “inutilidade”. Afinal, parafraseando o título de um pensador brasileiro (e indígena!), Ailton Krenak, “a vida não é útil”. Nossa vida não deve estar o tempo todo voltada para o sentido de utilidade e produtividade que a sociedade atual lhe dá. Nem tudo é sobre urgência, busca e movimento. A vida também é sobre parar.

Assim, encerro este texto com um elogio à “inutilidade optativa”. Sejamos um pouco mais inúteis. Nossa saúde mental agradece.

* Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Dicas de Mulher.

Escritora, autora de "A mulher que ri", "Efêmeras" e "Do Silêncio". Apaixonada por Clarice Lispector, clubes de leitura e pessoas. Gosta de listar coisas de três em três.