Veja como adoçantes naturais podem substituir o açúcar

Nutricionista dá dicas dos produtos naturais que são melhores para a saúde e a dieta

Escrito por Mariana Bueno

Foto: Thinkstock

O consumo excessivo do açúcar, principalmente o refinado, muitas vezes passa despercebido nas dietas. Mas esse comportamento é crescente e tem sido apontado como a principal causa do crescimento de diversas doenças crônicas, como obesidade, diabetes, problemas cardiovasculares, hipertensão e câncer.

A nutricionista Cyntia Bassi, do Hospital e Maternidade São Cristóvão, explica que o açúcar é considerado uma importante fonte de energia, além de estimular a produção cerebral de serotonina, uma substância ligada ao prazer.

“Dentro do limite aceitável pela Organização Mundial de Saúde, que recomenda não ultrapassar 10% do valor calórico total da dieta, pode trazer benefícios à saúde. Optar por consumir boas fontes de açúcar como frutas, leite, chocolate amargo, em vez de doces e refrigerantes, por exemplo, deve ser incentivado, porque agrega-se com a escolha correta outros nutrientes que fazem bem ao organismo”, afirma.


Os adoçantes são considerados bons substitutos do açúcar, por serem praticamente isentos de calorias. Porém, seu uso não deve ser indiscriminado e é necessário se atentar para que o consumo de alimentos não aumente em virtude do uso do adoçante.

Sendo assim, a melhor alternativa é utilizar os adoçantes naturais. “Quando extraído da natureza, o açúcar mais conhecido, o refinado, passa por um processo para tornar-se mais branco e soltinho, mas nesse momento são eliminados da sua composição as fibras, vitaminas e minerais e acrescentado diversos produtos químicos que aumentam a lista de malefícios associados ao alimento. Por isso sempre que possível, é importante evitar o consumo ou substituir por outro tipo de adoçante”, recomenda a nutricionista.

Veja algumas opções de adoçantes naturais e seus benefícios


Mel: Constituído por frutose e glicose, é um bom substituto ao açúcar refinado, por ser fonte de carboidratos, vitaminas do complexo B e minerais, além de possuir ação antifúngica e bactericida. Mas não deve ser consumido por diabéticos, porque eleva a glicemia e, em grande quantidade, aumenta o valor calórico. Quando aquecido sofre perdas nutricionais significativas.


Melado de cana: É um produto natural extraído da cana, que preserva maior quantidade de nutrientes como cálcio, fósforo e ferro. Porém, possui o mesmo teor de calorias que o açúcar refinado e, por alterar a glicemia, não é uma opção para indivíduos diabéticos.

Néctar de agave: Extraído através de um cactus comum no México, é um adoçante natural com coloração amarela clara, odor agradável e textura semelhante ao mel. Por ser rico em frutose e com poder adoçante maior que o açúcar, pode ser utilizado pelos diabéticos. É um bom substituto do açúcar refinado também para indivíduos saudáveis, pois alguns estudos apontam melhora na flora intestinal após sua utilização regular, além de possuir melhor valor nutricional.

Estévia: Obtido através de uma planta de origem indiana, está entre as opções mais saudáveis, já que é um adoçante natural. Possui poder adoçante 300 vezes maior que o açúcar, não adiciona calorias à dieta e não causa alteração glicêmica.

Açúcar mascavo: Obtido através das primeiras extrações da cana, possui menor valor calórico e preserva alguns minerais, como cálcio, magnésio e potássio. Também não deve ser utilizado por diabéticos. Se for cultivado e processado sem o acréscimo de produtos químicos, mantém valor nutricional melhor.

Assuntos: Alimentação

Para você