Tudo sobre reprodução assistida

Conheça os métodos de reprodução assistida e saiba quando recorrer a eles

Escrito por Giselle Coutinho

Foto: Thinkstock

Reprodução Assistida é um conjunto de técnicas, utilizadas por médicos especializados, que tem como principal objetivo tentar viabilizar a gestação em casais com dificuldades de ter filhos. No Brasil, o número de casais que procuram este tratamento vem aumentando consideravelmente, principalmente em São Paulo, onde o processo pode ser feito em hospitais públicos e sem custos.

O número de bebês nascidos por técnicas de reprodução assistida no mundo atingiu um total de cinco milhões este ano, segundo a Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia, o que indica o sucesso desta tecnologia em benefício da fertilidade e do relacionamento de muitos casais.

Muitos casais que costumam recorrer à reprodução assistida o fazem, pois mais do que ter filhos, gostariam de viver a experiência da gravidez, o que não poderia ser resolvido com a adoção de uma criança.

A principal dúvida que passa pela cabeça dos casais e que costuma gerar conflitos é sobre qual gênero costuma ser o “responsável” pela infertilidade, porém, segundo pesquisas da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana, tanto homem quanto a mulher são responsáveis cada um por 40% da dificuldade de engravidar e os 20% restantes são casos em que ambos simultaneamente têm problemas de fecundidade.

Portanto o importante é saber identificar o momento de procurar ajuda em vez de promover desgastes psicológicos analisando sem razão um possível “culpado”.

Quando procurar o auxílio da reprodução assistida

  • Casal que faz sexo no mínimo duas vezes por semana a pelo menos um ano sem métodos anticoncepcionais e não ocorre a gravidez;
  • Mulheres com mais de 35 anos de idade;
  • Mulheres com menstruações irregulares ou ausentes, endometriose ou menstruação dolorosa;
  • Mulheres que tenham passado por dois ou mais abortos;
  • Homens que tenham tido infecções prostáticas;
  • Homens com espermatozoides em número baixo ou com má formação;
  • História de doença sexualmente transmissível em um dos parceiros;
  • História de infecção pélvica ou genital em um dos parceiros;
  • Cirurgia abdominal prévia em um dos parceiros;
  • Reversão de esterilização cirúrgica em um dos parceiros;
  • Diabetes, pressão arterial elevada ou outras doenças crônicas em um dos parceiros;
  • História de quimioterapia ou radioterapia em um dos parceiros.

Quais são os métodos de reprodução assistida e como funcionam

Os métodos de reprodução assistida são divididos em dois grupos: o da inseminação artificial e o da fertilização in vitro.

A inseminação artificial é um método mais antigo em que a fecundação se dá dentro do corpo da mulher através da inoculação de um espermatozoide no aparelho genital feminino, a chamada Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides.

A fertilização in vitro é uma técnica mais moderna em que há a retirada dos óvulos e espermatozoides para uma fecundação externa. Pode ser feita de diversas formas:

  • Transferência Intratubária de Gametas: Técnica que consiste na transferência do gameta masculino e feminino diretamente na tuba uterina da mulher. Quando os gametas utilizados são do próprio casal a técnica é apoiada pela Igreja Católica;
  • Transferência Transvaginal Intratubária de Embrião: Técnica que transfere por via vaginal um embrião já formado, em estágio pré-nuclear, na altura das tubas uterinas;
  • Inseminação Artificial Intrauterina: Ocorre pela colocação via vaginal, de espermatozoides diretamente na altura da tuba uterina.

Os processos de reprodução assistida podem contar também com doação de óvulos, sêmen e embriões; congelamento de material biológico reprodutivo e de embriões; e diagnóstico genético pré-implantatório – para evitar doenças genéticas no futuro bebê, contribuindo para maior sucesso da gravidez.

É preciso entender que apesar de, segundo pesquisas, a partir de um único ciclo de tratamento já terem sido alcançados 32% de êxito, não se deve criar expectativas de sucesso imediato a reprodução assistida é um processo complexo e o casal deve estar equilibrado e harmonizado psicologicamente, se for possível é interssante contar com a ajuda de um psicólogo.

Assuntos: Gravidez

Dicas pela Web