Transtorno de evitação alimentar pós-cirúrgica

A restrição excessiva da ingestão da alimentação leva a situações de risco para o paciente

Escrito por Luciana Kotaka

Foto: Thinkstock

Tem crescido a busca pela cirurgia bariátrica em pacientes com obesidade mórbida e até mesmo para algumas pessoas que não estão dentro dessa classificação, mas que acabam se submetendo a esse processo como forma de “resolver” o seu problema com o peso até então sem sucesso.

A cirurgia bariátrica e metabólica são técnicas com respaldo científico destinadas ao tratamento da obesidade, e doenças associadas ao excesso de gordura corporal ou agravadas por ele.

O Brasil é o segundo país do mundo no número de cirurgias bariátricas realizadas, sendo que aproximadamente de 10 a 15% desses pacientes, depois de alguns anos recupera todo o peso perdido na cirurgia, retornando ao peso inicial.

Porém mesmo com esse avanço no tratamento da obesidade também tem crescido o aparecimento de outras patologias associadas a essa intervenção, como postsurgical eating avoidance disorder ou transtorno de evitação alimentar pós-cirúrgica, em português.

Alguns pacientes que se submetem a cirurgia apresentam uma grande perda de peso rapidamente, em função da restrição alimentar voluntária, por um medo crescente de ganhar novamente peso. Esse processo vem associado a muita ansiedade e insatisfação com a imagem corporal.

Muitas pessoas partem para a cirurgia sem estarem preparados emocionalmente para as mudanças que ocorrerão no pós-cirúrgico, mesmo tendo passado por profissionais habilitados para a liberação para esse procedimento. Isso se dá pelo fato de não ser exigido que os pacientes se submetam ao tratamento psicológico e nutricional de pelo menos seis meses antes, para que possam realizar mudanças significativas e/ou permanentes na sua relação com a alimentação.

É frequente pacientes relatarem que sabem tudo sobre o processo, que estão conscientes de que não poderão comer em excesso, ou mesmo que sabem as mudanças na imagem corporal que irão ocorrer e se acham preparados para enfrentar sem problemas essas situações.

Porém o que vemos no pós-cirúrgico são muitas pessoas com medo de perderem o controle alimentar, sofrem muito por não conseguirem comer como antes, comem escondidos mesmo que passem mal ou sintam dores, ficam assustados com a nova imagem corporal, o excesso de pele resultante do emagrecimento.

Desta forma é importante estarmos alertas, pois a cirurgia bariátrica é um processo inicial da perda de peso, mas que não assegura a manutenção do corpo magro, nem a eliminação do desejo de comer.

Quando submetidos a um processo de mudança alimentar, desenvolvendo comportamentos assertivos como comer nos horários adequados, alimentos saudáveis, a prática de exercícios físicos regulares, o equilíbrio emocional, melhor aceitação da imagem corporal, a possibilidade dos resultados pós-cirúrgicos serem satisfatórios é maior e melhor no ponto de vista geral da saúde do paciente.

Para você