Torcicolo: conheça os tipos e os tratamentos disponíveis

Escrito por Gabriela Monteiro

Foto: iStock

Torcicolo se define como a condição em que os músculos do pescoço, normalmente o esternocleidomastóideo e o trapézio, se contraem de forma involuntária. Essa situação gera um desconforto e enrijecimento da região do pescoço, fazendo-o pender para o lado direito ou esquerdo. Isso pode acontecer devido a variados fatores, como uma má noite de sono, um acúmulo de tensão ou ainda por excesso de tempo em determinada posição, por exemplo, costurando com a cabeça abaixada ou utilizando o computador.

Qualquer pessoa está sujeita a ter torcicolo, independente da idade. Para compreender melhor a ocorrência desta doença é relevante conhecer suas possíveis manifestações, seus tratamentos, complicações, entre outras questões.

Tipos de torcicolo

Foto: iStock

Em busca de definir melhor a ocorrência do torcicolo, o médico Lucas Coracini, residente na área de ortopedia, esclareceu quais os tipos de manifestações conhecidas dessa doença:

Espasmódico

É marcado pela ocorrência de espasmos, seguidos do enrijecimento dos músculos do pescoço. Também é possível que espasmos e dores em outras regiões do corpo aconteçam nessa manifestação do torcicolo, a qual costuma afetar adultos, principalmente do sexo feminino.

Repentino

Esse tipo de torcicolo é gerado pela tensão da musculatura, causada pela exposição ao frio ou estresse, por exemplo e que leva à contratura muscular forte. Seu tratamento é simples, muitas vezes resolvido apenas com repouso.

Leia também: Quiropraxia: conheça as vantagens e as desvantagens da terapia

Congênito

O torcicolo congênito é característico de bebês recém-nascidos ou com até dois anos de vida. Nesse caso, a criança apresenta um retorcimento do pescoço, devido a uma provável postura inadequada ainda no útero da mãe. Essa manifestação do torcicolo é grave e seu tratamento é normalmente realizado por meio de fisioterapia ou intervenção cirúrgica.

Conhecendo os possíveis tipos de torcicolo, fica mais fácil definir o tratamento adequado e também suas causas de acordo com os sintomas apresentados.

Causas

Foto: iStock

De acordo com o profissional Lucas Coracini, as prováveis causas do torcicolo podem ser variadas. As mais comuns relacionam-se a processos de estresse e ansiedade em excesso, que tendem a gerar tensão na região dos ombros e do pescoço. Confira as principais razões elencadas:

Deficiência de potássio e cálcio: a falta de potássio e cálcio leva seu corpo a situações de fadiga extrema, a qual causa o torcicolo. Eles são essenciais para a saúde muscular e são encontrados em alimentos como melão e abacate.

Processo infeccioso: infecções obrigam seu corpo a passar por períodos de trabalho fora do comum para eliminar a doença. Essa ocupação extrema pode acabar prejudicando seus músculos.

Leia também: 11 hábitos comuns que podem causar inflamação em seu corpo e você nem imagina

Tensão: momentos de alto estresse podem levar a uma alta tensão, concentrada na região dos ombros. É importante manter o corpo bem alongado para evitar dores.

Problemas na coluna: outros problemas ortopédicos, como escoliose, podem levar você a sofrer com a contração dos músculos esternocleidomastóideo e trapézio.

Má postura: situações de postura ruim, diante do computador, usando o celular, estudando e em outros momentos podem danificar os músculos do pescoço e levar ao torcicolo.

Exposição ao frio excessivo: passar por situações de frio extremo ou ainda se expor a ares condicionados ou ventiladores em excesso podem enrijecer a região do pescoçoo.

Diante das causas, uma ótima pedida é procurar evitar situações como as apresentadas e também buscar fisioterapias, aulas de pilates e outros exercícios que envolvam o alongamento da região do pescoço.

Leia também: Labirintite: causas, sintomas, fatores de risco e tratamentos

Fatores de risco

Foto: iStock

Algumas atitudes e traços podem fazer com que o torcicolo se desenvolva com mais facilidade. Os fatores de risco conhecidos para essa doença são:

Hereditariedade: caso sua família tenha um histórico de torcicolo na família, há a probabilidade de que você também apresente quadros da doença.

Problemas na coluna: se você já apresenta problemas em determinada região da coluna, é mais fácil que o torcicolo se manifeste no seu corpo.

Traumas na região do pescoço: traumas antigos podem fazer com que dores no pescoço sejam mais comuns em sua vida. As mais graves podem ser manifestações do torcicolo.

Sexo: pessoas do sexo feminino possuem maior tendência a apresentar quadros de torcicolo.

Identificou alguma questão de sua vida como fator de risco? Então, talvez seja importante buscar ajuda! Assim, você evita o enrijecimento de seus músculos e consequentemente o torcicolo.

Sintomas

Foto: iStock

Como é característico de situações de doença, o torcicolo pode ser reconhecido por meio de seus sintomas. Saiba quais são:

  • Dores locais e alta sensibilidade nas costas, músculos e pescoço;
  • Deformidades físicas;
  • Espasmos musculares;
  • Rigidez na região do pescoço, ombros e costas;
  • Dores de cabeça.

Agora que você conhece os sinais da doença, fica mais fácil buscar tratamento, certo? Se a dor persistir por mais de uma semana dores na região do pescoço ou na cabeça, por exemplo, procure tratamento com um médico rapidamente.

Diagnóstico e tratamento

Foto: iStock

O diagnóstico do torcicolo é feito por meio do exame físico. Segundo o médico Lucas Coracini, é confirmada a doença quando há um enrijecimento palpável na região da dor e da tensão da musculatura, além de uma lateralização da cabeça e inclinação do pescoço para o lado direito ou esquerdo do corpo. Conheça os possíveis tratamentos para esses quadros:

Tratamento

Compressas de água quente: altas temperaturas podem ajudar a aliviar a dor e o enrijecimento dos músculos do pescoço.

Relaxantes musculares: remédios para relaxar o corpo são grandes ajudantes em períodos de dor.

Fisioterapia: buscar ajuda com fisioterapeutas é essencial diante de quadros graves de torcicolo. Esses profissionais podem contribuir para que essas situações não evoluam para problemas mais sérios.

Repouso: descansar é essencial para aliviar a tensão que causa o torcicolo. Lembre-se de sempre manter o pescoço bem apoiado em um travesseiro ou encostado de forma firme.

Cirurgia: casos congênitos de torcicolo podem exigir intervenções cirúrgicas para que quem sofre da doença possa ter uma boa qualidade de vida.

Terapias alternativas: algumas ervas, como o alecrim, podem contribuir no alívio do torcicolo. Aplique em compressas quentes nas regiões de dor.

É extremamente relevante buscar tratamento adequado para seja qual for a doença e com o torcicolo não é diferente. Não deixe de consultar um médico de confiança para saber qual se encaixa melhor para seus sintomas.

Convivendo com o torcicolo

Foto: iStock

Para conseguir conviver com o torcicolo, são indicados períodos de repouso e exercícios com fisioterapeutas devidamente capacitados. Como forma de aliviar a dor, também é indicado que a pessoa que sofre com a doença faça compressas de água quente e que evite passar frio, sendo as golas altas ótimas aliadas para essas situações.

É contraindicado que pessoas acometidas pelo torcicolo durmam sem travesseiros ou em colchões muito flexíveis. Aulas de alongamento, sessões de fisioterapia e pilates também são de grande ajuda no convívio com a doença no dia a dia, uma vez que a crise mais complicada tenha se acalmado.

Complicações

Certas manifestações do torcicolo podem levar a quem sofre com a doença a passar por complicações. Elas são comumente encontradas no tipo congênito da doença, uma vez que este tem uma cura difícil. Descubra algumas:

  • Dificuldade para realizar atividades diárias, como lavar a louça;
  • Estresse emocional devido às dores;
  • Inchaço dos músculos na região da dor;
  • Problemas de postura;
  • Insônia

Sabendo tantos detalhes da doença, fica mais simples de tratá-la, porém isso não significa que não seja necessário buscar um profissional especializado para o tratamento. Médicos ortopedistas, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais são algumas das opções de ajuda disponíveis.

Encontre alguém de sua confiança e não hesite em tratar essa doença que pode ser um incômodo até para realizar as tarefas mais simples do dia a dia.

Para você