Superproteger a criança pode ser prejudicial ao desenvolvimento dela

Psicóloga e pedagoga falam sobre os perigos de proteger os filhos em excesso e dão dicas dos cuidados que os pais devem ter

Escrito por Ana Carolina Gabriel

Foto: Thinkstock

Dar toda atenção e carinho às crianças é o desejo da maioria dos pais. Oferecer todas as condições e dar tudo do bom e do melhor faz com que os pequenos se sintam confortáveis. Esse cuidado é ainda maior quando eles começam a frequentar a escolinha. Isso porque a criança tem contato com outras pessoas, o que deixa os pais ainda mais apreensivos devido a violência e o perigo que infelizmente estão presentes nas ruas. “Os pais ficam receosos porque a criança ainda não sabe se defender e fazer as escolhas corretas”, comenta a pedagoga Arlete Codo.

Mas essa preocupação em excesso pode ser prejudicial ao desenvolvimento infantil e a relação do pequeno com as outras crianças. “Extremismos de superproteção bem intencionada, na tentativa de fechar os olhos da criança para a realidade do mundo, podem resultar em um adulto despreparado e incapaz de lidar com dificuldades”, diz a psicóloga Triana Portal.

Amor consciente

Os pais devem buscar sempre o equilíbrio: agir sem excessos ou falta de cuidado. “Não adianta também dar muita liberdade aos pequenos. Eles precisam ser responsáveis e entender o certo e errado. Para isso, conversar sobre tudo com os filhos é essencial”, comenta a pedagoga.

Bate-papo:

“Conversar sobre todos os assuntos é de extrema importância, já que o diálogo traz ainda mais cumplicidade entre pai e filho e é através dela que surgem as dúvidas”, diz Arlete.

Respeite o espaço:

“É preciso sim policiar o que as crianças estão vendo na internet. Mas esse cuidado deve ser feito sem a criança perceber. Para isso, coloque o computador onde há maior circulação de pessoas, dessa maneira, você sempre estará vendo o que as crianças estão acessando, sem ser invasivo demais”, comenta a pedagoga.

Responsabilidades:

“Ensine os seus filhos a ser responsáveis. Mostre a importância de regrar o estudo e dê atividades para ele fazer em casa, como por exemplo, arrumar a mesa do café, do almoço e do jantar. Essas atitudes são ideais para eles perceberem que têm tarefas a serem cumpridas”, diz a professora.

Diversão:

“Eles também precisam passear com os amiguinhos. Conheça cada um deles e os pais das crianças. Sempre leve e traga o seu filho dos lugares onde ele for”, sugere a pedagoga.

Leitura:

Ler é essencial para o desenvolvimento da criança. Se seu filho gosta de ler histórias em quadrinhos, por exemplo, permita. “Os pais precisam estimular a confiança, ensinar o que é certo e errado, explicar o que é ficção e o que é realidade. Devem acompanhar a leitura de forma equilibrada, sem impedir a liberdade de expressão. Devemos estimular filhos à reflexão e a terem opinião própria”, afirma a psicóloga.

Siga as dicas e não tenha medo! Agindo com cumplicidade e confiança, os seus filhos perguntarão sobre tudo à você e respeitarão suas regras e seguirão seus conselhos sem titubear.

Para você