Sou bipolar?

Conheça como é o diagnóstico e o tratamento do transtorno de humor bipolar

Escrito por Andreia Mattiuci

Não é raro escutarmos no nosso dia-a-dia que tal pessoa é “bipolar” por causa da sua instabilidade de humor (uma hora está feliz e em outra está triste). Na realidade o transtorno de humor bipolar é bem diferente do que poderíamos chamar de felicidade e tristeza comum, pois a doença é caracterizada por episódios de extrema alegria (euforia) e de extrema tristeza (depressão). O bipolar não conhece o meio termo e por isso é sempre “muito”.

A doença pode se iniciar na infância, geralmente com sintomas como irritabilidade intensa, porém o maior índice de incidência é dos 20 aos 30 anos. Em aproximadamente 80 a 90% dos casos os pacientes apresentam algum parente na família com transtorno bipolar.

O diagnóstico do transtorno bipolar deve ser feito por um médico psiquiatra e é baseado nos sintomas do paciente. Não há exames de imagem ou laboratoriais que auxiliem o diagnóstico. O tratamento, após o diagnóstico preciso, é medicamentoso.

O tratamento com carbonato de lítio é o mais tradicional, e hoje há significativos progressos no estudo de novos tratamentos com poucas, mas significativas novas medicações introduzidas na medicina nos últimos tempos. O lítio induz a uma série de efeitos adversos e, por isso mesmo, precisa ser dosada sua concentração no sangue periodicamente. O tratamento moderno de transtorno bipolar é feito sem lítio, com uso contínuo de olanzapina ou quetiapina. Com o uso de medicamentos adequados e de apoio psicológico, é perfeitamente possível ter uma vida normal.

É importante dizer que as alterações de humor podem ser causadas por diversos tipos de doença na mulher e por isso merecem uma atenção especial, procure ir ao ginecologista com frequência, afinal a prevenção é sempre o melhor remédio.

Assuntos: Relacionamentos

Para você