Saiba como identificar e tratar asma nas crianças

A doença é crônica, mas com os cuidados adequados seu filho terá uma vida normal

Escrito por Gisele Macedo Sá

Os cuidados com a saúde das crianças são sempre importantes e em casos de suspeita de alguma doença, o quanto antes o diagnóstico e o tratamento, melhor. Com a chegada do frio e a mudança de temperaturas, muitas crianças logo começam a apresentar sintomas como tosse, chiado no peito (especialmente ao expirar) e falta de ar, o que pode caracterizar asma. Mas segundo o pediatra, membro do Departamento Científico de Alergia e Imunologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Wellington Borges, cerca de 50% dos bebês pode apresentar pelo menos um episódio desses, sem jamais virem a se tornar asmáticos.

“Começamos a cogitar o diagnóstico de asma em crianças de mais de 2 anos e após o quarto episódio, principalmente se o pai ou a mãe tiverem histórico da doença. É bom lembrar que o diagnóstico é totalmente clínico e não existe nenhum exame laboratorial que o confirme”, explica o especialista. A asma é uma doença crônica caracterizada por um processo inflamatório das vias aéreas inferiores. Como não existe cura para o problema, a principal forma de lidar com ele é promover um tratamento adequado para o paciente.

O tratamento para asma é feito de duas formas: o preventivo, que busca controlar a inflamação nos pulmões e utiliza corticoides inalados e spray, também conhecidos como bombinhas. “O uso destes artifícios diminui a sensibilidade do paciente e por consequência evita as crises”, explica o pediatra vice-presidente do Comitê de Pneumologia da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS), Diego Djones Brandenburg.

O segundo tratamento alivia os sintomas com o uso de substâncias broncodilatadoras para abrir os brônquios e minimizar a crise. “Esses medicamentos tem efeito rápido, porém logo perdem seu efeito e os brônquios voltam a se fechar. Por isso é muito importante fazer um tratamento aliado aos medicamentos preventivos”, explica Brandenburg.

Os cuidados com uma criança asmática devem incluir orientações gerais como lavar as mãos com frequência e evitar poeiras, materiais tóxicos, tinturas, solventes e produtos de limpeza. O contato com ácaros, mofo e pelos de animais deve ser reduzido. Além de tratar a doença de forma adequada, a família deve estimular a criança a realizar atividades ao ar livre.

“É fundamental evitar aglomerados humanos em ambientes fechados, como shopping, aeroporto ou cinema, pois as infecções respiratórias virais são as principais desencadeadoras de crises agudas de asma e, em ambientes fechados, é mais fácil à propagação dessas doenças infectocontagiosas”, explica Borges.

A exposição de um asmático à fumaça de cigarro também pode ser um grande perigo. “O cigarro, além de poder desencadear uma crise, é capaz de bloquear os efeitos da medicação, agravando o caso”, enfatiza Brandenburg. Mas atenção, não somente a exposição à fumaça que pode causar problemas, as roupas dos tabagistas ficam impregnadas do cigarro e também devem ser evitadas.

Por fim o pediatra Brandenburg enfatiza que a doença não tem cura, mas pode ser controlada e o asmático terá uma vida normal. “A asma, assim como a diabetes e a pressão alta, se tratada de forma adequada, possibilita que a pessoa deixe de sentir os sintomas, o que chamamos de paciente em remissão. Mas nunca falamos em cura, porque sem o tratamento os sintomas irão reaparecer”, finaliza o médico.

Dicas pela Web
Comentários