Queda de cabelo após o parto: tudo o que você precisa saber

Profissionais explicam porque isso acontece e quando pode ser considerado algo preocupante

Escrito por Mariana Bueno

Foto: iStock

Muitas mulheres sentem diferença no volume e na quantidade de seus cabelos no período pós-parto. Esse processo é natural e acontece devido a questões hormonais. Portanto, não é preciso se preocupar, pois, em alguns meses, tudo volta ao normal.

Mas, em alguns casos, por problemas como distúrbios da tireoide ou diabetes, deficiência de proteínas, infecções ou questões genéticas, pode acontecer de levar um tempo maior para a recuperação.

Se for algo mais grave, há tratamentos que podem ajudar a minimizar e reduzir a queda, acelerando o crescimento dos novos fios. Mas tudo sempre com orientação médica, para não criar prejuízos à saúde.

Também é importante saber a forma correta de cuidar dos fios durante e depois da gravidez, para lidar com essa fase de forma mais tranquila e evitar grandes danos.

Por que a queda de cabelo aumenta após o parto?

Foto: iStock

O ginecologista e obstetra Rodrigo da Rosa Filho, da clínica Mater Prime, explica que isso acontece porque nesse período há uma alteração no ciclo de vida do cabelo. “Durante os nove meses de gravidez os cabelos ficam mais bonitos, fortes e saudáveis, por conta dos hormônios femininos estrógeno e progesterona, que, nessa fase, se mantêm em atividade no organismo. Já no pós-parto, as taxas voltam à normalidade e os fios que não caíram no período, despencam todos de uma vez”, afirma.

Leia também: Puerpério: o que é, fases, mudanças físicas e emocionais

Segundo ele, isso volta ao normal entre seis e 24 semanas, ou em até seis meses, no máximo. “De dois a quatro meses após o parto, os cabelos podem começar a cair, devido à readequação hormonal. O processo é natural e tende a se normalizar por volta do sexto mês”, diz.

O que fazer para evitar a queda?

Foto: iStock

A dermatologista Caroline Assed Saad, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), diz que ter uma alimentação balanceada, com muitas vitaminas e oligoelementos (como ferro e zinco), ajuda a manter a saúde dos cabelos. “Todas as vitaminas são importantes, mas dê preferência às vitaminas C, A e do complexo B. Elas são encontradas em diversos alimentos, por isso o ideal é uma alimentação rica em frutas, legumes, carne vermelha e vegetais verde escuros”, indica.

Além disso, ela recomenda todas as gestantes a tentarem ao máximo manter boas noites de sono para evitar o estresse, fator que também pode influenciar.

Quando a queda pode ser considerada preocupante?

Ainda de acordo com a dermatologista, é normal quando a queda de cabelo tem uma duração de poucos meses, sem surgir falhas e rarefações significativas no couro cabeludo. “Como dito anteriormente, até seis meses do pós-parto pode ocorrer a queda fisiológica do cabelo, que coincidirá com o período de amamentação”, diz.

Porém a especialista afirma que se notar que a queda continua após esse tempo ou ocorre em um volume muito grande, a mulher deve procurar um dermatologista e nunca fazer automedicações.

Leia também: 8 mitos (desbancados) sobre cabelos

Cuidados com os cabelos durante a gestação

Foto: iStock

Tanto durante a gravidez como depois do parto, não há nenhum cuidado específico. Para o dia a dia, a recomendação é fazer uma limpeza regular no couro cabeludo e nos fios, preferindo sempre produtos naturais.

E procedimentos como alisamentos e tinturas que utilizem químicas fortes devem ser evitados, principalmente no primeiro trimestre da gravidez. Os reflexos, que não tocam no couro cabeludo, podem ser feitos. Já para alisar, prefira usar apenas o secador e a chapinha ao invés de recorrer a tratamentos com duração mais longa.

Em casos mais raros, a queda de cabelos depois da gravidez pode persistir por até 15 meses. “A orientação é ficar de olho nos fios que estão nascendo, se demoram a crescer ou se não estão nascendo e, se necessário, procurar ajuda profissional”, finaliza o ginecologista.

Assuntos: Gravidez

Para você