Quanto tempo devo esperar para ter relações sexuais após o parto?

Uma pesquisa realizada em Melbourne, demonstra que muitas mulheres esperam seis semanas para voltar ao sexo, depois de dar à luz

Escrito por Carolina Werneck

Foto: Thinkstock

Muitas mulheres, quando estão grávidas, têm medo de manter relações sexuais com seus parceiros, mesmo que não haja nenhuma contraindicação clínica a esse respeito. Algumas vezes, se a mulher relata sentir dor durante a relação, o médico responsável pode solicitar que ela deixe de fazer sexo durante um determinado período, de modo a preservar tanto a saúde da mãe quanto a do bebê mas, em geral, a regra é que a mulher não precisa deixar de se relacionar durante a gestação.

Agora, uma pesquisa realizada em Melbourne, na Austrália, demonstra que, além dos cuidados tomados nesse sentido durante a gravidez, a maioria das mulheres espera em torno de seis semanas para voltar à atividade sexual, mesmo depois de dar à luz. Por que essas mulheres evitam o sexo, mesmo depois de terem seus bebês?

A pesquisa observou, um ano após o nascimento dos bebês, um total de 1.507 gestantes de primeira viagem coletando, especificamente, dados acerca da vida sexual dessas mães.

Os resultados são impressionantes: em torno de 53% delas disseram que retomaram algum tipo de contato sexual após seis semanas decorridas do parto. Entretanto, 41% afirmaram ter esperado ao menos seis semanas para o sexo vaginal depois de ter o bebê. Da mesma forma, 24% disseram ter esperado oito semanas, enquanto 13% afirmaram que esse intervalo foi de 12 semanas e 16% esperaram – pasmem – cerca de seis meses antes de retomar as relações sexuais normalmente.

O tipo de parto também influencia na hora de voltar ao sexo após o nascimento do bebê. Cesarianas, que são mais invasivas que o parto normal, tendem a retardar o período de abstinência sexual, mas mesmo o parto normal não traz garantias.

Em geral, se a mulher sofrer um corte ou laceração na região do períneo – que fica entre a vagina e o ânus – durante o parto normal também pode prejudicar a retomada das atividades sexuais. Esses cortes são relativamente comuns e necessários para facilitar a saída do bebê.

Apenas 10% das mulheres passarão por um parto normal sem sofrer lesões no períneo e, por isso, a pesquisadora Ellie Ellie McDonald, do Murdoch Childrens Research Institute, em Melbourne, ressalta que “essa é uma informação útil para que os casais tomem conhecimento antes do nascimento do bebê, e pode ajudar a diminuir sentimentos de ansiedade e culpa por não retomar a atividade sexual tão rápido”.

A maioria dos médicos recomenda que as mulheres aguardem entre quatro e seis semanas para voltar a se relacionar sexualmente com o parceiro. O período é necessário para que o útero se recupere dos “danos” sofridos ao longo da gestação e também do parto, como hemorragias, dilatação e possíveis lesões. Porém, como tudo que se relaciona à saúde, essa recuperação também varia de mulher para mulher, de modo que é fundamental manter o acompanhamento médico para que se saiba exatamente o que seria mais indicado em cada caso.

Naturalmente, para evitar uma outra gravidez em um curto espaço de tempo, os métodos contraceptivos devem ser mantidos normalmente, seja a camisinha, a pílula ou outros. É importante que o casal converse sobre os possíveis problemas que o parto traz para a vida sexual de ambos, dessa forma não haverá desentendimentos.

Assuntos: Relacionamentos, Sexo

Para você