Perdoar faz bem à saúde, segundo pesquisadores

De acordo com o Dr. Childre, fundador do Institute of HeartMath, “liberar velhas mágoas do seu organismo é como tomar um banho mental e emocional"

Escrito por Carolina Werneck

Foto: Thinkstock

“Uma boa alimentação e a prática regular de atividades físicas são fundamentais para manter a saúde em dia”. Você, provavelmente, já perdeu as contas de quantas vezes ouviu ou leu essa afirmação. Nutricionistas, professores de educação física, endocrinologistas, dermatologistas, enfim, quase todos os profissionais que se dedicam a cuidar da saúde humana costumam usá-la com frequência.

Entretanto, embora a alimentação e a prática de exercícios físicos sejam realmente fundamentais, elas não são os únicos fatores a influenciar a qualidade de vida. Começa, então, uma lista secundária de recomendações: não fume, não ingira álcool em excesso, mantenha o nível de estresse sempre sob controle e mais um sem número de itens – um deles, porém, não está entre os mais citados, embora também seja imprescindível: o perdão.

O perdão limpa o organismo

De acordo com o Dr. Childre, pesquisador do estresse e fundador do Institute of HeartMath, “perdoar e liberar velhas mágoas do seu organismo é como tomar um banho mental e emocional. Observe como as pessoas lavam seus corpos regularmente, mas vão armazenando lixo tóxico negativo em suas natureza mental e emocional durante anos, sem uma limpeza”.

O acúmulo de estresse ao longo do tempo está diretamente relacionado ao desenvolvimento de uma série de doenças. É como se a carga negativa emocional de fato se transformasse em carga negativa física – e mudar isso não é tarefa fácil. “É um problema, entretanto, que as pessoas têm o poder de resolver, aprendendo a perdoar, mas isso não é algo que se aprenda da noite para o dia”, explica o Dr. Childre.

Exercício para aprender a perdoar

Após muitos anos de pesquisa e estudo sobre o assunto, o Dr. Childre desenvolveu um exercício capaz de treinar mesmo o coração mais endurecido. A prática, segundo o pesquisador, ensina gradualmente a perdoar, tornando o perdão, pouco a pouco, parte do cotidiano.

Primeiro, pense em uma pessoa da qual você guarde algum tipo de mágoa – e que sinta o desejo de perdoar. Em seguida, procure enviar todos os sentimentos associados a essa pessoa (mesmo os negativos, como rancor, raiva e ressentimento) para o seu coração, ao mesmo tempo em que tenta “enviar” para a pessoa sentimentos puros, como o amor, a compaixão e o perdão. Você deve repetir o processo todas as vezes que se lembrar dessa pessoa.

A repetição persistente desse exercício, de acordo com o Dr. Childre, te tornará apta a gerenciar melhor as emoções negativas que tem em relação a uma determinada pessoa. A chamada “inteligência do coração” é um tipo diferente de inteligência interior, que só pode ser acessada após algum tempo de prática. Essa inteligência é capaz de liberar os sentimentos negativos de forma mais rápida que a inteligência “racional”.

Perdoar a si mesma também é um processo que pode ser aprendido. O ser humano tende a culpar-se pelos próprios erros com ainda mais severidade do que julga os erros alheios, porque tem a impressão incorreta de que esse tipo de atitude é necessário para que se aprenda a lição de verdade. No entanto, quem consegue perdoar as próprias faltas também tende a não cometê-las novamente, e reviver o erro não é mais produtivo que superá-lo.

Assuntos: Relacionamentos

Dicas pela Web