8 coisas que acontecem quando você para de tomar anticoncepcional

Sua TPM pode piorar, mas sua libido também pode ir lá pra cima

Escrito por Raquel Praconi Pinzon

Foto: iStock

Se você está pensando em ter um bebê, provavelmente você já decidiu que vai parar de tomar anticoncepcional. Porém, esse não é o único motivo que uma mulher pode ter para decidir suspender o uso das pílulas, adesivos, injeções ou mesmo do Mirena.

Caso você apresente fatores de risco para varizes, trombose e doenças cardiovasculares, parar de usar o anticoncepcional pode ser até mesmo uma necessidade para preservar a sua vida.

Porém, para outras mulheres, o motivo vai desde uma inadaptação ao método até a simples vontade de voltar a ter seu organismo livre de hormônios sintéticos, seguindo uma linha mais natural.

Seja qual for o seu motivo para parar de usar métodos contraceptivos hormonais, é necessário conhecer algumas coisas que acontecem com o seu corpo depois dessa decisão:

1. Você vai passar por um período de menstruação irregular

Foto: iStock

Com o uso dos hormônios, os ovários ficam meio de lado, sem precisar trabalhar para cumprir todo o nosso ciclo. Justamente por isso, pode levar algum tempo para que eles voltem a funcionar normalmente, de forma que a menstruação passa a apresentar irregularidades.

Leia também: 10 tipos de medicamentos que fazem você ganhar peso sem saber

Em geral, o ciclo se regulariza em torno de seis meses, embora algumas mulheres apresentem um ciclo normalizado já no mês seguinte à interrupção do anticoncepcional.

Ainda, pode ser que você fique até três meses sem menstruar enquanto que os ovários não “despertam”. Por isso, é importante ter o acompanhamento do ginecologista.

2. As cólicas e a TPM podem voltar

Foto: iStock

Se você sofria com cólicas muito fortes e TPM antes de tomar anticoncepcional, saiba que é bem possível que esses desconfortos voltem depois de suspender seu uso. Isso acontece porque, sem a pílula e outros métodos, nosso organismo volta a apresentar oscilações hormonais – algo natural, mas que causa esses incômodos.

Entretanto, se você nunca teve cólicas nem costumava ficar triste, irritada ou sonolenta antes do período menstrual, dificilmente a interrupção do uso dos hormônios vai fazer com que esses incômodos apareçam.

3. O fluxo menstrual aumenta

Foto: iStock

Quando usamos um anticoncepcional, podemos até sangrar todos os meses, mas não se trata de uma menstruação verdadeira, pois não há a preparação do útero para o recebimento de um possível bebê.

Leia também: 3 tipos de remédios que podem cortar o efeito do anticoncepcional

Dessa forma, ao suspender os contraceptivos hormonais, o endométrio volta a se formar, revestindo o útero para deixá-lo superconfortável caso um embrião apareça por lá. Assim, quando não acontece uma gravidez, o fluxo menstrual fica mais intenso e pode durar mais tempo.

4. Você vai ter mais secreções vaginais

Foto: iStock

Quando usamos anticoncepcionais e não temos nenhum problema na região genital, não costumamos apresentar secreções íntimas entre as menstruações. Porém, ao suspendê-los, é normal passar a perceber um muco viscoso na metade do ciclo, indicando que você está no período fértil.

Pode haver também um aumento na secreção natural do dia a dia e nas relações íntimas, resultado do aumento da produção de estrógeno pelo organismo.

5. Você vai ficar com a libido nas alturas

Foto: iStock

Diversos tipos de anticoncepcional reduzem ou bloqueiam a produção da testosterona, conhecida por ser o hormônio masculino, mas que também existe em pequenas quantidades no organismo da mulher.

E você sabe o que acontece quando a testosterona aumenta? Isso mesmo, o interesse pelo sexo também cresce! Claro que isso varia de mulher para mulher, mas, em geral, elas relatam uma melhora na libido quando param de usar a pílula e outros métodos hormonais.

Leia também: 38 dúvidas sobre anticoncepcional respondidas por ginecologistas

6. A quantidade de pelos aumenta

Foto: iStock

Você deve conhecer outro papel clássico da testosterona além de despertar a libido: ela é responsável pelo aumento da quantidade e da espessura dos pelos no corpo, incluindo face, axilas, genitais e pernas. Obviamente, esse efeito é mais visível nos homens, que apresentam um nível muito maior desse hormônio no corpo.

Dessa forma, com o aumento da testosterona que pode acontecer depois de você parar de usar o anticoncepcional, você também pode notar um aumento nos seus pelos – na verdade, eles vão voltar para o que seria seu estado “natural”.

7. Sua pele pode ficar mais oleosa

Foto: iStock

Outro efeito do aumento da testosterona causado pela interrupção do anticoncepcional é um estímulo maior no funcionamento das glândulas sebáceas, o que pode deixar a pele mais oleosa e mais sujeita à acne.

Se esse for o seu caso, você pode adotar novos hábitos, como usar sabonetes especiais para esse tipo de pele, ou até mesmo procurar um dermatologista se as alterações forem muito intensas e você comece a apresentar muitas espinhas.

8. Seu peso pode sofrer alterações

Foto: iStock

Parar de usar um anticoncepcional pode causar oscilações no seu peso, seja para baixo ou para cima. Em geral, os hormônios sintéticos que utilizamos causam retenção de líquido em maior ou menor grau. Assim, ao parar de usá-los, esse efeito vai cessar e seu peso pode sofrer uma leve alteração para baixo.

Leia também: 5 mitos sobre a pílula anticoncepcional

Porém, como também ocorre uma variação maior nos nossos hormônios, causando inclusive a volta da TPM, nosso humor tende a ficar mais instável, o que pode nos deixar mais ansiosas, aumentar nosso apetite (principalmente pelos doces) e diminuir nossa disposição para fazer atividades físicas. Nesse caso, o resultado será um aumento do peso.

Como você pode perceber, parar de usar um anticoncepcional hormonal tem uma série de efeitos, alguns positivos e outros negativos. A intensidade desses efeitos varia de mulher para mulher, de forma que não é possível prever como você se sentirá ao interromper o uso dos hormônios.

Por isso, em vez de tomar essa decisão sozinha, é essencial conversar com um(a) ginecologista de confiança que se mostre aberto(a) a discutir outras opções para o controle da natalidade e que também poderá te orientar sobre como lidar com os possíveis efeitos dessa escolha.

Dicas pela Web
Comentários