Descubra as causas da papada e os principais tratamentos para a região

Escrito por
Em 23.04.21

iStock

Por                                
Em 23.04.21

A papada pode ser causada por diversos fatores e há tratamentos que proporcionam ótimos resultados, agindo diretamente no problema. Para saber mais, consultamos o médico cirurgião plástico André Eyler (CRM: 667862/RJ), formado pela conceituada escola da Universidade Federal do RJ, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da American Society of Plastic Surgeons. Confira!

Publicidade

Índice do conteúdo:

O que causa a papada

De acordo com André, os principais fatores que causam o problema são: genética, obesidade e sobrepeso, bem como o efeito sanfona. Outro fator é a ação natural do tempo – o envelhecimento, que provoca o surgimento de flacidez e gordura na região. Sabia que além desses fatores, o formato do rosto também influencia? André comenta que o hipomentonismo, por exemplo, ou seja, pessoas que possuem o queixo pequeno e desproporcional ao resto do rosto costumam ter o problema e, até mesmo, são mais propensos ao acúmulo de gordura abaixo do queixo ou apenas a impressão de queixo duplo.

”Como o queixo é um dos vértices do triângulo da beleza, ele faz a diferença na contribuição do embelezamento do rosto e, como citado, dependendo do formato, pode ainda dar um aspecto envelhecido. Quando há queixo duplo ou papada, perde-se o equilíbrio facial e compromete a linha da mandíbula na área. É preciso, por isso, avaliar se ele forma um conjunto harmonioso com as outras partes do rosto, como o nariz, a boca e os olhos, inclusive e, sobretudo, com o perfil e o maxilar. Porque essa região pode valorizar ou acentuar negativamente as demais regiões. Mas, queixo duplo, papada, pequeno, retraído ou desproporcional pode ser corrigido por meio de procedimentos estéticos e cirúrgicos”, complementa.

Tipos de papada

Os tipos de papada são influenciados pelo acúmulo de gordura na região, o formato da face e o envelhecimento. Confira mais detalhes sobre cada um desses tipos:

  • Papada causada pelo acúmulo de gordura: “um dos tipos mais comuns e frequentes é o causado pelo acúmulo de gordura que fica depositado na região. Esse depósito de gordura ocorre geralmente por predisposição genética e, neste caso, pode atingir crianças, jovens e até mesmo quem é magro. Como a genética é um fator determinante na formação da papada, é muito difícil combater o próprio DNA. Portanto, é bom evitar outros fatores que cooperam com o acúmulo de gordura na região, dentre os quais: oscilações de peso, obesidade e sobrepeso, que contribuem bastante para o surgimento deste excesso de tecido adiposo na área e que age na formação da papada. Então, saiba que a alimentação também é outro fator desencadeante. Busque adotar regularmente uma dieta balanceada e saudável”, explica.
  • Papada causada pelo formato da face: “pessoas que tem o queixo pequeno, retraído e desproporcional à face costumam acentuar o problema ou ainda favorecem o surgimento do acúmulo de gordura abaixo do queixo ou dão a impressão de papada, queixo duplo, pelo sombreamento que produz”, aponta. No entanto, André relata que, muitas vezes, somente casos muito expressivos necessitam de um tratamento feito por um cirurgião plástico com especialização craniofacial, para que seja avaliado a possibilidade de uma cirurgia ortognática. Essa cirurgia visa reposicionar as estruturas ósseas da face.
  • Papada causada pelo envelhecimento: “com o passar dos anos, o tecido cutâneo da região pode desenvolver muita sobra de pele, flacidez excessiva, ptose muscular pronunciada e formar um papo grande”, esclarece.

A consulta com um profissional é essencial para que seja prescrito o melhor tratamento. E que tal conhecer mais sobre? Acompanhe, a seguir, as dicas!

Tratamentos para a papada

O cirurgião plástico elencou os principais tratamentos, com informações supercompletas. Veja!

Lipoaspiração

iStock

Uma das técnicas mais recomendadas e efetivas, segundo André, é a lipoaspiração. Ela pode ser realizada com anestesia local (com ou sem sedação), reduzindo os riscos do procedimento. Com alta no mesmo dia e sem exigência de internação, já que o procedimento é considerado de pequeno porte.

”A lipoaspiração, dependendo do caso, ainda pode ser associada com o aumento da projeção do queixo, se for necessário, através do preenchimento com o ácido hialurônico, que confere harmonia e equilíbrio à região”, pontua. Quanto aos resultados, como a cirurgia é relativamente rápida e simples, é possível observar os efeitos após, aproximadamente, um mês. André alerta, ainda, que para obter resultados favoráveis, a pele tem que estar bem firme, sem flacidez na musculatura local.

Publicidade

Mentoplastia

iStock

Se o problema é o equilíbrio dos queixos desproporcionais, retraídos ou pequenos, André indica a mentoplastia. É uma cirurgia para aumentar o queixo e pode ser aplicada por meio de várias técnicas, de acordo com a avaliação individual de cada paciente. “Em geral, se a pessoa tem um queixo pequeno e com pouca projeção é realizado um implante de prótese de silicone ou ainda de medpor (produto cirúrgico). A mentoplastia é aplicada para moldar as mais variadas deformidades funcionais ou estéticas para os que possuem queixo encurtado ou encolhido até a cirurgia ortognática da mandíbula para o mento muito proeminente”, finaliza.

Ultrassom microfocado

”Essa região submentoniana pode ser tratada com o aparelho de Ultrassom microfocado, tecnologia de última geração que traz bons resultados, especialmente para a flacidez e, até na redução da gordura localizada. Ele estimula a formação de colágeno, substância que dá sustentação à pele. Já o número de sessões com o procedimento irá depender de cada caso”, explica.

Lipoenxertia

iStock

Segundo André, para casos de hipomentonismo, há a lipoenxertia. Esse tratamento consiste no enxerto de gordura do próprio paciente, um método que não causa reações adversas. O procedimento pode ser feito também com preenchedores, como o ácido hialurônico, um componente que traz benefícios e remodela a região.

Lifiting de pescoço

Também chamada de cervicoplastia, esse procedimento é indicado para casos com muita sobra de pele, flacidez excessiva, ptose muscular pronunciada e um papo grande com dobras. Sobre os efeitos, o cirurgião plástico ressalta o rejuvenescimento facial e explica mais sobre o procedimento: ”esta cirurgia trata toda a região do pescoço e é um procedimento considerado importante no processo de rejuvenescimento facial. O lifting cervical remove o excesso de gordura, desenha a musculatura da área do pescoço, chamado platisma, e reposiciona o tecido cutâneo e retira a gordura submentoniana. As cicatrizes são sutis e após o período de maturação, se tornam imperceptíveis”.

Métodos químicos

iStock

André comenta que há métodos químicos para a correção da gordura no pescoço que até funcionam quando há pouca gordura local, mas são inferiores à técnica de lipoaspiração, que proporciona resultados mais eficazes e duradouros. Mas como são feitos esses métodos químicos? “São realizadas aplicações de injeções com substâncias que ajudam, em parte, a reduzir e a “queimar” este tecido adiposo na área submentoniana”, esclarece.

Mesmo com tantos procedimentos disponíveis, sempre bate aquela dúvida pontual, não é mesmo? Pensando nisso, André respondeu as principais dúvidas que envolvem o problema!

Principais dúvidas sobre a papada

Emagrecer ajuda a diminuir a papada? Tem como evitar? veja, agora, as respostas do cirurgião plástico para essas e outras dúvidas!

Publicidade

1. Emagrecer ajuda a diminuir a papada?

André Eyler (AE): Sim, principalmente se a papada for causada exclusivamente devido a uma alimentação hipercalórica. Porém, se houver predisposição genética e outros fatores desencadeantes, o emagrecimento apenas irá atenuar superficialmente o problema.

2. Tem como evitar a papada?

AE: Sem questões de herança genética envolvida, que são muito determinantes, procure seguir uma dieta equilibrada e saudável para combater oscilações de peso, sobrepeso e obesidade (que favorecem o acúmulo de gordura submentoniana). Manter-se dentro do peso ideal é importante, mas lembre-se que um corpo magro e esbelto não anula os fatores genéticos e o avanço do envelhecimento.

Aconselho, ainda, a adotar procedimentos coadjuvantes, como a drenagem linfática, pois ajuda a suavizar os depósitos de gordura. Além disso, é indicada a aplicação diária de cremes firmadores e específicos para a região para mantê-la bem hidratada e evitar assim a flacidez.

3. Há uma idade mais propensa a ter papada?

AE: Não necessariamente, porque dependerá dos fatores desencadeantes. Mas se não houver tais fatores, ela geralmente pode surgir a partir dos 35 anos, devido ao processo do envelhecimento natural.

4. Há hábitos, além da má alimentação e sobrepeso que contribuem para a papada?

AE: O estresse e o tabagismo dificultam a vascularização da pele, favorecendo deste modo o problema no contorno do queixo e pescoço.

5. Existem riscos ao realizar procedimentos cirúrgicos de papada e quais as contraindicações?

Publicidade

AE: Toda cirurgia envolve risco. As contraindicações são a pessoa não se encontrar em boas condições de saúde e, portanto, não estar apta a se submeter a uma cirurgia.

Se você quer saber sobre um outro tratamento que traz benefícios para a face, conheça a drenagem facial, um segredinho para cuidar da pele, inclusive, contra os sinais de envelhecimento!