Olho de peixe: saiba como evitar a verruga que causa dor e desconforto nos pés

O contágio se dá de pessoa para pessoa, ou por meio de objetos contaminados. Saiba como se proteger

Escrito por Tais Romanelli
Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

Você provavelmente já ouviu falar em “olho de peixe”. Se nunca teve, talvez se lembre de alguém que sofreu com o problema, em alguma fase de sua vida, mais possivelmente na infância!

Olho de peixe é o nome popular referente a uma infecção viral causada pelo vírus do HPV, com o nome correto de verruga plantar. Semelhante a um calo, esse tipo de verruga costuma dificultar o caminhar, pois há dor ao pisar sobre ela.

Sara Bragança, médica pós-graduada em Dermatologia, membro da Sociedade Brasileira de Medicina Estética, comenta que a verruga plantar caracteriza-se por uma elevação da pele. “Forma uma pequena lesão arredondada e conta com um ou vários pontos pequenos pretos no meio.”

A dermatologista Márcia Linhares explica que a localização do olho de peixe, na planta dos pés, ocasiona dor e desconforto e, quando ocorre em locais de pressão, como calcanhares, muitas vezes é confundido com calosidades.

“O que é mais característico é que existe um ponto central mais áspero. As verrugas podem ser ainda lisas e circunscritas, e menos dolorosas, quando são chamadas de clavus. Existem ainda as variantes mais superficiais (verruga plantar em mosaico) e as de crescimento penetrante (mirmécia)”, diz Márcia.

Leia também: HPV tem cura? Saiba como preveni-lo e trata-lo

Vale destacar que podem surgir um olho de peixe (ou seja, uma única lesão) ou vários ao mesmo tempo, espalhados pela planta dos pés.

Causas do olho de peixe e formas de contágio

Sara destaca que toda pessoa está sujeita a ter olho de peixe, mas, as crianças são mais acometidas devido ao fato do sistema imunológico delas estar mais vulnerável.

Márcia explica que pequenos traumas na pele podem favorecer o contágio pelo vírus do HPV. Mas é a imunidade da pessoa que tem papel determinante neste caso. “A imunidade do indivíduo acometido é o que determina se ele vai desenvolver ou não o problema, ou seja, imunocomprometidos têm maior chance de desenvolver”, diz.

A dermatologista explica ainda que o contágio se dá de pessoa para pessoa, ou por meio indireto, por exemplo, por objetos contaminados (fômites).

Pode-se dizer também que o estresse facilita o aparecimento desse tipo de verruga, além do uso de medicamentos, conforme destaca Sara. Isso tudo porque esses fatores ajudam a causar a diminuição do sistema imunológico, o que propicia a infecção.

Leia também: HPV: dicas para você se cuidar e prevenir a doença

Como tratar o olho de peixe?

Márcia explica que não existe um tratamento único, pois vários métodos apresentam vantagens e desvantagens. “Deve-se levar em consideração a localização, idade do paciente, forma clínica, duração da doença, e condições imunológicas do paciente”, diz. Alguns exemplos dos métodos que podem ser utilizados são:

  • Ácidos;
  • Criocirurgia ou eletrocirurgia;
  • Laser de CO2;
  • Terapia fotodinâmica, entre outros.

“Portanto, somente o dermatologista é habilitado para definir qual o melhor tratamento para a verruga plantar”, destaca Márcia.

Sara reforça que os tratamentos médicos, em geral, envolvem o uso de ácido salicílico, ácido tricloroacético, ácido nítrico fumegante, crioterapia (congelamento) e tratamento a laser. “Se esses tratamentos não forem satisfatórios, procedimentos cirúrgicos podem ser realizados para retirar as verrugas”, diz.

8 cuidados simples para prevenir o olho de peixe

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

Abaixo você confere as principais orientações para evitar a verruga plantar:

  1. Não andar descalça, especialmente em vestiários, banheiros e áreas próximas à piscina.
  2. Secar bem os pés após a piscina ou, simplesmente, após contato com umidade.
  3. Evitar ao máximo usar sapatos emprestados de outras pessoas.
  4. Manter uma dieta saudável (com frutas, verduras, legumes, proteínas magras), o que ajuda a fortalecer o sistema imunológico e, assim, evitar a contaminação.
  5. Tentar evitar o estresse, já que ele também propicia a diminuição da imunidade.
  6. Nunca tomar medicamentos (independentemente do tipo) por conta própria, o que poderia ajudar a diminuir a imunidade.
  7. Se você tiver contato próximo com uma pessoa que já está com o olho de peixe, recomendar a ela se tratar.
  8. Se você já tiver com o olho de peixe, não cutucar com a mão, pois isso pode fazer com que o vírus espalhe. Procure ajuda médica o quanto antes.

É importante ainda que a pessoa que já está com a verruga plantar tenha consciência de que não deve frequentar, até resolver o problema, ambientes que facilitem o contágio a outras pessoas, como piscinas, clubes, banheiros públicos etc.

Leia também: Dicas de higiene e cuidados com a toalha de banho

Procurar o dermatologista o quanto antes é sempre o melhor caminho para tratar o problema corretamente e evitar ainda o contágio de outras pessoas.

Dicas pela Web