O segredo para obter os melhores resultados no seu treino

Um treino deve ser sempre individualizado para que os objetivos sejam alcançados com segurança

Escrito por Tais Romanelli

Foto: Thinkstock

Muitas pessoas acreditam que, seguindo à risca o treino de uma amiga ou conhecida, ou até mesmo os exercícios feitos por uma celebridade e citados em uma revista, alcançarão os mesmos resultados positivos que elas declararam ter. Porém, nem sempre isso acontece.

Um treino pode ser muito eficaz para uma pessoa, porém, nem tanto para outra. Até porque, nem sempre os objetivos das duas são os mesmos. Abaixo, o relato de Fernanda Moura, advogada, 24 anos, mostra exatamente isso.

“Ao reparar que minha amiga estava emagrecendo e ficando com um corpo muito bonito, pedi a ela que me passasse seu treino, para que eu pudesse segui-lo também na minha academia. Para ajudar no emagrecimento, criei o hábito de correr e, em questão de um mês, realmente emagreci. Porém, notei que meu corpo não estava ficando como eu esperava… Minhas pernas estavam cada vez mais finas, mas eu ainda tinha uma barriguinha – que me incomodava – e braços mais cheios. Já minha amiga, emagrecia bem mais na parte superior do seu corpo e conseguia manter pernas grossas e bem torneadas. Foi, então, que me toquei que o treino que estava sendo bom para ela, para o seu corpo, não era o melhor para mim”, conta Fernanda. “Foi aí que optei por contratar um personal e, depois disso, comecei a ter os resultados esperados”, acrescenta.

Juliana Parreira, professora, 26 anos, também conta que demorou um pouco para alcançar os resultados esperados com seu treino. “Já estava malhando e tinha a ideia fixa de que queria perder medidas nos quadris – que sempre considerei largos -, mas, mesmo emagrecendo, eu não via esse resultado. Estava ficando frustrada e até pensei em desistir de malhar. Mas, depois de boas conversas com minha nutricionista e meu professor da academia, cheguei à conclusão de que não tinha como mudar aquela característica minha. Os meus quadris largos eram genéticos e isso eu não podia mudar com exercícios. A partir daí passei a encarar os treinos de forma mais leve e ficar mais satisfeita com os outros resultados que conseguia”, diz.

Os diferentes tipos de corpo

Foto: Thinkstock

Relatos como esses mostram que, além de diferentes objetivos, cada pessoa tem suas características e se adapta de um jeito diferente a determinado tipo de treino.

Um ponto importante a ser observado é o tipo de corpo da pessoa. Os mais conhecidos são o padrão ginóide (conhecido popularmente como “pera”) e o androide (popularmente conhecido como “maçã”).

As mulheres com o padrão ginóide possuem uma estrutura corporal de quadris e pernas maiores em comparação aos membros superiores. Já as pessoas com padrão androide, são maiores na região do abdômen e possuem, de forma geral, pernas mais finas. Existem ainda os corpos chamados popularmente de “vagem”, que são os de pessoas altas e magras, que, geralmente, têm dificuldades em ganhar peso e/ou massa muscular.

Porém, apesar dessas definições, vale ressaltar que nenhum corpo é igual a outro e uma pessoa sempre terá suas características particulares.

A importância de um treino individualizado

Foto: Thinkstock

Pesando em tudo isso, o segredo para alcançar bons resultados não é tão complicado assim: é preciso buscar orientação de um profissional da área de Educação Física que possa passar à pessoa um treino individualizado.

Adriano de Oliveira Silva, professor da Smart Fit, explica que o treino deve ser individualizado, para que os objetivos sejam alcançados, “respeitando as características biológicas da pessoa, levando em consideração o histórico de exercícios praticados, se há alguma lesão ou não, e o tempo a ser desprendido para treinar”, diz.

O profissional explica que, primeiramente, deve-se respeitar a individualidade biológica da pessoa. “Ou seja, não adianta tentar reduzir muito o tamanho do seu quadril, se você possui o padrão pera/ginóide; ou querer aumentar exageradamente a musculatura das pernas, sendo um padrão androide”, diz.

Adriano destaca que as mulheres com o padrão ginóide possuem uma estrutura corporal de quadril e pernas maiores em comparação aos membros superiores, porém, isso não significa que elas devam treinar mais pernas e glúteos do que membros superiores. “Uma série de treino que contemple exercícios para o corpo todo é o recomendado. O mesmo se enquadra para mulheres com outros ‘formatos corporais’, como o padrão androide, por exemplo”, diz.

Um bom exemplo de treino completo, de acordo com o professor, é: leg press na máquina, supino na máquina, mesa flexora, remada na máquina, abdominal na máquina, cadeira abdutora e lombar na máquina.

Foto: Dicas de Mulher

Vale a pena ressaltar que, independentemente do seu objetivo – se a pessoa deseja aumentar a massa magra, emagrecer, ou somente obter uma melhora do condicionamento físico – é necessário buscar a orientação de um professor de Educação Física. “Ele irá nortear o controle das variáveis de treino (por exemplo: repetições, série, intervalo entre as séries e frequência de treino), para que os resultados possam ser alcançados com segurança”, diz Adriano.

O profissional acrescenta ainda que, o que auxiliará na obtenção dos resultados, não é somente a escolha dos exercícios, e sim a tríade: treino eficiente e árduo, dieta condizente ao resultado que se espera e descanso apropriado. Seguindo estes princípios, os objetivos serão alcançados conforme a individualidade biológica da pessoa.

Assuntos: Boa forma, Fitness

Dicas pela Web