Sociedade

Qual a pena para o médico anestesista preso em flagrante por estuprar mulher durante cesárea?

CANVA

Caso aconteceu no Rio de Janeiro e ato foi flagrado depois de enfermeiras e técnicas desconfiarem do médico

Em 12.07.22

Na madrugada desta segunda-feira (11), a Delegacia de Atendimento à Mulher de São João de Meriti, no Rio de Janeiro, prendeu Giovanni Quintella Bezerra, de 32 anos, por crime de estupro contra vulnerável. O médico foi flagrado abusando sexualmente de uma mulher durante uma cesária na sala de cirurgia.

Publicidade

As enfermeiras e técnicas de enfermagem do Hospital da Mulher, onde o crime aconteceu, perceberam que Bezerra usava uma sedação acima da necessária em mulheres que faziam cesáreas, utilizava lençóis para dificultar a visão da paciente pelos demais médicos e colocava roupas grandes e compridas na sala de cirurgia, o que também não é comum nestes casos. Diante da desconfiança, as profissionais colocaram um celular escondido para gravar os movimentos dele durante o procedimento.

No vídeo gravado pela equipe, o criminoso coloca o pênis na boca da gestante, que está completamente dopada, por dez minutos, além de fazer gestos e manipular a cabeça da paciente, conforme declaração da delegada Bárbara Lomba, responsável pelo caso. Ao receber a notícia dos vídeos que comprovam o estupro, Giovanni mostrou-se surpreso, mas não reagiu à ordem de prisão.

O Código Penal brasileiro prevê condenação de 8 a 15 anos em caso de estupro de vulnerável. “A condenação dele vai depender de vários fatores, como ser ou não réu primário e ter diploma de médico, por exemplo. É preciso aguardar a diligência da polícia para saber quais serão as consequências, mas o crime de estupro é hediondo e a condenação é uma das mais altas do nosso código penal, além das poucas chances de progressão da pena”, explica a advogada Marina Ruzzi, sócia do Braga & Ruzzi Sociedade de Advogadas, escritório especializado no ramo da advocacia para mulheres e causas que envolvem desigualdade de gênero e direitos LGBT+.

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) já abriu procedimento cautelar para suspensão imediata do médico e vai instaurar processo disciplinar de cassação do diploma do estuprador, segundo informou por meio de nota oficial, o presidente do Cremerj Clovis Munhoz.

A polícia investiga se o anestesista cometeu esse crime outras vezes e aguarda a audiência de custódia, marcada para esta terça-feira (12) para definir os próximos passos da investigação. O acusado foi levado para o presídio de Benfica, na Zona Norte do Rio, onde deve ficar até a definição por parte da justiça.

Jornalista há quase 20 anos com experiência em comunicação estratégica, reportagens, social media, e sempre interessada em contar histórias reais e inspiradoras.