Mulheres da geração sanduíche sofrem com acúmulo de tarefas

Responsável por cuidar de seus filhos e pais, essa geração precisa de planejamento financeiro e equilíbrio emocional

Publicado por                                
Em 01.05.22 às 9:30

CANVA

Por
Em 01.05.22 às 9:30

Adriana é mãe de dois filhos, trabalha fora de casa e agora precisa dedicar mais tempo e atenção ao cuidado de seus pais, que precisam do seu auxílio com questões de saúde e finanças.

Publicidade

A história é fictícia, mas poderia não ser. Muitas mulheres vivem essa realidade, na qual precisam conciliar sua rotina de trabalho com o cuidado dos filhos e pais idosos que se tornaram dependentes, físico e financeiramente.

Esse fenômeno é chamado de “geração sanduíche”, definida por adultos entre 30 a 50 anos que têm de atender às demandas de seus filhos e pais. Além disso, é composta na maior parte por mulheres.

São elas as que mais sentem os impactos dessas mudanças. Em alguns casos, são obrigadas a deixarem o seu emprego e abandonar toda uma carreira a fim de cuidar e dar atenção a esses dependentes.

É cada vez mais crescente o número de pessoas que se encontram na situação de cuidar simultaneamente dos pais e filhos. Por isso, essa “geração espremida” entre gerações vem sendo mais estudada no Ocidente, para analisar principalmente os impactos sofridos.

Como mulheres da geração sanduíche são afetadas?

Alguns impactos negativos podem ser observados, mas o principal é a sobrecarga existente para aquelas que se encontram na posição central. Isso pode afetar a atuação no mercado de trabalho, cansaço físico e outras restrições com o aumento de conflitos. Também pode haver o surgimento de dívidas que podem prejudicar as finanças das mulheres.

Um outro desafio é conciliar toda essa sobrecarga e tarefas mantendo a saúde mental. Estresse, ansiedade e cansaço emocional são coisas que interferem na saúde feminina. Por isso, é um momento da vida que exige uma grande capacidade de organização e planejamento financeiro, para não haver grandes dores de cabeça e fazer essa adaptação de forma tranquila e estável.

Normalmente, são três as principais alternativas que se pensa na hora de cuidar dos pais idosos: oferecer assistência para serem independentes; colocá-los em uma moradia assistida; ou trazê-los para viverem com a família, o que costuma acontecer na maioria das vezes.

Em muitos casos, essa geração é pega de surpresa e precisa readaptar toda a rotina para conciliar e auxiliar pais, filhos pequenos e trabalho. E cabe quase sempre às mulheres assumirem essas tarefas, sendo obrigadas a readaptar seu estilo de vida.

No entanto, vale ressaltar, há também em alguns benefícios, como a possibilidade de ampliar a convivência social entre idosos e jovens, permitindo maior inserção e convivência entre ambos.

Publicidade