‘Campanha do Agasalho para Gordes Maiores’ acolhe pessoas em vulnerabilidade

Idealizadora Cíntia Lira conta como percebeu a importância de buscar doações para pessoas que usam tamanhos grandes

Publicado por
Atualizado em 22.06.22

CANVA

Por
Em 01.06.22 às 11:59

Com a chegada do frio várias cidades e entidades sociais começam a se organizar para a arrecadação de agasalhos. No entanto, as peças arrecadadas, normalmente, são voltadas para pessoas dentro dos tamanhos tidos como padrão pela indústria da moda, ou seja, até o GG. E como ficariam as pessoas que vestem tamanhos maiores, que são difíceis de encontrar nas lojas comuns, brechós ou em doações de campanhas do agasalho?

Publicidade

Cíntia Lira, idealizadora da ‘Campanha do Agasalho para Gordes Maiores’, conta que percebeu, com base em suas vivências, que pessoas maiores precisavam aceitar as roupas oferecidas nas campanhas, muitas vezes fora do ideal para o seu corpo. Assim, surgiu a ideia de arrecadar agasalhos que ajudassem verdadeiramente essa parcela da população que tem baixa renda e está em situação de vulnerabilidade. A ação é, ainda, uma medida que faz refletir sobre a gordofobia.

“Eu tive essa ideia primeiro a partir das minhas próprias vivências, já que sou uma pessoa gorda maior pobre, tenho um irmão que também é, e nunca tivemos acesso pleno aos agasalhos, pela dificuldade de encontrar algo que sirva na gente e pelos valores cobrados quando achamos. Então, muitas vezes, fingimos que não sentimos frio para evitar constrangimento ou explicações”, relata Lira.

Além da experiência pessoal, foi motivada por relatos de suas seguidoras que enfrentavam o mesmo problema. Cíntia Lira comenta que “muitas ficam nuas em casa porque não têm acesso algum a roupas, e muitas vezes usam lençol para esconder a nudez. Fiz algumas arrecadações pontuais em casos assim, porém sempre quis fazer mais”. Por ter poucos recursos disponíveis, o projeto acabou ficando na gaveta até ano passado, quando o frio veio com tudo e a idealizadora o colocou em prática.

No começo, o foco era nas roupas usadas ou na compra de uma peça enviada diretamente para quem precisasse, com Cíntia atuando como ponte entre o doador e o recebedor das roupas. Agora é possível ajudar a causa doando qualquer valor por pix e participando das rifas. A idealizadora é quem faz as compras e envia os agasalhos a quem se inscreveu via formulário.