Moda e Beleza

3,2,1 Beauty: conheça a marca que entrega beleza, bem-estar e empoderamento

Cecília Ribeiro, CEO da 3,2,1 Beauty / Arquivo pessoal / Dicas de Mulher

Serviços como manicure e massagem nas empresas otimizam tempo, promovem bem-estar e geram empregos

Atualizado em 09.08.22

Mulheres se desdobram para atender a demandas profissionais e domésticas. Com uma rotina intensa de trabalho – que, muitas vezes, ultrapassa o horário estipulado -, tirar um tempo para cuidar de si pode ser complicado. Como arranjar tempo quando só o deslocamento já é demorado, além da duração do serviço? Esse momento poderia ser mais produtivo?

Publicidade

A falta de tempo era bem conhecida por Cecília Ribeiro, CEO e idealizadora da marca 3,2,1 Beauty. Antes de empreender, ela era gerente de marketing de uma multinacional. Workaholic, como se definia, quase não tinha tempo para fazer as unhas ou o cabelo.

Essa dificuldade, que compartilhava com outras mulheres no mundo corporativo, tornou-se o objeto de negócio da marca 3,2,1 Beauty, que fornece a empresas e condomínios serviços de beleza e autocuidado, otimizando o tempo das colaboradoras e proporcionando bem-estar no ambiente de trabalho. O objetivo é empoderar mulheres e profissionais da área de beleza.

“O escritório passa a ser um local de troca, criatividade e descompressão. Por isso, os RHs nos procuram muito para trazer benefícios de bem-estar para dentro do ambiente corporativo – com o objetivo de equilibrar e melhorar a qualidade de vida dos colaboradores”, afirma Ribeiro.

Outro eixo da empresa é a educação. Por meio da capacitação, mulheres e homens podem se profissionalizar e atuar na área. Ao longo de seis anos, 95% dos profissionais atendidos pela 3,2,1 são mulheres. A maioria são mães, responsáveis pelo sustento da família e que moram em locais periféricos. Há também um número significativo de colaboradores pertencentes à comunidade LGBTQIAP+.

A marca está presente em grande empresas como Petrobrás, Johnson & Johnson, Google, Ifood, Itaú, Banco Safra, Banco Pan, entre outros na região de São Paulo. Além de empresas e condomínios, há também unidades de rua em Vila Mariana, Tatuapé, Vila Olímpia, Vila Cruzeiro e Vila Uberabinha.

O Dicas de Mulher conversou com Cecília Ribeiro sobre o empoderamento promovido pela 3,2,1 Beauty, o papel da educação nesse processo e os próximos passos da marca. Confira!

Dicas de Mulher: Como surgiu a ideia da 3,2,1 Beauty?

Cecília Ribeiro – Toda startup deve focar sempre no problema e não na solução. E a 3,2,1 nasceu de dois problemas. De um lado, mulheres no ambiente corporativo tendo que se desdobrar para cuidarem de si. Era o meu caso, workaholic, nunca tinha tempo de fazer a mão e me cuidar. Já do outro lado, profissionais de beleza nem sempre eram bem tratados nos salões, com comissões baixas e falta de gestão. Queria entregar um local de trabalho digno com uma cultura inovadora para elevar as profissionais de beleza de patamar de vida. São, na sua grande maioria, mulheres, guerreiras, chefes de família. Esse é o propósito que norteia as nossas decisões por aqui.

Em que momento você soube que estava na hora de se afastar do mundo corporativo e se dedicar ao empreendedorismo?

Publicidade

Eu estava em um momento de encerramento de ciclo na minha carreira. Fui responsável pela maior inovação da Whirlpool nos últimos 60 anos, a B.blend – uma máquina que faz todos os tipos de bebidas em cápsula! Foi um exemplo de intraempreendedorismo, antes dessa cultura de Corporate Venture Capital ser instituída. E conseguimos, com um time absolutamente incrível, fazer uma Joint Venture com a Ambev, que comprou 50% da empresa em um valuation de 240 milhões. Após quase sete anos de Brastemp e a execução bem-sucedida da nossa estratégia de lançamento, senti que estava preparada para empreender.

A empresa fornece o serviço dos profissionais de beleza para empresas e condomínios. Por que esses dois ambientes foram escolhidos e como essa escolha ajuda a empoderar mulheres que se dividem entre a casa e o trabalho?

O ambiente corporativo era familiar para mim, já que eu era executiva de uma multinacional. E eu percebi que existia uma oportunidade de mercado gigante ao focar nesse canal ainda pouco explorado. Empresas são como shoppings – têm um fluxo de colaboradores diariamente, que passam na frente da sua loja. E a comunicação é por meio dos canais corporativos, o que facilita muito o contato com o cliente final, dando alta visibilidade de marca. A maioria dos clientes são mulheres, executivas de grandes empresas. Então, dentro dos espaços da 3,2,1, trabalhamos o conceito de velocidade de atendimento aliado ao bem-estar. Por isso o nome da marca: 3,2,1 Beauty, que traz esse aspecto de rapidez: 3,2,1… Tá pronta! A gente acredita que dá tempo, sim, de aliar a rotina agitada com o autocuidado. Otimização de tempo e autoconfiança juntos é o ápice do empoderamento!

O empoderamento na 3,2,1 Beauty também vem por meio da capacitação. O quão importante é a educação para vocês? Por que vocês a enxergam como um instrumento de empoderamento?

Eu acredito que a educação é a base de tudo. É o que dá a oportunidade de emprego e crescimento para as pessoas. Criamos a 3,2,1 Academy para justamente empoderar profissionais de beleza, a se inspirarem com grandes nomes do setor e mudarem de patamar de vida, seguindo o nosso propósito. Os últimos cursos que tivemos foram de corte e cor e também de manicure com a incrível Negra Ba, que enaltece a profissão de manicure e empodera as profissionais a buscarem um crescimento em suas carreiras por meio de educação. Não só na questão técnica, mas também comportamental. Quem participa ativamente dos nossos cursos tende a aumentar o seu faturamento e consequentemente crescer na carreira.

Dentre os serviços oferecidos, qual foi o pioneiro e por quê?

Manicure! Começamos com esse serviço por dois motivos. Primeiro, é um serviço de alta recorrência. As clientes querem fazer a mão toda semana, mas nem sempre conseguem. Quando você está com a mão feita, é uma carga de autoestima! E isso reflete na postura, inclusive no trabalho e nos resultados. E, do lado dos profissionais, queríamos levantar a bandeira do empoderamento feminino e valorizar as manicures, que, muitas vezes, são deixadas de lado pelos salões. Aqui temos um amor e uma gratidão incrível pelas profissionais que estão com a gente. E as manicures são uma grande inspiração.

Hoje, quais são os serviços mais pedidos pelas empresas?

A porta de entrada são os serviços de manicure e massagem. Mas, para empresas que já têm esses serviços, o queridinho é cabelo. Um dia fui visitar nossa loja na Johnson & Johnson e uma colaboradora estava já de mão feita, com luzes no cabelo, recebendo uma massagem nos pés, com o computador no colo e de fone. Pleníssima! Ela resolveu a vida dela enquanto estava na empresa e não deixou de trabalhar nem de se cuidar. É sobre isso.

Com a pandemia, muitos não conseguem se desligar do trabalho e diagnósticos como o burnout se intensificaram. Com o retorno ao trabalho presencial, quão importantes são ações que promovam bem-estar e autocuidado pelas empresas?

Publicidade

A pandemia nos afetou profundamente. Dados da PNAD mostram que 82 milhões de pessoas passaram a trabalhar em casa. E o aumento de quadros de ansiedade, depressão e exaustão em relação ao trabalho aumentaram em três vezes, segundo o Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP. Por não separar o ambiente familiar do ambiente de trabalho, os limites foram se apagando e os colaboradores passaram a trabalhar mais e não descansar de fato. Hoje, estamos finalmente sentindo uma volta aos escritórios, o que eu considero excelente! Em uma pesquisa que a 3,2,1 Beauty rodou este mês, 50% dos entrevistados voltaram ao escritório, sendo o modelo híbrido o mais comum. O escritório passa a ser um local de troca, criatividade e descompressão. Por isso, os RHs nos procuram muito para trazer benefícios de bem-estar para DENTRO do ambiente corporativo – com o objetivo de equilibrar e melhorar a qualidade de vida dos colaboradores. As empresas e gestores têm um papel relevante em melhorar esse equilíbrio e o caminho para a saúde mental. Profissionais mais felizes produzem 31% mais, segundo um estudo da Universidade da Califórnia, então é de extremo interesse dos RHs proporcionar soluções e benefícios como serviços de bem-estar e beleza.

Como ações simples como serviços de massagem, manicure e yoga podem contribuir para um ambiente de trabalho mais agradável?

Os colaboradores se sentem ouvidos, valorizados. No caso de massagens, por exemplo, a sala de reunião se transforma em spa! Trazemos toda a ambientação do espaço, música, aromaterapia, o que permite realmente se desligar naquele momento. E a manicure e outros serviços de beleza e bem-estar são momentos de pausa, autocuidado, que aumentam a autoestima e otimizam o tempo da colaboradora. Em vez de passar o fim de semana no salão, ela pode otimizar seu tempo, fazer os serviços na empresa e curtir o fim de semana com a família ou amigos.

Além do Beleza de Mãos Dadas, há outros projetos sociais que vocês querem/pretendem fazer parte?

O Beleza de Mãos Dadas é um projeto muito especial. Conseguimos ajudar 2000 famílias de manicures no Brasil inteiro com uma ajuda de custo durante a pandemia, além de distribuir 1500 cestas básicas. Nosso sonho é dar continuidade ao projeto, talvez montar uma ONG mais para frente. Por enquanto, temos planos de nos juntarmos a instituições de educação em periferias para dar oportunidade para outras mulheres ingressarem no mundo da beleza por meio da educação.

Comunicadora, voluntária e empreendedora. Apaixonada por moda, leitura e horóscopos. Graduada em Comunicação Social - Jornalismo pela PUC-Rio, com domínio adicional em empreendedorismo.