Dicas de Mulher Dicas de Saúde

Inhame: bons motivos para incluí-lo na alimentação

O alimento auxilia no controle dos sintomas da TPM, ajuda no processo de emagrecimento e pode oferecer muitos outros benefícios à saúde

em 29/09/2014

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Você provavelmente já ouviu falar do inhame, mas se ainda não tem o hábito de consumir este alimento, vai conhecer agora bons motivos para incluí-lo na sua dieta.

O inhame pode ser substituto do carboidrato da refeição principal (almoço ou jantar), pode ser usado na preparação de sopas ou ainda, consumido como um aperitivo saudável e gostoso. E o melhor de tudo: é um alimento que pode oferecer muitos benefícios à saúde. Essas e outras dicas você confere abaixo!

O inhame é um tubérculo muito utilizado na culinária da região Norte e Nordeste do Brasil. Pâmela Miguel, nutricionista da Clínica de Nutrição Funcional de São Paulo, explica que ele pode ser considerado um alimento funcional, pois além de nutrir o organismo, possui nutrientes que promovem benefícios à saúde (ou seja, auxilia na prevenção de algumas doenças).

Propriedades nutricionais e benefícios do inhame

Pâmela Miguel destaca que o inhame possui diversas propriedades nutricionais, atribuídas principalmente à presença do Diosgenina – um fito-hormônico que auxilia na modulação hormonal feminina, além de exercer diversas funções no organismo.

Abaixo, a nutricionista explica sobre as propriedades nutricionais do inhame e quais benefícios seu consumo pode oferecer:

Controle dos sintomas da TPM. Pâmela destaca que, por equilibrar os níveis de hormônios femininos, o inhame auxilia no controle dos sintomas da TPM e da menopausa, podendo ser uma alternativa nas terapias de reposição hormonal (com acompanhamento médico).

Redução dos níveis de colesterol. A nutricionista Pâmela explica que o Diosgenina também auxilia na redução dos níveis do colesterol (reduzindo a absorção intestinal do colesterol e aumentando sua excreção).

Aumento da fertilidade. Ainda de acordo com Pâmela, o Diosgenina auxilia também no aumento da fertilidade, sendo benéfico para as mulheres que pretendem engravidar.

Bom funcionamento do intestino. Pâmela Miguel explica que o inhame também contém vitaminas e minerais importantes para o bom funcionamento do organismo. “São eles: ferro, potássio, cálcio, fósforo, vitaminas do complexo B, vitamina C e A, fibras que auxiliam no controle dos níveis de colesterol e glicose no sangue e melhoram o funcionamento do intestino”, diz.

Fortalecimento do sistema imunológico. Por conter diversas vitaminas e minerais, principalmente a vitamina C, destaca a nutricionista Pâmela, o inhame atua no fortalecimento do sistema imunológico.

Ajuda no emagrecimento. O inhame também pode auxiliar no processo de emagrecimento, conforme explica a nutricionista Pâmela. “Apesar de conter carboidratos, esses são de baixo índice glicêmico (não promovem pico de glicose e insulina no sangue); o inhame é rico em fibras (o que proporciona mais saciedade e bom funcionamento do intestino) e possui substâncias com ação antioxidante e anti-inflamatória, que auxiliam na eliminação de toxinas do organismo, melhorando seu funcionamento e favorecendo a eliminação da gordura (quando associado à atividade física!)”, diz.

Melhora da celulite. De acordo com Pâmela, a ação antioxidante e anti-inflamatória do inhame também auxilia no combate à celulite.

Pouca gordura. Pâmela ressalta que o inhame, além de ser um alimento de baixo índice glicêmico, possui baixo teor de gorduras.

Como consumir o inhame

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Pâmela Miguel explica que, para obter os benefícios desse alimento, o inhame deve ser consumido de forma regular dentro de uma alimentação balanceada e saudável.

“Ele deve substituir o carboidrato (arroz, batata, macarrão, pão) da refeição. Pode ser consumido cozido, assado, na forma de purês e sopas (quando combinadas com vegetais verde-escuros são uma ótima opção para o jantar)”, destaca a nutricionista.

Pâmela ressalta, porém, que o inhame cru (em sucos ou saladas) contém o ácido oxálico – substância que, quando consumida com outros alimentos, pode reduzir a absorção de micronutrientes como cálcio e ferro.

Receita: aperitivo de inhame

Pâmela Miguel destaca que, além de poder ser usado em sopas e na substituição do carboidrato da refeição, o inhame pode ser um aperitivo saudável e gostoso. Abaixo, a profissional passa a receita:

Ingredientes

  • 2 inhames médios
  • ervas a gosto
  • azeite extravirgem

Modo de Preparo: lave bem e dê uma leve e rápida aferventada nos inhames. Corte-os em rodelas, salpique as ervas e coloque 1 fio de azeite. Leve ao forno por aproximadamente 15 minutos.

Inhame: aliado no processo de emagrecimento

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

De acordo com Pâmela Miguel, o inhame pode auxiliar no processo de emagrecimento. Isso porque, apesar de conter carboidratos, esses são de baixo índice glicêmico… Ou seja, não promovem pico de glicose e insulina no sangue.

Além disso, o alimento é rico em fibras, o que garante mais saciedade e o bom funcionamento do intestino.

“O inhame possui ainda substâncias com ação antioxidante e anti-inflamatória, que auxiliam na eliminação de toxinas do organismo, melhorando seu funcionamento e favorecendo a eliminação da gordura”, diz a nutricionista.

“O inhame, além de ser um alimento de baixo índice glicêmico, possui baixo teor de gorduras”, acrescenta Pâmela.

Mas, vale ressaltar, somente poderá usufruir destes benefícios do inhame quem seguir uma alimentação balanceada e praticar atividades físicas! Afinal, sozinho, nem o inhame, nem qualquer outro alimento, pode ajudar num processo de perda de peso!

Dúvidas comuns sobre o inhame

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Inhame cru é tóxico? Por que dá coceira? Dúvidas como essas são comuns entre as pessoas que ainda não conhecem tão bem o alimento (ou não têm o costume de consumi-lo com frequência).

Pâmela Miguel explica que o inhame cru contém ácido oxálico, também presente em outros alimentos como o espinafre cru. “Essa substância não é tóxica, porém, quando consumida com outros alimentos, pode reduzir a absorção de micronutrientes como cálcio e ferro”, diz.

Ainda de acordo com a nutricionista, a coceira acontece pelo contato com essa substância. “Quanto mais ácido oxálico o inhame contém, maior é a coceira”, destaca.

Inhame x cará

Outra dúvida relativamente comum diz respeito à relação entre inhame e cará. Afinal, eles são a mesma coisa?!

A nutricionista Pâmela esclarece que o inhame e o cará pertencem à mesma família, a Dioscoreácea, que contém aproximadamente 850 espécies de alimentos. “Por esse motivo, em algumas regiões do Brasil, o inhame pode também ser chamado de cará”, destaca.

O que observar na hora da compra do inhame

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Pâmela Miguel destaca que, na hora da compra, o inhame deve estar firme e com a casca íntegra, sem brotos ou partes amolecidas. “Procure escolher sempre a opção orgânica, pois é livre de substâncias tóxicas”, finaliza a nutricionista.

Agora que você já tem todas as informações sobre o inhame, pode incluir este alimento funcional na sua alimentação! Além de saboroso, ele pode oferecer muitos benefícios à sua saúde e, em alguns casos, até auxiliar no processo de emagrecimento (desde que seu consumo esteja associando a uma alimentação equilibrada e à prática de atividades físicas).

Comentários
Dicas relacionadas