Bem-estar

Frequência, duração e intensidade do fluxo podem indicar hemorragia menstrual

Canva

Atualizado em 25.09.23

O ciclo menstrual é único para cada mulher. Algumas menstruam 6 dias, outras 4, há fluxo intenso ou leve, menstruação sem ovulação, entre outras nuances. No entanto, quando o sangramento está acima do normal, a hemorragia menstrual é uma possibilidade. A ginecologista Flavia Yae Kobo Takeshita, do Hospital Policlínica de Cascavel, falou sobre o assunto, explicando o que é, sintomas, causas e tratamentos. Acompanhe!

O que é hemorragia menstrual?

Fluxo intenso e hemorragia menstrual são questões diferentes. A menstruação marca o primeiro dia do ciclo menstrual, dura de 2 a 7 dias, e é comum a mulher perder entre 5 e 80 ml de fluidos, incluindo sangue, muco cervical e endométrio. Quando o sangramento se estende por mais de 7 dias e passa de 80 ml, é preciso ficar alerta, pois pode ser um sinal de hemorragia:

“A hemorragia menstrual é um sangramento exacerbado que ocorre no período menstrual, desencadeando a alteração clínica da paciente e, em muitos casos, provocando a anemia”. – Dra. Flavia Yae Kobo Takeshita

Conhecer seu ciclo menstrual, considerando frequência, duração e intensidade do fluxo, é importante para entender o funcionamento do seu organismo, bem como perceber irregularidades na menstruação. Diante de qualquer preocupação ou desconfiança, não hesite em procurar um profissional da sua confiança.

Relacionadas

Publicidade

Causas da hemorragia menstrual

Segundo a Dra. Takeshita, as causas da hemorragia menstrual podem ser inúmeras. Elas se dividem entre hormonais e não hormonais. “Exemplos de causas não hormonais são tumores benignos no colo do útero e miomas uterinos”. Entre as causas hormonais, estão o uso de anticoncepcionais ou medicamentos que afetam o ciclo menstrual e provocam a disfunção ovulatória. A síndrome dos ovários policísticos também se manifesta por meio de um fluxo intensamente irregular.

Quando um especialista não consegue identificar a causa do sangramento intenso, o diagnóstico pode indicar hemorragia uterina disfuncional. Não há evidências clínicas ou ultrassônicas apontando uma possível doença, porém o revestimento do útero cresce descontroladamente, provocando irregularidades no ciclo menstrual. O acompanhamento profissional é indispensável, pois esse tipo de hemorragia aumenta as chances de desenvolvimento do câncer de endométrio.

Sintomas da hemorragia menstrual

Os principais sintomas são “o aumento diário de fluxo menstrual e o aumento no número de dias”, informou a ginecologista. Pequenas variações entre os ciclos são normais, pois a alimentação, o estresse e outros fatores influenciam na menstruação. No entanto, preste atenção aos sinais:

  • Coágulos na menstruação;
  • Se sentir mais cansada que o normal;
  • Inchaço na região da barriga;
  • Dor de cabeça;
  • Palidez;
  • Perda de apetite.

Alguns sintomas, o cansaço, a palidez e a falta de apetite, indicam estado de anemia. Como o corpo está perdendo muito sangue, há redução na quantidade de ferro e hemoglobina. Por isso, reforçando, assim que perceber irregularidades no seu ciclo menstrual, faça uma visitinha à ginecologista!

Dúvidas frequentes sobre a hemorragia menstrual

Como cada mulher experimenta um ciclo menstrual diferente, muitas vezes, fica difícil entender o que é uma característica individual e o que é motivo para preocupação. Abaixo, a Dra. Flavia Yae Kobo Takeshita respondeu às dúvidas frequentes sobre o assunto.

Dicas de Mulher – A hemorragia menstrual pode causar anemia e outros problemas de saúde?

Dra. Flavia Yae Kobo Takeshita – Sim. A hemorragia menstrual leva à anemia na maioria dos casos. É isso que a caracteriza como um sangramento anormal.

Publicidade

Quando ir ao hospital com hemorragia menstrual?

A maioria das causas é de investigação ambulatorial, em consultório, com o ginecologista que a acompanha. Mas quando a anemia é intensa, repercutindo em sinais clínicos, como hipotensão, tontura e mal-estar, a orientação é procurar o pronto-socorro do hospital.

Como parar a hemorragia menstrual?

Há maneiras seguras de parar a menstruação. O tratamento da hemorragia menstrual dependerá da sua causa. Se for hormonal, na maioria das vezes, será com hormônio. Se for uma causa não hormonal, ou seja, estrutural, pode ser um tratamento com hormônio ou cirúrgico.

Como saber se o sangramento está mais intenso em comparação a menstruação normal?

O sangramento mais intenso é notado no fluxo, então, por exemplo, utilizar mais de 4 ou 5 absorventes ao dia, pois eles ficam muito cheios de sangue. Sangramentos que duram mais de 7 dias ou que passem da média do período menstrual da paciente.

Quais exames são solicitados para identificar a hemorragia menstrual?

Além do exame físico, são solicitados exames laboratoriais e de imagem. Entre os laboratoriais: hemograma, provas de coagulação, hormônios, como FSH, TSH e prolactina. E o primeiro exame de imagem solicitado é o ultrassom.

Publicidade

Já sabe, não é mesmo? Você deve procurar ajuda médica ao identificar qualquer alteração em seu ciclo menstrual. Somente uma especialista poderá diagnosticar a hemorragia menstrual, determinar sua causa e oferecer o melhor tratamento.

Tratamento para hemorragia menstrual

Segundo a ginecologista, “toda hemorragia menstrual deve ser tratada. No entanto, o tratamento dependerá da causa. Por isso, a consulta ginecológica é essencial”, tanto para definir o diagnóstico quanto para estipular a medicação ideal. Dentre as opções para tratar o problema, estão: cirurgias; alteração ou recomendação de uso do anticoncepcional; medicações para parar o sangramento; e suplementos, quando há diagnóstico de anemia.

Apesar de assustar, por causa da quantidade de sangue, a hemorragia menstrual é tratada de forma simples quando descoberta ainda no início. Por isso, vale falar novamente sobre a importância de procurar sua ginecologista de confiança e conversar abertamente sobre qualquer alteração no seu ciclo. Além disso, conhecer sua vulva e sua vagina é essencial para uma saúde íntima sempre em dia.

Escritora com 8 livros publicados e apresentadora de um programa de rádio sobre literatura nacional, o Capivaras Leitoras. Ama ler, viajar e passar um tempo com a Buffy, sua cachorrinha vira-lata.