Gordofobia: entenda porque este preconceito é tão grave

Já ouviu falar de gordofobia? Entenda mais sobre esse problema e veja depoimentos de quem sofre com isso

Escrito por Beatriz Castells

Foto: iStock

Você já ouviu falar em “gordofobia”? Se não, você deve suspeitar do que se trata. O sufixo fobia se refere à aversão e, nesse caso, aversão a pessoas gordas.

Mas o que levaria alguém a ter alguma coisa contra pessoas gordas? Gordo é uma característica como qualquer outra. Magra, alta, forte, baixo, fraca, morena, loira… São diversas características, mas nenhuma delas parece incomodar tanto quanto “gorda”, que em algumas situações soa até como xingamento.

O que é a gordofobia?

Foto: iStock

Os padrões de beleza impostos e reforçados a todo momento pela sociedade e pela mídia criaram um modelo de corpo “perfeito”. E, como você já sabe, corpo perfeito aqui não significa aquele que realiza todas suas funções vitais. Você é cobrada a todo momento para ser magra (mas não muito magra) e ter curvas muito bem definidas. E aí entram as dietas mirabolantes e muita academia para você ficar com o “corpo perfeito”, no “peso ideal”.

A psicóloga Ellen Moraes Senra conta que a gordofobia é causadora de diversos transtornos, principalmente os alimentares: “A vítima da gordofobia pode desenvolver transtornos alimentares sérios, tais como a compulsão alimentar, a bulimia, anorexia ou mesmo a recém conhecida vigorexia, que consiste na obsessão pelo padrão de vida fitness.”

A gordofobia está em todas as esferas da sociedade, desde a pessoa que chama alguém de “gorda” em tom de xingamento até as marcas de roupa que só fazem calças até o tamanho 42. Passando também pelos assentos apertados nos ônibus e as cadeiras com braços nos restaurantes. Todos os dias, milhares de pessoas gordas passam por esses e outros inúmeros constrangimentos simplesmente por não poderem agir confortavelmente e naturalmente em situações corriqueiras.

Leia também: 35 fotos que mostram como é difícil ser gorda e estilosa ao mesmo tempo

De acordo com a psicóloga Ellen, a gordofobia está presente em diversas outras situações, mas em algumas, ainda é velada. “A pessoa que posta piadas sobre pessoas gordas nas redes sociais e na frente da pessoa diz que não tem nada contra e que o importante é ter saúde, ela também está cometendo um ato de gordofobia.”

Gordofobia é crime?

Não existe uma lei que se refira exatamente à injúria contra pessoas gordas, mas isso pode ser enquadrado como crime contra a honra, caso a pessoa se sinta ofendida. O crime de injúria consta no art. 140 do Código Penal.

8 atitudes gordofóbicas que temos e nem percebemos

Foto: iStock

O preconceito já está, infelizmente, enraizado na sociedade e em nossas ações. Confira algumas coisas que falamos e fazemos que são indicativas de gordofobia:

Dizer que alguém é “linda de rosto”: ser gorda não é sinônimo de ser feia. Dizer que alguém é “linda de rosto” é excluir o resto de seu corpo, é dizer que o resto do seu corpo é feio.

Engordar um pouco e dizer que está “muito gorda, imensa…”: a palavra de ordem nesse caso é empatia. Sabe quando você dá aquela engordadinha, mas mesmo assim não está nem perto de ter o corpo daquela sua amiga que é realmente gorda e sofre os efeitos disso em várias situações do cotidiano? Então, pare e pense se ficar resmungando que está gorda faz algum sentido.

Leia também: 8 motivos para você não seguir dietas restritivas

A expressão “fazer gordice”: ser gordo não está ligado somente com o fato de comer alimentos “gordos”. O ato de comer um combo de hambúrguer com batata frita e refrigerante não é exclusividade dos gordos e pode ser que muitos deles nem tenham esse tipo de regime alimentar.

Dizer que alguém está magra em tom de elogio: atire a primeira pedra quem nunca falou para alguém “que magra!” como se estivesse falando “que linda!”. Ser magra não é qualidade, é característica. Assim como ser gorda não é defeito.

A expressão “você não está gorda, está linda!”: mais uma vez: por que as gordas não podem ser lindas? Uma pessoa pode ser gorda e linda ao mesmo tempo SIM!

Dar dicas de dietas e exercícios físicos sem alguém ter pedido: dar dicas de dietas e exercícios físicos sem alguém ter pedido é assumir que a pessoa quer emagrecer, mas quem deve decidir isso é ela e, caso ela te pergunte, fique à vontade para dar suas dicas.

Usar o argumento do IMC e da saúde: o IMC (Índice de Massa Corpórea) é uma medida internacional que determina se seu peso é o ideal para a sua altura. Esse índice é bastante polêmico porque exclui qualquer outro aspecto para dizer se seu peso está ideal, sendo que uma pessoa pode ter diversos outros problemas de saúde e no fim das contas seu peso e sua altura são o que menos importam.

Leia também: 10 dicas de mulheres seguras para melhorar a sua autoestima

Dizer que certa roupa “não fica bem em gordinhas”: pare e pense se é do seu direito dizer que alguma roupa fica bem ou não para alguém, seja ela gorda ou magra. Não cabe a você decidir o que uma outra pessoa deve vestir.

Fatores que interferem no peso

Foto: iStock

Comer de forma desequilibrada e não praticar atividades físicas não são os únicos motivos para uma pessoa estar acima de seu “peso ideal” ou obesa. Veja mais alguns dos motivos que podem resultar no ganho de peso ou na dificuldade de perder peso.

  • Hormônios: Algumas glândulas do nosso organismo, como por exemplo a tireoide, podem desacelerar o metabolismo, o que aumenta as chances de engordar.
  • Genética: Assim como qualquer outra característica, o sobrepeso e a obesidade podem ser frutos de uma determinada genética. Você tem preconceito com pessoas de olho azul, por exemplo? É (ou deveria ser) a mesma coisa com pessoas gordas.
  • Qualidade do sono: Um estudo conduzido pelo Departamento de Ciências Nutricionais da Universidade Estadual da Pensilvânia, nos Estados Unidos, mostrou que a privação do sono está diretamente ligada à obesidade. De forma simplificada, foi observada uma queda em hormônios importantes que regulam a saciedade. Com isso, os pacientes estudados comiam em quantidade muito superior aos que tinham sono regular.
  • Condições socioeconômicas: Esse ponto é bastante complexo, mas apenas uma comparação simples pode iniciar esse debate. É muito mais barato (e rápido) comprar um pacote de bolachas do que comprar ingredientes para preparar um sanduíche saudável e com quantidades reduzidas de sódio, açúcar e gordura. E a primeira opção é mais recorrente nas lancheiras das crianças. O ritmo de vida das pessoas está cada vez mais acelerado e elas acabam por optar pelo que é mais fácil, rápido e, dependendo de sua condição socioeconômica, mais barato.
  • Medicamentos: Antidepressivos, anti-histamínicos, antipsicóticos e até mesmo remédios para diabetes possuem componentes que induzem à obesidade e que dificultam a perda de peso.

Estes são apenas alguns dos fatores que podem levar à obesidade. Isso não se deve somente à alimentação e ao sedentarismo, ou à preguiça, como é bastante comum ouvir por aí.

3 vídeos sobre gordofobia para você entender melhor sobre o assunto

Selecionamos vídeos que falam sobre gordofobia de uma forma didática para você aprender mais sobre o assunto e refletir sobre como esse problema é grave e traz sérias consequências a quem sofre com isso.

Como lidar com a sogra gordofóbica, por Ju Romano

Nesse vídeo, a Ju Romano conta como encarou as atitudes gordofóbicas de sua sogra e dá dicas de como agir nessas situações. Vale a pena assistir até mesmo se você não tem uma sogra!

Leia também: 7 dicas para você criar (e manter) novos hábitos em sua vida

Tamanho XG, por Hel Mother

A Hel Mother é conhecida no YouTube por falar de temas tabu, como por exemplo o fato de amar seu filho, mas não gostar de ser mãe. Nesse vídeo, ela fala de situações cotidianas na vida de uma pessoa gorda e como o corpo é alvo de críticas após uma mulher ter um filho.

Magra? Gorda? Existe corpo perfeito?, por Maqui e Karol Pinheiro

As sócias Karol Pinheiro e Maqui falam sobre gordofobia e quais pressões as mulheres sofrem diariamente em busca do “corpo perfeito”. Elas falam também como a obesidade é sempre relacionada à saúde frágil e como algumas características são interpretadas como elogio e outras como críticas negativas.

A gordofobia, assim como o racismo e outros tipos de discriminações, é um problema em nossa sociedade e milhares de pessoas sofrem disso diariamente. Cabe a todos tornar o mundo um lugar menos penoso para se viver. Comece agora, por exemplo, a não reforçar expressões como “corpo preparado para o verão”.

Assuntos: Bem-Estar

Dicas pela Web