Tudo o que você precisa saber sobre a fluoxetina

Este é um medicamento utilizado em casos de depressão, bulimia nervosa e do transtorno obsessivo compulsivo

Escrito por Tais Romanelli

Foto: Thinkstock

Talvez você já tenha ouvido falar ao menos uma vez sobre a fluoxetina, medicamento utilizado especialmente no tratamento da depressão, mas que também é indicado para tratar a bulimia nervosa, entre outros casos.

Exatamente pelo fato de ser um medicamento utilizado em diferentes tipos de tratamentos, o uso da fluoxetina gera muitas dúvidas entre as pessoas. Muitas delas inclusive chegam a pensar que a fluoxetina pode ser usada como um remédio para emagrecer – já que este pode ser um dos seus efeitos colaterais.

Pensando nisso, abaixo você confere todas as informações importantes a respeito da fluoxetina para entender, de fato, quais são suas indicações.

De acordo com informações da bula do medicamento, o cloridrato de fluoxetina é indicado para o tratamento da depressão, associada ou não à ansiedade. Também é indicado para o tratamento da bulimia nervosa, do transtorno obsessivo compulsivo (TOC) e do transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM), incluindo tensão pré-menstrual (TPM), irritabilidade e disforia (mal-estar provocado pela ansiedade).

Como age a fluoxetina?

O cloridrato de fluoxetina age aumentando os níveis de serotonina no cérebro, dessa forma, melhora os sintomas da depressão, da bulimia nervosa, do transtorno obsessivo compulsivo e do transtorno disfórico pré-menstrual.

Como no caso da maioria dos medicamentos, o cloridrato de fluoxetina só deverá ser tomado quando for prescrito por um médico.

Ainda de acordo com as informações da bula, o cloridrato de fluoxetina deve ser administrado por via oral e pode ser tomado independente das refeições. Vale reforçar ainda que não se pode tomar mais do que a quantidade recomendada do remédio pelo médico para o período de 24 horas.

Efeitos colaterais da fluoxetina

Foto: Thinkstock

Assim como outros medicamentos, a fluoxetina pode oferecer alguns efeitos colaterais que, certamente, serão informados a você com detalhes pelo seu médico.

Mas, de acordo com informações da bula, foram relatadas as seguintes reações adversas com o uso de cloridrato de fluoxetina (em mais de 10% dos pacientes):

  • Diarreia;
  • Náusea;
  • Cansaço (fadiga) – incluindo astenia (perda ou diminuição da força muscular);
  • Dor de cabeça;
  • Insônia (incluindo despertar cedo, insônia inicial, insônia de manutenção do sono).

Ainda de acordo com a bula da fluoxetina, outras reações menos comuns ( que ocorrem entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento) são:

  • Palpitações;
  • Visão turva;
  • Boca seca;
  • Desconforto gastrointestinal;
  • Vômitos;
  • Calafrios;
  • Sensação de tremor;
  • Diminuição de peso;
  • Diminuição do apetite (incluindo anorexia);
  • Distúrbio de atenção;
  • Vertigem;
  • Alteração do paladar (disgeusia);
  • Sensação de lentidão de movimentos e raciocínio (letargia);
  • Sonolência (incluindo hipersonia e sedação);
  • Tremor;
  • Sonhos anormais (incluindo pesadelos);
  • Ansiedade;
  • Diminuição do desejo sexual (diminuição da libido);
  • Nervosismo;
  • Cansaço;
  • Distúrbio do sono;
  • Tensão;
  • Micções (ato de urinar) frequentes ou anormalmente frequentes (polaciúria);
  • Distúrbios da ejaculação;
  • Sangramentos e hemorragias ginecológicas;
  • Disfunção erétil;
  • Bocejo;
  • Suor em excesso (hiperidrose);
  • Coceira (prurido);
  • Erupções da pele;
  • Erupções da pele com coceira (urticária);
  • Rubor (incluindo fogachos), entre outras reações mais incomuns.

Essas ou qualquer outra reação devem ser informadas ao médico que receitou o medicamento o quanto antes.

Contraindicações da fluoxetina e advertências

Foto: Thinkstock

Abaixo seguem informações importantes, de acordo com a bula do medicamento:

  • O cloridrato de fluoxetina não deve ser usado por pacientes alérgicos à fluoxetina ou a qualquer um dos seus componentes.
  • O médico deverá ser informado sobre o uso de qualquer outro tipo de remédio que o paciente pretenda fazer paralelamente ao tratamento com a fluoxetina.
  • O cloridrato de fluoxetina é contraindicado para menores de 18 anos.
  • Assim como outros medicamentos usados no tratamento da depressão, o cloridrato de fluoxetina deve ser administrado com cuidado em pacientes com história de convulsões.
  • Em pacientes com diabetes, ocorreu hipoglicemia (baixa taxa de açúcar no sangue) durante a terapia com cloridrato de fluoxetina e hiperglicemia (alta taxa de açúcar no sangue) após a suspensão do medicamento. Portanto, a dose de insulina e/ou hipoglicemiante oral deve ser ajustada quando o tratamento com este medicamento for estabelecido e após a sua suspensão.
  • Assim como outros antidepressivos, casos isolados de comportamentos suicidas foram relatados durante o tratamento com o cloridrato de fluoxetina ou após a interrupção do tratamento, de acordo com informações da bula. Por isso, o médico deve ser consultado imediatamente caso o paciente, independentemente da sua idade, relate quaisquer pensamentos suicidas em qualquer fase do tratamento.
  • O cloridrato de fluoxetina deve ser utilizado ainda com cuidado em pacientes com pressão intraocular elevada ou naqueles que tenham risco de glaucoma de ângulo estreito agudo (doença caracterizada pelo aumento da tensão intraocular que causa intensa dor nos olhos e perda repentina da visão).
  • A segurança e eficácia do cloridrato de Fluoxetina em crianças ainda não foram estabelecidas.
  • Conforme o aparecimento de erupção cutânea ou de outra reação alérgica para a qual uma causa não pode ser identificada, o cloridrato de fluoxetina deverá ser suspenso.
  • Este medicamento pode interferir na capacidade de julgamento, pensamento e ação. Portanto, durante o tratamento, o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, até que tenha certeza de que seu desempenho não foi afetado.
  • O uso de cloridrato de fluoxetina deve ser considerado durante a gravidez somente se os benefícios do tratamento justificarem o risco potencial para o feto, tendo em conta os riscos do não tratamento da depressão.

Vale ressaltar que essas informações constam na bula do medicamento, mas todas as orientações e os cuidados com o uso do cloridrato de fluoxetina deverão ser passados pelo médico.

Fluoxetina emagrece?

A perda de peso é um dos possíveis efeitos colaterais do cloridrato de fluoxetina, o que não significa, porém, que o medicamento deva ser tomado com este objetivo (ao menos que esta seja uma recomendação médica).

Como já foi citado, o remédio é utilizado em casos de depressão, bulimia nervosa e do transtorno obsessivo compulsivo. E, apesar de não atuar no centro de controle da fome, atua na recaptação da serotonina – substância importante no controle do humor e na sensação de bem-estar, o que faz com que o paciente se sinta mais satisfeito com a sua própria imagem e também menos ansioso.

Mas vale reforçar que o medicamento só pode ser tomado conforme orientação médica. Quando o objetivo é exclusivamente emagrecer, o melhor caminho a se seguir é apostar em uma dieta hipocalórica e praticar exercícios físicos regularmente, de preferência, com acompanhamento de um nutricionista e de um educador físico.

Dicas pela Web