Feira: consiga os melhores alimentos e preços na época certa

Optar sempre pelos produtos de época é fundamental para garantir alimentos saudáveis e saborosos

Escrito por Tais Romanelli

Foto: Thinkstock

Parece super simples, mas a hora de fazer compras na feira nem sempre é uma tarefa fácil! É comum que as mulheres – até mesmo aquelas que cozinham com frequência e, por isso, mexem diariamente com hortaliças, frutas etc – tenham dúvidas em relação à qualidade e ao estado dos produtos que estão ali à venda.

Afinal, quem nunca parou para pensar se deveria mesmo levar aquelas bananas, ou se elas estavam maduras demais?! Ou ainda, se aquelas folhas de rúcula estavam na cor ideal para serem levadas para casa?!

Dúvidas como essas são comuns e saber a resposta para essas e outras questões realmente faz toda a diferença na hora de fazer a feira.

Abaixo, Anita de Souza Dias Gutierrez e Fabiane Camara, profissionais do Centro de Qualidade em Horticultura da Ceagesp, dão dicas e orientações importantes sobre a compra e o consumo de frutas e hortaliças.

Classificação

É importante conhecermos a classificação e características das hortaliças e frutas. Confira os dados da cartilha “Frutas e hortaliças: fonte de prazer e saúde” da Ceagesp:

Hortaliças

  • Folha: Acelga, agrião, alface, almeirão, cebolinha, couve, escarola, repolho, serralha, rúcula, salsinha.
  • Flor: Alcachofra, couve-flor, brócolis.
  • Caule: Aipo, alho-poró, aspargo, erva doce, salsão.
  • Fruto: Maduras (abóbora, moranga, tomate, pimentão colorida) e imaturas (abobrinha, berinjela, chuchu, ervilha, jiló, maxixe, pepino, pimentão verde, quiabo, vagem).
  • Subterrâneas: Bulbo (alho e cebola), raiz (batata doce, beterraba, cará, cenoura, mandioca, mandioquinha-salsa, nabo, rabanete), rizoma (gengibre, inhame chinês) e tubérculo (batata).

Frutas

  • Climatéricas com alta reserva de amido: Banana, kiwi e maçã.
  • Climatéricas com baixa reserva de amido: Ameixa, caqui, damasco, goiaba, mamão, pinha, manga, maracujá, nectarina, pêssego e pêra.
  • Não climatéricas: Abacaxi, cacau, caju, carambola, cereja, figo, laranja, melão, morango, melancia, nêspera, romã, tangerina e uva.

Nos três casos, quanto mais madura a fruta for colhida, mais saborosa ela será. Isso porque as frutas só acumulam açúcares e amido (que se transforma em açúcar com o amadurecimento) enquanto estão presas à planta-mãe.

Depois da colheita, a fruta não climatérica não fica mais doce. A fruta climatérica, com baixa reserva de amido, fica mais colorida e macia. Na fruta climatérica, com alta reserva de amido, acontece a transformação do amido em açúcar.

5 dicas para aproveitar ao máximo a feira

Confira abaixo as dicas das profissionais do Centro de Qualidade em Horticultura da Ceagesp, para fazer boas escolhas na feira:

1. Escolha os produtos da época

“As frutas e hortaliças são produtos muito perecíveis e a maioria delas é consumida logo depois de colhida. Existem regiões e épocas de produção mais adequadas para cada produto, função das características da planta e das condições climáticas e edafológicas de cada região e que permitem maior produção com um menor custo”, explicam as profissionais.

Por isso, a primeira dica é fundamental: escolha os produtos de época. Existe, para cada fruta e hortaliça, a melhor época de consumo, quando a produção é farta, saborosa, barata e mais fácil de conservar.

2. Busque um alimento seguro

Um ponto que preocupa muito os consumidores é o uso de agrotóxicos. Anita e Fabiane explicam que os agrotóxicos são produtos químicos utilizados para o controle das pragas e doenças das plantas. “A legislação brasileira é muito severa no licenciamento do uso do agrotóxico e estabelece limites para a sua utilização e limites de inocuidade para tolerância aos resíduos. As denúncias feitas a partir de análises de pequenas amostras acabam criminalizando todos os produtores e aterrorizando a população”, destacam.

“O melhor caminho para garantir um alimento seguro, dentro das exigências legais, é exigir a identificação do responsável pela sua produção. O segundo passo é o consumo da fruta e hortaliça na sua melhor época de produção, quando existe menor necessidade de utilização de insumos e, consequentemente, de agrotóxicos”, acrescentam as profissionais.

Anita e Fabiane acrescentam ainda que a rotulagem de frutas e hortaliças é obrigatória por lei. O rótulo na embalagem deve informar o produto, a variedade, a origem, (produtor, cidade e estado), a data de colheita e o peso líquido do produto.

Então, não se esqueça: só compre frutas e hortaliças com a identificação do seu responsável, da sua origem e da sua variedade.

3. Observe os alimentos

Na hora de escolher o produto é fundamental reparar na sua aparência. “Os produtos deverão estar frescos, firmes, com coloração viva e sem sinal de deterioração. A qualidade deles está relacionada à aparência visual, textura, sabor, aroma, valor nutricional, acondicionamento entre outros fatores”, explicam Anita e Fabiane.

“Escolha as frutas mais maduras, ainda firmes e mais densas, pesadas para o seu tamanho. Elas são as mais saborosas, nutritivas e se conservam melhor. Vale lembrar quem amassam com mais facilidade e devem ser tratadas com carinho”, acrescentam as profissionais.

“Exija frescor: frutas e hortaliças firmes e com cores vivas. Não compre frutas e hortaliças avariadas. Mesmo que você retire a parte ruim, a avaria se espalhará rapidamente por todo o produto”, alertam.

Outra orientação importante é optar por produtos da região. Eles chegam mais frescos aos pontos de venda e podem ser colhidos no melhor ponto de consumo: hortaliças tenras e frutas maduras.

4. Atente-se aos preços e evite o desperdício

O barato pode sair caro. Não compre só porque o preço está baixo, a não ser que ele seja causado pela alta oferta – pico de produção. Geralmente, preços menores significam produtos de menor qualidade, de menor rendimento no preparo e no consumo e de maiores perdas.

Entretanto, alimentos da região e da época tendem a ser mais baratos do que alimentos de outras regiões ou importados, ou ainda que sejam cultivados fora de época. Por isso, vale a pena buscar sempre comprar os alimentos locais cultivados nos meses ideais para o plantio.

Além disso, nunca compre mais do que você consome, mesmo que o preço seja convidativo. Leve para casa apenas o que você precisa e pode conservar adequadamente.

5. Tenha cuidados após levar os produtos para casa

A primeira orientação é deixar as frutas climatéricas e as hortaliças-fruto maduras (abóbora, moranga, tomate, pimentão colorido) amadurecerem bem antes de refrigerá-las.

“As hortaliças-folha (acelga, agrião, alface, almeirão, cebolinha, couve, escarola, repolho, serralha, rúcula, salsinha), flor (alcachofra, couve-flor,brócolos) e talo (aipo, alho-poró, aspargo, erva doce, salsão) são muito tenras e sensíveis à perda de água e ao efeito do etileno – gás natural produzido pelas frutas durante o seu amadurecimento. Elas devem ser armazenadas, refrigeradas e protegidas contra a perda de umidade em sacos plásticos (perfurados). E devem ser separadas das frutas amadurecendo”, acrescentam as profissionais do Centro de Qualidade em Horticultura da Ceagesp.

Só lave ou corte as frutas e hortaliças um pouco antes do seu consumo ou preparo. “Quando as lavamos, retiramos a sua proteção natural. A água livre facilita o desenvolvimento de microrganismos oportunistas e o desenvolvimento de podridões”, destacam.

Ainda de acordo com as profissionais, as frutas tropicais (climatéricas e não climatéricas) e as hortaliças-fruto imaturas (abobrinha, berinjela, chuchu, ervilha, jiló, maxixe, pepino, pimentão verde, quiabo, vagem) são sensíveis ao frio. A melhor temperatura para sua conservação é 15 °C.

“A maioria das hortaliças pode ser guardada de dois a cinco dias, com exceção das hortaliças subterrâneas (batata doce, beterraba, cará, cenoura, mandioca, mandioquinha-salsa, nabo, rabanete etc.), que podem ser guardadas por mais tempo”, explicam.

Por fim, as profissionais destacam que é fundamental respeitar as características de cada produto e evitar o manuseio.

Higienização dos produtos

Na hora de utilizar os produtos em casa, é fundamental lavá-los bem e com cuidado. Abaixo, Anita e Fabiane indicam o passo-a-passo:

  • Limpar e organizar o ambiente onde o produto será higienizado.
  • Selecionar retirando unidades deterioradas, e no caso das hortaliças folhosas, retirar folhas e partes deterioradas.
  • Lavar em água corrente cada produto (folha por folha, fruta por fruta etc.), esfregando levemente com os dedos todos os lados para retirar as sujidades e ovos de parasitas que podem estar aderidos.
  • Colocar em solução clorada, utilizando produto adequado para este fim e seguir as orientações do fabricante no rótulo da embalagem.
  • Enxaguar em água corrente.
  • Manter sob refrigeração até a hora de servir, colocando-os protegidos em utensílios tampados e limpos.

O que evitar

Entre tantos produtos saudáveis e de boa qualidade, é importante se atentar, também, ao que devemos evitar levar para casa!

“Atualmente, encontramos nas feiras livres produtos minimamente processados (saladas prontas, hortaliças e frutas cortadas e embaladas). Estes produtos podem apresentar riscos de segurança alimentar ao consumidor se, durante este processo e beneficiamento, a água utilizada não for de boa qualidade e/ou os utensílios e equipamentos não tiverem boa higiene e não forem realizados em ambiente refrigerados”, explicam Fabiane e Anita.

Por isso, se você se deparar com estes produtos, exija identificação de origem e do fabricante antes de levá-los para casa.

Sazonalidade

Abaixo você confere a melhor e a pior época para comprar determinados produtos. Vale a pena ficar atenta e fazer escolhas certas!

Quer saber a melhor época para comprar outros produtos?! Acesse o site da HortiBrasil® (Instituto Brasileiro de Qualidade em Horticultura), escolha o seu preferido e se informe.

Com todas essas orientações, suas próximas compras tendem a ser bem mais produtivas e você voltará para a casa com a certeza de que fez boas escolhas na feira!

Assuntos: Alimentação, Cozinha

Para você