Em busca da beleza ideal

Cada vez mais, mulheres se submetem a tratamentos estéticos e atos operatórios em busca de um ideal de beleza inalcançável

Escrito por Andreia Mattiuci

Ela era uma mulher cheia de vida, sua risada dava para ouvir de longe, tinha 33 anos e estava 20kg acima do seu peso quando resolveu colocar um balão gástrico para emagrecer. Morreu cinco dias depois, devido a um erro médico. Deixou um casamento de sete anos, alunos que ainda acreditam que sua ausência seja apenas mais uma pegadinha da “professora amiga” e uma mãe que percorre os cômodos vazios da casa em busca da voz da filha.

Acreditem, essa é uma história real que aconteceu há poucas semanas e com certeza não será a primeira e nem a última. Basta ligar a televisão ou pesquisar na internet para encontrarmos vidas que se perderam na buscada chamada “beleza ideal”.

A questão é que nunca se almejou tanto a tal da beleza. Temos que ter o cabelo liso, por isso encontramos no mercado todas aquelas escovas: progressiva, inteligente, marroquina, etc., mas ao mesmo tempo precisamos ter um babyliss na bolsa para manter as pontas com uma “leve ondulação”.

Há pouco tempo atrás, um programa de TV analisou a quantidade de formol que é colocado nos produtos para alisar o cabelo, e os resultados foram assustadores. Para quem não sabe, o formol é um produto cancerígeno. Nem vou me estender falando dos aparelhos estéticos, das massagens, dos remédios e cirurgias.

Então, porque compramos a idéia de que somos pessoas imperfeitas? Não podemos negar que os meios de comunicação incentivam nosso lado consumista, atacando nosso lado mais frágil, a autoestima.

Quantos casamentos terminam porque a mulher se compara com as atrizes de novela e automaticamente sua autoestima vai parar lá no chão, não se sentindo a vontade para sair, viajar, transar etc.

Quem nunca ouviu frases do tipo: “quando eu emagrecer farei tal coisa” ou “se eu colocasse silicone eu arrumaria um namorado”. Precisamos entender que buscar a perfeição é desistir da vida.

Não estou dizendo que não nos devemos cuidar. O necessário é encontrar um equilíbrio e ser feliz com o que temos e não nos lamentar por aquilo que nunca vamos ter.

Assuntos: Corpo

Para você