Economista dá 10 dicas para conquistar a independência financeira

Planejar o orçamento e estabelecer metas são alguns dos pontos importantes

Escrito por Mariana Bueno
Economista dá dicas para conquistar a independência financeira

Foto: Thinkstock

Conquistar a independência financeira é um grande sonho que, para a muitas pessoas, parece distante e difícil de ser realizado. Mas com um bom planejamento é possível chegar lá. “Conquistar a independência financeira é se organizar financeiramente para conseguir obter recursos financeiros para realizar todos os seus objetivos e sonhos em determinado período de tempo. Pode ser desde sair de casa, fazer uma viagem, comprar o carro do ano ou dar entrada num apartamento”, afirma a economista Christiane Monteiro, da MaisMoney.

Ela diz que recorrer a algum tipo de empréstimo bancário também pode ser uma opção temporária, para um objetivo específico, mas não deve ser algo que passe a fazer parte da rotina. “A pessoa pode recorrer a um empréstimo no banco para comprar o apartamento e se organizar para pagá-lo, por exemplo. É positivo no caso de jovens, quando querem conseguir seus objetivos sem recorrer à ajuda dos pais”, justifica.

Seguindo algumas dicas básicas, qualquer pessoa que trabalha consegue ser financeiramente independente, arcando com todas as suas despesas sem depender de ninguém e poupando parte do salário mensal.

“Basta apenas se planejar e equilibrar gastos e ganhos para planejar o futuro dentro de sua realidade”, afirma. Ela ensina algumas dicas que vão te ajudar a lidar melhor com o seu dinheiro e a conquistar seus objetivos. Confira:

1 – Planeje seu orçamento

Coloque no papel tudo o que se ganha e se gasta em um mês, um semestre ou um ano. Isso é essencial na organização e planejamento do futuro, além de ser a forma mais eficaz de controlar as finanças. Deve-se considerar também os gastos eventuais, que pesam no orçamento. Sendo assim, é necessário ter controle sobre os impulsos consumistas.

2 – Estabeleça metas

Sonhar é o combustível que impulsiona a seguir em frente. Quando se tem um sonho como meta, o consumo imediato já não causa a mesma satisfação, pois há um objetivo maior para o dinheiro. Quando alguém não tem sonhos, não existe a necessidade de poupar e fica mais fácil ter um desequilíbrio financeiro e sofrer aquela sensação de frustração.

3 – Quite suas dívidas

Caso possua dívidas, faça um diagnóstico dos compromissos já assumidos, coloque numa planilha o valor e o prazo necessários para quitar tudo, e decida a estratégia que irá usar. É necessário que o controle do orçamento esteja bem definido, para que seja possível definir quanto será destinado para o pagamento destas dívidas. Prolongar os prazos para pagamento, desde que isso não implique em altas taxas de juros, pode ser uma boa alternativa.

4 – Converse com os familiares

Se você mora com sua família, é fundamental que todos os gastos sejam deixado às claras. Assim, ninguém acaba pagando por gastos que não são seus. Além de evitar qualquer desavença, essa atitude te ajuda também a controlar melhor quais são seus gastos reais e, assim, saber quanto você pode economizar por mês.

5 – Trabalhe com prazer

Fazer aquilo que você gosta e trabalhar com algo que te dá prazer e satisfação normalmente acaba gerando um resultado maior e mais positivo. Isso gera um estímulo e, assim, fica mais prazeroso conseguir o dinheiro que você precisa para se tornar independente.

6 – Faça com que a equação receita + despesa seja igual a zero

Inclua nas despesas os valores mensais que serão poupados para a realização da sua meta. Não deixe nenhum centavo sem destino, pois dinheiro solto é perdido/gasto sem perceber. Por isso, a soma da receita, das despesas gerais e dos investimentos deve ser zero.

7 – Poupe ao menos 10% de sua renda líquida

Este é o padrão econômico que se deve adotar para ter uma vida financeira razoavelmente saudável. Se você recebe, por exemplo, 2 mil reais líquidos, deve deduzir 10%, ou seja, 200,00 reais. Restarão 1.800,00, que passa ser considerado o valor total para arcar com suas despesas. O ideal é separar a quantia a ser guardada tão logo você receba o salário, pois fica mais fácil controlar e evita que o dinheiro seja usado para outros fins.

8 – Entenda o que é inteligência financeira

Isso acontece quando usamos o crédito a nosso favor. Um exemplo: o desejo é comprar um carro novo e há dinheiro para pagar à vista, porém, ao invés de fazê-lo, opta-se pela compra de uma sala comercial e, com o preço do aluguel, paga-se a prestação do carro. É uma forma de alavancar o patrimônio, usando o crédito de forma inteligente.

9 – Possua Capital Financeiro Mínimo de Sobrevivência (CFMS)

O Patrimônio Mínimo de Sobrevivência é aquele que você precisa ter para simplesmente poder dar um rumo em sua vida em caso de imprevistos como desemprego, doenças e outros que alterem ou até mesmo cessem sua renda. É simples calcular, basta multiplicar o seu gasto mensal por seis. Ex: Se você gasta R$1.500,00/mês, seu CFMS será R$9.000,00.

10 – Saiba o que o dinheiro significa para você

Dependendo da pessoa, o dinheiro pode ter um significado diferente, como:
 Poder, quando se acredita que o dinheiro irá garantir prestígio, autoridade e reconhecimento social. Prazer, com sentimentos positivos relacionados ao dinheiro, como prazer, felicidade, bem-estar psicológico e material, auto-estima, esperança e harmonia nas relações interpessoais. Estabilidade, vendo o dinheiro como fonte de segurança. Sucesso ou fracasso, quando isso depende de possuir ou não dinheiro. Desapego, envolvendo uma necessidade de dar mais importância aos valores de solidariedade e generosidade que aos bens materiais.

Para você