Chá ou infusão: você sabe a diferença?

O consumo de chá tem crescido no Brasil, mas será que o que você está tomando é chá mesmo?

Escrito por Fernanda Gimenez

Foto: iStock

Devido a sua popularidade e uso indiscriminado, é comum utilizarmos a palavra chá para o que, na verdade, são infusões.

  • Chás: são bebidas quentes ou frias feitas a partir de uma única planta, a camellia sinenses.
  • Infusões: são preparadas através de água quente com ervas, flores e frutas, que não sejam com camelia sinenses

No Brasil, as mais famosas são de erva cidreira, camomila, hortelã, hibisco e até, (por que não?), o chá de boldo.

A camellia sinenses é uma árvore nativa das florestas do nordeste da Índia e sul da China e dela são obtidas milhares de variedades de chás que variam conforme o tipo de cultivo, solo, nível de fermentação, forma de coleta, preparo e armazenamento das folhas. Daí surgem aqueles chás que com certeza você já ouviu falar: chá preto, oolong, verde e branco.

Entenda as principais diferenças entre os tipos de chás

Foto: iStock

  • Chá preto: é super fermentado e de sabor forte, com alta concentração de cafeína;
  • Chá oolong: de fermentação mediana, entre o verde e o preto, e seu sabor também é intermediário entre os dois estilos. O Oolong e o chá Preto contém alta concentração de teaflavinass e tearubiguinas que são anti-alérgicas, anti-inflamatórias e anti-cancerigenas;
  • Chá verde: é levemente fermentado e apresenta um sabor mais suave, diurético e com uma boa dose de antioxidantes;
  • Chá branco: não fermentado, produzido a partir de folhas jovens e tenras, contém além da cafeína, vitamina B, C, K, manganês e potássio.
  • E tem ainda os blends, misturas de chás com frutas, especiarias ou flores, usadas para dar mais sabor e aroma. Essas misturas geralmente são ótimas opções para quem não está habituado ao sabor dos chás puros.

    A melhor forma de preparo é conhecer o seu paladar

    Foto: iStock

    Mesmo não sendo fã de sabores muito amargos, é possível desfrutar muito bem se você ficar atenta às dicas de preparo. Água muito quente pode acabar queimando as folhas e dando amargor na bebida, portanto verifique se suas mãos conseguem segurar a xícara com o líquido. Se estiver muito quente para as suas mãos, também não está bom para ser consumido. Também tente equilibrar a temperatura da água com o tempo de infusão, que pode variar de 05 a 15 minutos. Atente-se a recomendação da embalagem, já que alguns fabricantes sugerem o tempo.

    Leia também: 10 benefícios incríveis do chá de alecrim

    Independente disso tudo, o ideal é você fazer testes e identificar com qual tempo e temperatura seu paladar se adapta melhor. O mesmo vale para o açúcar! Não tem certo ou errado, adoçar ou não, mas é importante saber que, ao adoçar, você mascara o sabor original da bebida.

    E, para manter o sabor original, o mais indicado é guardar em uma lata limpa, sem ter sido usada previamente com outro produto para não “dar gosto” e manter longe da umidade e do sol.

    Agora que você já sabe a diferença, o importante é consumir! Quanto mais se bebe, mais se identifica as características de cada tipo e assim, encontra-se os sabores mais agradáveis ao seu paladar.

    Assuntos: Alimentação

    Dicas pela Web
    Comentários