Dengue: mitos e verdades sobre a doença

Com as temperaturas mais altas e maior incidência de chuvas, os casos de Dengue aumentam nos primeiros meses do ano. Veja alguns fatos sobre ela

Escrito por Thalita Vitoreli

Foto: Thinkstock

A Dengue é causada por um vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. A doença pode ser apresentada na forma clássica, que causa febre e dores na cabeça e nas articulações, e a hemorrágica, que, além desses sintomas, provoca sangramentos e pode levar à morte. No Brasil, já foram encontrados da dengue tipo 1, 2, 3 e 4.

Os principais sintomas da doença são: doença febril aguda com duração de até 7 dias acompanhada de pelo menos dois dos seguintes sintomas: dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dores musculares, dores nas juntas, prostração e vermelhidão no corpo.

Os casos de Dengue aumentam significativamente entre os meses de janeiro a maio, devido às altas temperaturas e uma quantidade maior de chuvas. Segundo dados do Ministério da Saúde, até o mês de setembro de 2013 foram mais de 1 milhão de casos confirmados de Dengue no Brasil.

Para ajudar a identificar o que é realmente verdade e o que é crendice popular a respeito da doença confira a matéria com informações da Cartilha sobre a Dengue do Ministério da Saúde:

  1. Só as fêmeas do Aedes aegypti picam
  2. Verdade. Para eclodir os ovos, as fêmeas precisam de sangue humano.

  3. O uso do fumacê é suficiente para evitar a Dengue
  4. Mito. Ele ajuda na diminuição dos mosquitos adultos no ambiente, porém não resolve sozinho o problema. Deve ser utilizado em caso de surto ou epidemia.

  5. O Aedes aegypti só pica nas pernas
  6. Mito. Em geral o mosquito prefere a região das pernas e pés, mas a picada pode acontecer em qualquer outra área exposta do corpo.

  7. Apenas Paracetamol e Dipirona podem ser usados pelo paciente com Dengue
  8. Verdade. Em caso de dor, deve-se utilizar Paracetamol e Dipirona. Medicamentos que possam desencadear os sangramentos da doença ou piorá-los, como Ácido Acetilsalicílico e antinflamatórios não devem ser utilizados.

  9. A pessoa que teve a doença fica imune após o tratamento
  10. Mito. Como existem quatro tipos de vírus da Dengue o doente, ao curar-se, fica imune àquele tipo que adoeceu. Porém, pode voltar a ficar doente por um dos outros três tipos.

  11. É possível que uma pessoa infectada passe a doença
  12. Mito. Apenas o mosquito infectado transmitirá ao homem pela picada.

  13. Repelentes ajudam a evitar a doença
  14. Mito. Os repelentes podem evitar o mosquito, mas têm um efeito não duradouro.

  15. O mosquito não pica durante a noite
  16. Verdade. O mosquito transmissor da Dengue tem hábito diurno.

  17. Qualquer picada do mosquito transmite a doença
  18. Mito. É necessário que o mosquito esteja contaminado.

  19. As larvas do mosquito só se desenvolvem em água limpa
  20. Mito. Os ovos do mosquito também podem se desenvolver em água suja e parada.

  21. Fora da água, o ovo com o vírus pode suportar mais de um ano
  22. Verdade. Há registro de ovos que passaram até 450 dias sem água. Eles podem sobreviver a um inverno inteiro.

  23. Crianças e jovens são mais suscetíveis à doença
  24. Verdade. A circulação de diferentes tipos virais que infectam pessoas continuamente gera imunidade na população adulta. Por isso, crianças e jovens que nunca entraram em contato com o vírus circulante podem ser mais suscetíveis ao desenvolvimento da doença.

Dicas para se prevenir

A melhor forma de evitar a Dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Para isso, é importante não acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros. O importante é acabar com qualquer reservatório de água parada, seja limpa ou suja. Para ajudar no combate à Dengue coloque essas dicas em prática:

  • Vire garrafas vazias com a tampa para baixo;
  • Não deixe entulho no quintal ou nas ruas;
  • Cubra a caixa d’água e piscinas;
  • Guarde baldes virados para baixo;
  • Coloque terra ou areia nos pratos de vaso de planta;
  • Retire as folhas e sujeira de calhas que dificultam o escoamento da água;
  • Lave todas as semanas baldes e tanques que armazenam água;
  • Mantenha a lata de lixo devidamente tapada;
  • Guarde pneus num local coberto, longe da chuva;
  • Mantenha poços de água devidamente tampados;
  • Diminua a quantidade de bebedouros de cães, gatos e passarinhos e escove-os quando trocar a água;
  • Mantenha o aquário devidamente fechado;
  • Lave plantas que acumulam água 2 vezes por semana;
  • Verifique se há água acumulada nas bandejas dos aparelhos de ar-condicionado;
  • Coloque telas de proteção nas janelas.

Para você