Conheça a dieta paleo

A dieta inspirada na alimentação do homem das cavernas e que vem conquistando cada vez mais adeptos

Escrito por Daniela Azevedo

Foto: Thinkstock

Puxando pela memória de livros e filmes que mostravam a vida dos homens na pré-história, dificilmente vamos lembrar de ter visto um homem das cavernas obeso. Tal fato não se deve apenas ao fato de serem nômades e viverem se deslocando de um lado para o outro, de terem que correr para se proteger de predadores e de subirem em árvores para conseguir alimento e capturar suas presas, mas principalmente por sua alimentação.

Como surgiu?

Nos primórdios, a dieta de homens e mulheres era baseada em plantas selvagens e animais, pois só era possível comer aquilo que fosse pescar, caçar e, com o advento da agricultura no período paleolítico, plantar e colher.

Com base nesses preceitos, foi desenvolvida a Paleo Dieta, também conhecida com Dieta do Paleolítico, popularizada na década de 1970 através do gastroenterologista Walter L. Voegtlin, muito estudada por diferentes pesquisadores ao longo dos anos e que novamente volta à tona. Popular nos Estados Unidos e na Europa, a dieta paleolítica aos poucos vai conquistando adeptos no Brasil.

Construída sobre princípios da medicina darwiniana, esse novo conceito em alimentação saudável parte do princípio que os humanos estão histórica e geneticamente adaptados à dieta dos seus ancestrais paleolíticos, uma vez que, em uma escala evolucionista, não houve tempo suficiente para que houvesse qualquer alteração, por isso, para a saúde e bem-estar dos humanos é necessário seguir o exemplo de dieta de seus ancestrais.

Em que ela se baseia?

A explicação para a teoria é que o organismo humano não mudou tanto quanto os seus hábitos alimentares e a facilidade de adquirir alimentos e guloseimas nos supermercados não oferece benefícios para o organismo.

No livro “The New Evolution Diet”, o economista americano Arthur De Vany, que é adepto da dieta, propõe um regime, segundo o qual deve-se comer apenas aquilo que você poderia caçar, matar, colher ou tirar da terra, tal qual um homem das cavernas.

Há aproximadamente duas décadas, De Vany segue um cardápio parecido com os que era seguido há 40 mil anos atrás, composto por muita carne, frutas e vegetais. Para ele, assim como para a maioria dos seguidores da dieta, o tempo em que os homens vivem atualmente é maior do que o vivido no paleolítico, no entanto, atualmente adoece-se muito mais que antes o que faz com as pessoas passem boa parte da vida doentes com enferimades crônicas como diabetes e obesidade, que poderiam facilmente ser evitadas com uma alimentação correta.

Outro pesquisador que compartilha das ideias de De Vany é o português Pedro Carrera Bastos, da Universidade de Lund na Suécia. Segundo ele, “as necessidades dietéticas são determinadas geneticamente. As alterações ambientais, sociais e culturais dos últimos 10 mil anos são recentes numa escala evolucionista”. Segundo suas pesquisas, 70% das calorias ingeridas atualmente pelos norte-americanos provém de alimentos que não existiam nas sociedades tradicionais.

Um dos maiores defensores da dieta, pesquisador em ciência da saúde da Universidade de Colorados, nos Estados Unidos, Loren Cordain, lançou em 202 o livro “The Paleo Diet” no qual ensina receitas para perder peso e ganhar saúde. No início do livro, ele argumenta que não foi o inventor da dieta, já que ela está presente nos nossos genes.

Como ela é feita?

A dieta paleo recomenda que sejam alternados períodos de jejum com refeições fartas. Os únicos carboidratos permitidos são de frutas e os cereais são totalmente proibidos, sobretudo a soja e o trigo.

Enquanto o número de adesões aumenta, entre médicos e nutricionistas, o assunto gera polêmica, já que a nova dieta desconstrói a pirâmide alimentar recomendada segundo padrões internacionais e tenta impor novos padrões. Para a maioria dos médicos, todos os componentes da pirâmide exercem uma função específica no organismo e uma restrição total e definitiva de açúcares ou de carboidratos, por exemplo, pode causar danos à saúde. Outro problema é pular refeições com o objetivo de estimular a queima calórica, o que segundo pesquisas, surte efeito absolutamente contrário.

Quais são os benefícios da dieta Paleo?

Os relatos dos benefícios da Dieta Paleo são muitos, mas entre os mais comuns estão:

  • Perda de peso estimada nos primeiros 21 dias de 2 a 8 kg.
  • Aumento de energia.
  • Redução nos níveis de estresse.
  • Fortalecimento do sistema digestivo.
  • Cura de doenças, inclusive auto-imunes.
  • Melhora na qualidade do sono.
  • Aumento na expectativa de vida devido a redução de ingestão de alimentos com conservantes.
  • Melhora da força e do condicionamento físico.

De fato, optar por mudar os hábitos e aderir a uma alimentação mais saudável é uma opção sempre válida e bem-vinda, no entanto, mudanças radicais implicam em consequências, por isso, se quiser aderir a essa nova dieta, não faça isso sem procurar um médico e um nutricionista que possam alertar sobre os riscos e benefícios. Cuide-se!

Assuntos: Alimentação, Dietas

Para você