Como salvar uma amizade que parece próxima do fim

Mesmo quando parece não haver mais esperanças na relação de amizade, ainda assim é possível salvá-la, ao se colocar no lugar do outro

Escrito por Andreia Mattiuci

Foto: Thinkstock

Para Mario Quintana, “a amizade é um amor que nunca morre”, mas será que podemos usar essa frase em nosso dia a dia?

A seguir, vou fazer um breve relato de uma história real (cujos nomes foram trocados), que exemplifica como uma situação pode abalar ou colocar um ponto final em uma amizade:

Ana e Letícia eram amigas desde o jardim de infância. Eram inseparáveis. Um dia as duas conheceram um rapaz. Ele e Ana se apaixonaram a primeira vista, mas Letícia também havia se apaixonado por ele. Por causa da amiga, Ana decidiu não levar o relacionamento para frente, mas Letícia descobriu a paixão dos dois, se sentiu traída pela amiga e terminou a amizade.

Exemplos como este são bastante comuns, mas outros motivos também podem abalar uma amizade, principalmente quando envolve dinheiro, família, sociedade, emprego e etc.

Então, será que depois de um “terremoto” é possível salvar uma amizade?

Bem, como tudo na vida, a prevenção é e sempre será o melhor remédio. Temos uma dificuldade muito grande em saber quais são os limites das nossas relações, com a amizade não seria diferente, quem já não teve um amigo que queria exclusividade e tinha ciúmes de outras pessoas ao seu redor? Quem já não teve uma amizade abalada quando disse “não”?

Em uma sociedade cada vez mais consumista, onde o que importa é o TER e não o SER, nos afastamos das relações reais (risadas, abraços, conversas). TER uma rede social repleta de amigos passou a ser motivo de orgulho. Com a superexposição na internet, as famosas “indiretas” ou “cutucadas” substituíram o diálogo e problemas tão simples se tornam grandes bolas de neve. SER alguém no mundo, é assumir seu papel dentro de uma sociedade, é deixar de olhar só para si e olhar para o outro e numa via de mão dupla, dar e receber.

Portanto, se a amizade está abalada, precisamos aceitar que esse amigo é um ser humano, com defeitos e qualidades. Existem amigos que são ótimas companhias e péssimos confidentes e por ai vai. Não adianta exigir perfeição do outro, até porque também não somos perfeitos.

Uma coisa questão que deve ser observada é o quanto de expectativas colocamos nessa pessoa (não só na amizade). Crescemos vendo filmes e novelas com o amor que tem o príncipe encantado e de amizades que matam e morrem por nós. Na vida real as coisas funcionam de outra forma. A partir do momento em que aceitamos o outro como ele é, e não como gostaríamos que ele fosse, fica mais fácil o diálogo, as desculpas e o perdão recíproco.

E, como dizia Drummond de Andrade: “como as plantas a amizade não deve ser muito nem pouco regada”.

Assuntos: Relacionamentos

Para você