Como definir um plano de carreira segundo Capitão Nascimento

Saiba como os ensinamentos do personagem do filme Tropa de Elite podem ajudar a alcançar o sucesso profissional

Escrito por Monica Hauck

As pessoas querem crescer, se desenvolver e progredir na carreira, mas será que elas sabem onde estão se metendo? Quem nos ajudará a pensar sobre progressão de carreira hoje é o Capitão Nascimento através dos dois filmes Tropa de Elite.

O Capitão Nascimento era um homem convicto de sua posição, tinha orgulho da sua carreira acreditava no que fazia, conhecia seu valor e até dizia: “Eu não sou um policial convencional, eu sou do Bope”.

Mas teve um momento em que ele teve que escolher, priorizar a carreira ou a vida familiar. A saga começa com sua tentativa de procurar um substituto. A tentativa foi frustrada, ele tinha uma vocação. E esta vocação foi mais forte que a tolerância da família. Seu plano de carreira seguiu adiante, mas a família ficou no meio do caminho.

Dica: Antes de pensar na sua carreira, pese o que e o quanto esta progressão pode te custar.

Mas continuemos a história: O capitão Nascimento vendo que sua carreira era incompatível com sua nova fase familiar tratou de procurar seu substituto. Mas não encontrou apenas um, e sim duas metades A inteligência do Mathias e a coragem do Neto. Para conseguir o substituto, o Capitão precisava de uma pessoa com habilidades específicas. Nesse ponto não adianta só avaliar o currículo, existiam vários candidatos e todos eram policiais.

Dica: Para ser bem sucedido na carreira não pense em se qualificar apenas do ponto de vista curricular. Procure se conhecer e saber se o seu perfil comportamental se enquadra na carreira desejada.

Outra coisa é certa, nem todo mundo é “faca na caveira” e não há nada de errado com isto. O Bope era a elite da polícia e sempre que a palavra elite entra em cena, as pessoas acreditam que apenas chegando lá é que serão bem sucedidos.

Traduzindo isso para o dia a dia das nossas empresas, muitas vezes um vendedor sonha em ser gerente apenas por status, ignorando que sua vocação e o caminho para o sucesso está em ser vendedor.

Todos os dias perdemos ótimos vendedores e ganhamos péssimos gerentes, isto devido ao glamour de algumas posições. Dica: Quer ser bem sucedido, ignore o status dos cargos e siga a sua verdadeira vocação.

“A responsabilidade é minha, o comando é meu”: Esta fala é emblemática. Fora do contexto parece uma frase autoritária, no entanto é um exemplo de liderança. No segundo filme, diante de um erro de um membro de sua equipe, o Comandante Nascimento assume toda a responsabilidade, mesmo sob o protesto do Capitão Mathias que queria assumir toda a responsabilidade.

Dica: Você conhece todos os ônus dos cargos que pretende ocupar? Um verdadeiro líder assume a responsabilidade pelos resultados de sua equipe.

Uma vez caveira, sempre caveira! Mesmo saindo da ativa e entrando no serviço burocrático, Nascimento queria fazer o melhor e não entrar na zona de conforto. No segundo filme acompanhamos a saga de um homem que não se acomodou com a sua “promoção” e continuou cumprindo sua missão. Segundo ele: “Só vive em paz quem aprende a lutar e a minha missão era mais importante que meus problemas pessoais.”

Dica: Não se iluda, quanto mais alto o sonho de crescer na carreira, maior as chances da sua vida profissional ocupar grande parte da sua vida.

E claro, para progredir na carreira , seja na horizontal ou na vertical uma coisa é certa: Missão dada é missão cumprida! Senão… pede pra sair!

*Este artigo foi única e exclusivamente baseado na minha visão dos dois filmes Tropa de Elite, e portanto usando como fonte uma obra de ficção, sem conhecimento de fatos reais dos personagens citados.

Para você