Como controlar o que o seu filho vê na internet sem invadir a privacidade

Pedagoga ensina a observar o que as crianças estão vendo na internet, sem parecer violação de privacidade

Escrito por Ana Carolina Gabriel

Foto: Thinkstock

Vasculhar o quarto, a mochila e os objetos pessoais do seu filho são atitudes que devem ser feitas com cuidado. Isso porque a invasão de privacidade pode fazer com que a criança fique mais reservada e não se sinta a vontade de contar segredos e compartilhar o dia a dia com você.

Além disso, outro fator que deve ser acompanhando com cuidado é o uso da internet. Facilitadora da rotina diária e de auxiliar as crianças nas pesquisas escolares, a internet pode ser uma arma quando não for vigiada pelos pais.

Por inocência e dependendo da idade, os pequenos podem se envolver em sites não adequados à faixa etária, redes sociais, bate papo virtual, além de ter acesso a informações não pertinentes a sua idade. Por isso, é recomendado que os pais observem quais são os portais e o que o seu filho está tendo acesso.

Para a pedagoga Arlete Codo, uma das maneiras de acompanhar o dia a dia das crianças é a conversa. “Não adianta em nada os pais só vigiarem sites e o que os seus filhos estão vendo na internet. A conversa e o bate papo aberto em todas as idades permitem com que os filhos tenham confiança e entendam também os perigos que a internet os envolve”, explica.

Baixar programas educativos e até jogos de herois que seus pequenos gostam é uma maneira de deixá-los entretidos no computador, sem ter acesso a informações erradas na internet.

Mas além dessas atitudes, a pedagoga diz que existem maneiras de observar o que as crianças estão navegando, sem ter uma atitude invasiva. Anote:

  • Visualização: Procure colocar o computador em local fácil de visualizar, como por exemplo, na sala ou em lugares de constante passagem da família. Evite, portanto, deixar o aparelho dentro do quarto de seu filho.
  • Quarto dos pequenos: Não deixe a chave na porta do quarto das crianças. Fazer com que você tenha acesso livre é essencial para entrar e sair quando necessário. A pedagoga diz que essa é uma boa forma de ver o que ele está fazendo.
  • Bloqueie sites: É possível bloquear os portais que contêm conteúdo adulto, dificultando a visualização. Se você assina provedores da internet, ligue na central de atendimento ao cliente, que eles orientam passo a passo de como bloquear.
  • Bate-papo: Nada melhor do explicar quais são os benefícios e os perigos da internet para seu filho. Converse mostrando o que a ferramenta pode trazer para o dia a dia, bem como também os cuidados que eles devem ter.
  • Outros programas: Procure mostrar outras formas de entretenimento para seu filho. Passear no parque, andar de bicicleta ou até mesmo assistir desenhos na televisão são opções para distração dos pequenos.
  • Proibição: Não permitir que os pequenos mexam no computador pode não ser a solução mais certeira. A proibição pode fazer com que eles façam escondido, o que não deixa de ser ainda mais prejudicial à educação do seu pequeno.

Arlete finaliza sugerindo que os “pais mostrem sites interessantes para o seu filho e baixem games que eles gostem, até mesmo em tablets ou no smartphone”.

Para você