14 coisas com as quais você não deve se preocupar

Os padrões conservadores da sociedade podem ser ainda mais pesados para mulheres, mas é possível driblar seus efeitos negativos

Escrito por Gabriela Petrucci
Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

São notáveis as conquistas das mulheres desde o século passado: do direito ao voto à inserção no mercado de trabalho, muita coisa mudou, proporcionando maior presença feminina na sociedade. No entanto, em muitos aspectos, as exigências e expectativas sobre nós continuam como eram décadas atrás, tornando desgastante a vida de quem não se encaixa padrões tão tradicionais.

Que mulher nunca se sentiu coagida para corresponder aos desejos de alguém ou pensou em como seria mais fácil ser homem? Mesmo os hábitos mais banais e os sonhos que não envolvem um relacionamento amoroso podem ser motivos para julgamentos e recriminações.

Curiosamente, muitas das regras impostas não levam em consideração o conforto da mulher e os infinitos estilos de vida que cada uma pode ter. Por isso, é sempre bom lembrar que não precisamos nos cobrar tanto apenas para nos enquadrarmos ao que a sociedade espera de nós. É possível sim viver a vida mais leve, respeitando apenas nossas próprias vontades e sem se deixar ficar pra baixo por não correspondermos aos padrões.

A partir disso, vale observar como algumas situações cotidianas te afetam, principalmente aquelas que são condicionadas em razão de você ser mulher. Na lista abaixo, 14 exemplos podem te ajudar a identificar algumas das cobranças pelas quais você não precisa se sentir mal.

1. Por sua fisiologia

Foto: Reprodução / Giphy

Foto: Reprodução / Giphy

Algumas ações naturais do corpo humano são consideradas sujas ou nojentas e, por serem colocadas em um lado oposto da feminilidade e da delicadeza, são entendidas como “coisas de homem”. Apesar da mulher ser colocada com muita frequência nesse espectro de seres imaculados, ela ainda é humana e, sim, isso significa que também urina, defeca e solta gases.

Muitas vezes, a menstruação é encarada da mesma forma, como um processo que torna a mulher indigna e irracional. Embora esse período não seja mesmo confortável, dificilmente é possível eliminá-lo, por isso é melhor lidar com isso sem constrangimentos e sem pensar em prestar contas da sua fisiologia a alguém.

Também é comum que a TPM, sintoma da menstruação que mexe muito com os hormônios femininos, seja um motivo para deslegitimar as falas das mulheres. Se alguém te disser que você só agiu como agiu ou só disse o que disse por conta dessa condição, não deixe que esse argumento te abale e tenha em mente que você continua sendo um ser racional, mesmo nesses dias.

2. Por comer demais… ou “de menos”

Foto: Reprodução / Giphy

Foto: Reprodução / Giphy

Cada corpo é único. Cada pessoa tem as suas necessidades e conhece suas próprias capacidades. Por isso, é natural que cada um saiba o quanto deve e o quanto aguenta comer. Pode parecer uma regra muito simples, mas a vigilância do prato alheio é muito grande e atinge muitas mulheres, que são criticadas tanto por comerem em grandes quantidades — que são consideradas adequadas apenas para alimentar homens, que devem ser sempre fortes e robustos — quanto por comerem pouco ou seguirem dietas balanceadas.

Não se sinta constrangida pelo olhar dos outros. Você não precisa justificar seus gostos ou sua capacidade para ninguém. Coma o que você gosta e o quanto você quiser comer, desde que esses hábitos alimentares não coloquem sua saúde em risco.

3. Por não estar sempre produzida

Foto: Reprodução / Giphy

Foto: Reprodução / Giphy

Uma situação muito explorada na TV e no cinema, principalmente em comédias românticas, é a de mulheres que levantam antes de seus parceiros para pentear o cabelo, escovar os dentes e disfarçar olheiras, tudo isso para que ninguém se assuste ao abrir os olhos e encontrar ao seu lado uma… mulher de verdade.

Apesar da cobrança para que as mulheres estejam sempre muito bem arrumadas e bonitas aos moldes da sociedade serem muito grandes, isso não significa que todas gostam de passar minutos ou até horas em frente ao espelho ou em conflitos com o guarda-roupa. Se você faz parte desse time ou simplesmente não está com paciência para se produzir totalmente, não se culpe e nem se preocupe: você não será menos mulher ou menos feminina por isso.

4. Por usar maquiagem

Foto: Reprodução / Giphy

Foto: Reprodução / Giphy

Para se produzir como muitas pessoas consideram ser mais adequado, é preciso usar pelo menos um pouco de maquiagem, o que muitas vezes é motivo de críticas, seja por transferir cores para peças de roupas alheias na hora de cumprimentar, pelo derretimento dos produtos ou, pior ainda, por frustrar alguém quando a make é removida.

Há mulheres que gostam de usar maquiagem, outras que usam sem gostar por considerarem importante e há também quem não goste e não use. Independente do grupo em que você se encaixe, sua relação com as makes diz respeito apenas a você e deve agradar (ou desagradar) apenas a você. Não se preocupe com o que os outros vão pensar se você sentir vontade de apostar em cores vibrantes e jamais se desculpe por ter “enganado” alguém que não gostou de te ver de pele limpa.

5. Por seus gostos pessoais

Foto: Reprodução / Giphy

Foto: Reprodução / Giphy

Quem nunca classificou uma série ou um filme como “coisa de menina”? Principalmente em produtos culturais, esse tipo de referência indica que cenas de ação, música pesada ou diálogos com palavrões muito provavelmente não fazem parte desses enredos. Estas são características geralmente vistas como uma exclusividade do universo masculino, o que faz com que mulheres que gostam dessas coisas sejam vistas como estranhas. Nessa lógica, homens que gostam de comédias românticas ou boy bands são automaticamente menos viris.

Entretanto, todos esses rótulos não passam de uma construção social e não têm por que causar alguma preocupação. Gostar de coisas tradicionalmente consideradas masculinas não deve ser um motivo de vergonha para você simplesmente porque as pessoas acharão fora do normal uma mulher com gostos assim. Da mesma forma, pedir a companhia do seu parceiro para assistir a um filme “de menininha” no cinema não deve ser um problema para ele e muito menos para você. O que realmente importa é se aquela atividade te faz feliz, sendo irrelevante como ela é classificada pelas outras pessoas.

6. Não querer se casar

Foto: Reprodução / Giphy

“Você nunca brincou de noivinha quando era criança?” Foto: Reprodução / Giphy

Não é incomum escutar a afirmação que “o sonho de toda mulher é se casar”, embora a frase esteja bem distante da realidade. Basta conversar com algumas garotas para perceber que nem todas têm vontade de entrar em uma igreja com véu e grinalda, e muitas delas sequer pensam em ter um companheiro só para a vida toda. Apesar de ser um costume bastante difundido em nossa sociedade e fazer parte de nossa cultura, isso ainda está mudando muito e novos modelos de família estão se configurando.

O grande sonho do casamento com cerimônias super tradicionais não precisa ser seu também. Tudo bem se você preferir não se comprometer com ninguém, assim como também está tudo bem se você resolver morar junto com o seu parceiro mesmo e comemorar com um churrasco só para amigos mais próximos — ou não comemorar. É fundamental respeitar a individualidade de cada uma e compreender que o matrimônio tradicional pode, sim, ser desejável por algumas mulheres, porém não necessariamente o é para todas.

7. Por não querer ser mãe

Foto: Reprodução / Giphy

Foto: Reprodução / Giphy

A maternidade faz parte de uma série de acontecimentos supostamente naturais na vida de uma mulher. É muito comum ouvir declarações de que toda mulher tem um instinto materno nato ou de que esse é um dom do qual ninguém deveria abrir mão, mas a verdade é que nem todas se dão bem com crianças, nem todas têm vontade de se comprometer com a criação de filhos e nem todas se sentem prontas para isso.

Nesse ponto entra aquela história de que o seu corpo deve obedecer apenas as suas regras, afinal, é você quem sentirá as maiores e as primeiras grandes mudanças que um bebê traz por nove meses. Caso você faça parte do time de mulheres que não têm o desejo de ser mãe, não há nenhuma necessidade de que você se adapte ou tente mudar para se encaixar ao que a sociedade espera de você. Considere também que a escolha de ter uma criança jamais deve partir apenas do homem: os dois lados de uma relação precisam estar em comum acordo sobre o assunto, até porque cuidar de uma nova vida é uma enorme responsabilidade e, na maioria das vezes, a mãe ainda é quem mais acaba se comprometendo.

8. Por não ter “dotes domésticos”

Foto: Reprodução / Giphy

Foto: Reprodução / Giphy

Devido a um processo histórico bastante longo que sempre delegou às mulheres o espaço doméstico, os serviços de casa também foram atribuídos unicamente a elas. Apesar desses costumes terem começado a mudar no século passado, ainda é muito comum que essas tarefas sejam consideradas mais femininas do que masculinas.

Contudo, saber cozinhar e atender a todos os requisitos que fazem com que uma mulher seja considerada prendada ou apta para casar não é mais uma prioridade para muitas de nós. Se você gosta de realizar essas tarefas domésticas, ótimo; se você prefere se ocupar com outros serviços e passa longe do fogão, ótimo também!

9. Por não se depilar

Foto: Reprodução / Giphy

Foto: Reprodução / Giphy

Com a depilação feminina tão naturalizada, pode parecer estranho que uma mulher prefira passar longe dos muitos métodos de remoção de pelos, seja pela dor ou por questionar a real necessidade disso. Entretanto, ainda que para os homens seja normal manter seus fios longos, o mesmo não é assim tão aceitável para as mulheres.

Imprevistos, períodos de espera entre uma depilação e outra ou mesmo a decisão de não remover mais os seus pelos podem levantar críticas e até comentários pejorativos sobre uma mulher, sua higiene e sua aparência, mas esses não devem ser os motivos que levem alguém a se depilar.

Aqui também vale o mantra: “seu corpo, suas regras”. Independentemente da razão pela qual você não está depilada, não se envergonhe dos seus pelos: você é tão humana quanto os homens que os mantêm longos.

10. Por ter “bagagem”

Foto: Reprodução / Giphy

“Se toca! Sou f*da!” Foto: Reprodução / Giphy

Assim como existem mulheres que preferem perder a virgindade apenas quando se casam, também há aquelas que não seguem o mesmo estilo de vida. Do mesmo modo, há quem goste de se envolver apenas com aqueles parceiros que consideram “especiais” e outras que não veem problema em ter um parceiro por apenas uma noite. Seja como for, nenhuma dessas mulheres está errada, a diferença é que cada uma tem sua preferência e cada uma está agindo como acha que deve. O problema é que, tradicionalmente, a sociedade não aceita isso e comumente acaba condenando aquelas que já ficaram com muitos homens.

Independentemente de com quantas pessoas você tenha se relacionado na sua vida, não deixe com que esse tipo de julgamento modifique seu comportamento. Lembre-se de que você é livre para se envolver com quem e quando quiser, contanto que seja essa a sua vontade, que os relacionamentos sejam consensuais e de preferência tudo seja feito com proteção.

Caso a pessoa com quem você for se envolver considere que seu passado te faz menos digna de respeito ou confiança, é melhor repensar e investir em uma relação que seja pautada em respeito mútuo e com alguém que te valorize pelo seu caráter e não pela sua conduta sexual.

11. Por ser independente

Foto: Reprodução / Giphy

“Me ame ou me deixe.” Foto: Reprodução / Giphy

Diferentemente de algumas décadas atrás, atualmente é comum que as mulheres morem sozinhas e não dependam de homens para se manter. Conforme objetivos como a equiparação salarial e a conquista de direitos iguais vão cada vez mais se tornando uma realidade, a tendência é que as mulheres não tenham mais receio em buscar sua independência, seja financeira ou emocional. Isto é importantíssimo para que você possa se sentir mais no controle de sua própria vida e não precise se submeter às vontades dos outros.

Como já não persiste mais a ideia de que toda mulher depende de um homem que a sustente, é escolha de cada uma como vai conduzir sua vida, sempre respeitando a si mesma acima de tudo e, eventualmente, entrando em um acordo com o seu parceiro.

12. Por ter outras prioridades

Foto: Reprodução / Giphy

Foto: Reprodução / Giphy

No mesmo sentido de não ter interesse em se casar ou não nutrir o sonho de ser mãe, ainda é comum que mulheres que não desejam manter relacionamentos amorosos recebam denominações pejorativas ou tenham sua sexualidade posta em xeque, mesmo que suas razões se devam a outros aspectos de sua vida, como a carreira, os estudos ou a vontade de viajar sozinha pelo mundo.

A hora de dizer não a algum “pretendente” ou explicar para outras pessoas que essa não é a sua prioridade no momento, será muito mais leve se você estiver em paz consigo mesma, tendo certeza de que não estará deixando os seus sonhos de lado para se envolver com algo ou alguém que te afaste dos seus objetivos.

13. Por pensar

Foto: Reprodução / Giphy

“Você sente falta dos filhos quando está no trabalho?” Foto: Reprodução / Giphy

Anita Garibaldi, Ada Lovelace, Simone de Beauvoir, Frida Kahlo: a história está repleta de grandes exemplos — pensadoras, guerreiras, artistas e inventoras — de mulheres que ultrapassaram as barreiras e revolucionaram o mundo de alguma forma. Pode parecer desnecessário dizer isso hoje em dia, mas pensar não é, como já se acreditou antigamente, exclusividade dos homens. Não há nenhuma diferença biológica ou social que possa justificar uma proibição nesse sentido.

Também se fala muito na suposta dificuldade que as mulheres teriam com números e conhecimentos matemáticos em geral, mas o fato é que é muito fácil encontrar mulheres com habilidades na área, provando que as facilidades variam de acordo com a pessoa, independente de seu sexo.

14. Por dizer não

Foto: Reprodução / Giphy

Foto: Reprodução / Giphy

Recusar um beijo a um desconhecido em uma festa ou uma transa a um parceiro de anos pode até ser uma resposta banal; no entanto, a simples aceitação não é sempre uma reação normal. Frequentemente, as mulheres precisam se armar de argumentos e justificar sua falta de interesse ou de vontade, já que do outro lado são atacadas por insistências e até chantagens emocionais.

Por isso, é tão importante que os homens aprendam a respeitar a decisão das mulheres e que você não se desculpe simplesmente por não ter vontade ou interesse em estar com a pessoa. Você e somente você pode decidir o que quer ou não fazer; portanto, se precisar dizer “não”, diga sem medo.

Pode parecer difícil, especialmente por conta do conservadorismo ainda tão presente em nossa sociedade, mas é a partir de pequenos novos costumes que uma mudança maior pode acontecer. Talvez um dos principais segredos para não se envergonhar, constranger-se, sentir-se mal ou culpada seja justamente tomando consciência de que muitas das coisas esperadas das mulheres são resultados de padrões muito antigos e não se enquadram mais na realidade de muitas de nós.

Quando qualquer uma dessas situações — e tantas outras às quais apenas as mulheres são submetidas — acontecerem com você, lembre-se de que você é tão humana quanto qualquer homem e tem tantos direitos e liberdade quanto eles.

Assuntos: Relacionamentos

Dicas pela Web
Comentários