Chá de 30 ervas: vilão ou mocinho?

Nutricionista explica por que a utilização dos chás que contêm mais de 3 ervas não é indicada

Escrito por Tais Romanelli

Foto: Thinkstock

Provavelmente você já ouviu dizer que o chá de 30 ervas é supereficaz para o emagrecimento, sendo chamado, inclusive, por algumas pessoas de “sibutramina natural”.

Mas, se você ainda não o provou, deve estar se perguntando: a que se deve essa fama? Será que ele é mesmo eficaz?

Abaixo, Fernanda Granja, nutricionista clínica especializada em nutrição funcional, pediatria e fisiologia do exercício, responde a esta e outras questões sobre o chá de 30 ervas.

Ervas presentes nos chás

Fernanda Granja explica que os chás de 30 ervas, e até mesmo os de 7 ervas, não têm um padrão das ervas utilizadas. “Não existe uma fórmula ou até mesmo ervas pré-estabelecidas, podendo mudar de acordo com a marca”, diz.

Porém, ainda de acordo com a nutricionista, as ervas mais utilizadas nestes chás são: cascara sagrada, carqueja, cavalinha, centella asiática, sene, chá verde e erva de bugre.

Abaixo, Fernanda Granja fala sobre as propriedades específicas dessas sete ervas:

Cascara Sagrada: é um potente laxante e normaliza funções do intestino.

Carqueja: atua sobre fígado e intestinos; é hipoglicemiante e diurético; combate problemas digestivos e anemia.

Cavalinha: é anti-inflamatório; auxilia em problemas genitais e menstruações excessivas; limpa secreções de pulmão e sangue; age repondo silício perdido em emagrecimentos.

Centella Asiática: é tonificante; rejuvenesce o cérebro por possuir alcaloide; normatiza a produção de colágeno; é usado para emagrecer e para tratamentos de pele.
Sene: é laxativo e purgativo.

Chá Verde: acelera o metabolismo e possui ação antioxidante.

Erva de Bugre: é diurético; reduz colesterol; diminui inchaço das pernas; estimula circulação e o coração; é útil em doenças da pele.

No caso do chá de 30 ervas, outras ervas que podem estar presentes na composição são, por exemplo:

  • Abacateiro
  • Alcachofra
  • Alecrim
  • Anis estrelado
  • Banchá
  • Batata de purga
  • Boldo chileno
  • Camomila
  • Cana do Brejo
  • Capim cidrão
  • Chá preto
  • Erva doce
  • Espinheira santa
  • Fucus vesiculosus
  • Ginkgo Biloba
  • Graviola
  • Guaçatonga
  • Malva
  • Maracujá
  • Melissa
  • Pau tenente
  • Quebra pedra
  • Unha de gato

E, neste sentido, os chás de 30 ervas prometem, de forma geral, benefícios como acelerar o metabolismo, reduzir o apetite, auxiliar na redução de gordura localizada, ser digestivo, diurético e laxante e muito mais.

Mas, conforme já destacou a nutricionista Fernanda, esses são apenas alguns exemplos de ervas, já que a composição pode mudar de acordo com a marca do chá.

Os chás de 30 ervas podem ser encontrados em lojas que vendem produtos naturais, algumas farmácias e ainda, podem ser encontrados à venda em forma de cápsulas.

Os malefícios desse tipo de chá

Foto: Thinkstock

Vendo a possibilidade de um chá oferecer todos esses benefícios, muita gente se rende a eles. Tomando, muitas vezes, uma quantidade exagerada da bebida por dia. Mas será que o chá de 30 ervas é realmente benéfico?

Fernanda Granja destaca que a utilização dos chás que contêm mais de três ervas não são indicados. “Isso porque as ervas interagem entre si e podem se potencializar ou inibir a ação de seus compostos. Pesquisas afirmam que misturar mais de três ervas em uma infusão é desnecessário já que, a partir disso, o princípio ativo das plantas pode interagir de forma negativa uma com as outras”, explica.

Além disso, de acordo com a nutricionista, o uso indiscriminado de fitoterápicos pode trazer vários malefícios ao organismo, tais como:

  • baixa absorção de vitaminas e minerais, devido ao efeito diurético;
  • queda da pressão sanguínea;
  • pode prejudicar o funcionamento da tireoide;
  • proporcionar cólicas e movimentos intestinais em excesso;
  • ocasionar insônia;
  • desencadear doenças crônicas pelo seu uso contínuo.

Contraindicações

Fernanda Granja destaca que o uso de nenhum chá deve ser contínuo.

“Os chás devem ainda ser evitados por hipertensos, gestantes, lactantes e portadores de doenças crônicas. O ideal é que a pessoa se consulte com um médico antes de consumi-los”, destaca a nutricionista.

Chás realmente benéficos

Foto: Thinkstock

Fernanda Granja destaca que os chás que são bem definidos em estudos, que têm o poder de auxiliar no emagrecimento, são o chá verde e chá branco. “Ambos são potentes antioxidantes, aceleram o metabolismo e são fontes de vitaminas C, K, B1 e B2”, diz.

O consumo do chá verde ou do chá branco, de acordo com a nutricionista, pode auxiliar na redução do processo inflamatório, na prevenção do desenvolvimento de doenças crônicas, além de estimular a perda de peso, devido ao efeito termogênico.

“O chá verde age na inibição da atividade da lípase intestinal, cujo efeito se traduz numa menor absorção de triglicerídeos e colesterol, podendo acarretar em um menor ganho de peso. No entanto, devido à presença dos taninos, substâncias que podem inibir a absorção de nutrientes, é recomendado que este chá seja consumido longe das principais refeições, para que não ocorra esse prejuízo na absorção dos nutrientes, principalmente do ferro. O ideal é que seja tomado uma hora e meia após as refeições. Além disso, pela presença de cafeína, é importante que esses chás sejam evitados à noite ou a partir das 16 horas”, explica a nutricionista.

Ainda de acordo com Fernanda, o consumo ideal de camellia sinenses (planta da qual são feitos os chás verde e branco) para garantir os benefícios das catequinas é de 4 a 5 xícaras ao dia, ou 1 litro por dia. “Recomenda-se tomar o chá da camellia sinenses ao longo do dia, sendo 1 xícara de 200ml de 2 em 2 horas. O benefício de se ingerir o chá verde, bem como diversos outros alimentos funcionais em quantidades fracionadas, é que assim garantimos uma maior eficiência de absorção dos princípios ativos que garantem os benefícios de seu consumo”, destaca.

Os chás podem ser preparados em uma quantidade suficiente para ser ingerido ao longo do dia, explica Fernanda Granja. “Porém, é importante lembrar que ele nunca deve ser reaquecido. Caso a preferência seja de seu consumo quente, é interessante que ele seja consumido, então, logo após o seu preparo. Não é indicado ainda que seja adoçado, pois pode alterar as propriedades do chá”, finaliza a nutricionista.

Com todas as dicas, fica a dúvida: será que, apesar de todos os benefícios prometidos, mas levando em conta também os malefícios que esse tipo de chá pode oferecer, vale mesmo a pena aderir aos chás de 30 ervas?

Caso decida provar esse tipo de chá, lembre-se que ele pode oferecer efeitos colaterais e, por isso, converse com seu médico e/ou nutricionista antes disso.

Assuntos: Alimentação

Dicas pela Web