Câncer bucal: sintomas, diagnóstico, prevenção e tratamento

Saiba como evitar essa doença e conheça o processo de diagnóstico e tratamento

Escrito por Giselle Coutinho

Foto: Thinkstock

O câncer bucal é o desenvolvimento anormal de células que geralmente ocorre nos lábios, principalmente no lábio inferior, em toda a região de mucosa dentro da boca, na parte posterior da garganta, nas amígdalas ou nas glândulas salivares.

Este tipo de doença costuma atingir mais usualmente pessoas com mais de 40 anos de idade e que costumam expor-se a fatores de risco como o hábito de fumar ou mascar tabaco, responsáveis por 80 a 90% dos casos, e o excesso de consumo de bebida alcóolica.

O diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento e, para tal, é fundamental fazer consultas regulares com um dentista, pois ele é um profissional adequadamente treinado para identificar alterações que para nós são imperceptíveis e podem ser graves.

Muitas pessoas não consideram a análise odontológica frequente importante e, não sendo capazes de reconhecer os sintomas com rapidez, acabam por agravar o quadro da doença e diminuir as chances de tratamento.

Por conta deste diagnóstico tardio, 50% das pessoas atingidas pelo câncer de boca têm uma taxa de sobrevivência de até cinco anos.

Sintomas do câncer de boca

  • Ferida nos lábios, gengiva ou no interior da boca, que sangra facilmente e não cicatriza;
  • Um caroço ou inchaço na bochecha que você sente ao passar a língua;
  • Perda de sensibilidade ou sensação de dormência em qualquer parte da boca;
  • Manchas brancas ou vermelhas na gengiva, língua ou qualquer outra parte da boca;
  • Dificuldade para mastigar ou para engolir;
  • Dor sem razão aparente ou sensação de ter algo preso na garganta;
  • Mudança na voz.

Diagnóstico do câncer oral

O dentista examina detalhadamente a porção interna da boca procurando por lesões esbranquiçadas ou avermelhadas. Se identificar alguma anormalidade ele retirar com raspagem algumas células e enviar para um laboratório fazer a análise em um microscópio para verificar se é maligno ou benigno.

Um exame de endoscopia pode ser recomendado também para verificar se o tumor se espalhou pelo sistema digestivo.

Tratamento do câncer bucal

Se identificado que o tumor bucal é benigno, o paciente deverá fazer visitas e exames regulares para vigiar se não vai haver a malignização. Caso seja maligno, uma cirurgia para retirada do câncer será feita por uma equipe de profissionais da saúde, incluindo um cirurgião dentista e um oncologista.

Depois da cirurgia o paciente deverá passar por um tratamento de tratamento de radioterapia ou quimioterapia.

Caso faça a radioterapia, o paciente terá alguns efeitos colaterais, pois a radiação irá sensibilizar a região, provocando irritação, ressecamento, dificuldade de deglutir, perda do paladar e suscetibilidade à cáries.

Para amenizar o sofrimento pós radioterapia deve-se manter o acompanhamento com um dentista e um oncologista e adotar rotinas como usar uma escova de dentes macia depois das refeições e fio dental diariamente, evitar condimentos, açúcar e alimentos ásperos como vegetais crus, nozes e biscoitos secos, não fumar nem consumir bebidas alcoólicas.

Prevenção

Para prevenir-se do câncer bucal, Dr. Sérgio Dias, dentista, indica: “Não fume nenhum tipo de cigarro, não masque tabaco, evite as bebidas alcoólicas, principalmente cervejas e destilados, mantenha uma alimentação rica em fibras, lembre-se de proteger os lábios com protetor solar, fique atenta às lesões na boca e visite regularmente seu dentista se quiser fugir da possibilidade de desenvolver um câncer bucal.”.

Dicas pela Web