Cabeleireira transforma visual de cliente com depressão profunda

A cabeleireira deu uma lição de empatia ao perceber o quanto seria importante para essa cliente se sentir ela mesma novamente

Escrito por

Foto: iStock

Continua após o anúncio

As doenças da mente, tais como a depressão, a ansiedade e a bipolaridade, estão ganhando mais destaque nos meios de comunicação, e com isso a nossa consciência sobre elas está aumentando dia após dia.

Hoje, a ciência sabe que as doenças mentais não dependem da vontade da pessoa e são tão verdadeiras quanto as doenças físicas, embora esse conceito ainda não esteja completamente difundido entre a população leiga.

Às vezes, algumas pessoas não são capazes de reconhecer os sintomas de uma doença psíquica e acabam atribuindo julgamentos errôneos aos pacientes, considerando-os preguiçosos ou achando que eles apenas querem chamar atenção.

Felizmente, esse não foi o caso de Kate Langman, uma cabeleireira de um salão de beleza no estado de Wisconsin, nos Estados Unidos, que reconheceu sinais de depressão em uma cliente e proporcionou momentos valiosos para ela, relatados no Facebook de Kate.

Seis meses sem sair da cama

Cabeleireira Kate Langman – Foto: Facebook/Kate Langman

A história de empatia começou quando Kate reparou em uma cliente que entrou no salão e começou a olhar todos os produtos para cabelo que estavam na prateleira. A cabeleireira resolveu se aproximar da cliente para verificar se ela precisava de ajuda.

Leia também: 10 calmantes naturais que ajudam a tratar a ansiedade, insônia e até depressão

As duas começaram a conversar e Kate logo ficou sabendo que a cliente sofria com depressão profunda – tanto que ela havia passado seis meses na cama por causa da doença. Uma das consequências disso foi que a mulher negligenciou totalmente os cuidados com os cabelos, deixando de lavá-los e penteá-los.

Ela havia feito um coque com os fios e, com o passar do tempo, ele se tornou um grande nó. “Parecia que ela tinha uma pedra na parte de trás da cabeça”, escreveu Kate em seu post no Facebook.

Continua após o anúncio

Ao saber da história da cliente, Kate se ofereceu para ajeitar seu cabelo, marcando um horário para o dia seguinte – afinal, ela sabia que a mulher iria gastar centenas de dólares levando tantos produtos e eles não teriam o efeito desejado. No outro dia, porém, a mulher não apareceu. Duas semanas depois, a cliente ligou para marcar um novo horário – e ela faltou de novo. “Fiquei com o coração partido. Eu queria muito ajudá-la”, contou Kate.

Felizmente, cerca de um mês depois, a cliente voltou ao salão e perguntou se Kate poderia arrumar seu cabelo naquele dia mesmo, quando ela finalmente havia conseguido sair da cama de novo. A cabeleireira aceitou.

Oito horas e meia de trabalho

Antes e depois – Foto: Facebook/Kate Langman

“Eu não me importava se trabalharia até tarde. Eu queria ter certeza de que ela fosse vem cuidada”, escreveu Kate em seu post. A primeira solução normalmente oferecida para o caso dessa cliente seria simplesmente cortar seu cabelo bem curto, porém a mulher disse que gostaria de mantê-lo comprido se fosse possível.

Leia também: Ansiedade: até que ponto é aceitável?

Mesmo que a tarefa não parecesse nada fácil, Kate resolveu encará-la e trabalhou por oito horas e meia no cabelo dessa cliente: 4 horas e meia para lavar e desembaraçar, 3 horas para colorir e meia hora para cortar. O resultado foram fios desembaraçados, hidratados e com um belíssimo ombré rosa-avermelhado.

“Quando terminei, eu podia vez o brilho em seus olhos e também vi suas bochechas ficarem cor-de-rosa pela alegria de não apenas poder passar seus dedos pelos cabelos, mas também por se sentir ela mesma de novo”, contou a cabeleireira. “Eu mudei a vida de alguém hoje. E eu nunca vou me esquecer disso. EU AMO A MINHA PROFISSÃO!”, completou Kate.

A cliente, por sua vez, compartilhou o post da cabeleireira em seu próprio perfil e a agradeceu por lhe dar a coragem que ela precisava para tentar e mudar sua vida. “Obrigada do fundo do meu coração. Você me salvou e me ajudou a voltar da beirada do precipício onde eu estava. Você sempre terá a minha gratidão”, escreveu ela.

Para você