8 coisas que uma mulher grávida pode fazer

Tire de uma vez por todas as suas dúvidas e saiba o que é seguro para a mãe e para o bebê, segundo os especialistas

Escrito por Tais Romanelli

Foto: Thinkstock

A gravidez é uma fase mágica na vida da mulher. Mas, por ser um período que inspira cuidados, costuma gerar muitas dúvidas – das mais simples, como, por exemplo, “grávida pode pintar os cabelos?”; até as mais complexas, como “em que período da gestação a mulher grávida pode viajar de avião?”.

Vale ressaltar, porém, que, embora o período exija cuidados, é possível que a gestante mantenha uma rotina sem muitas restrições. Abaixo, por exemplo, você confere uma lista com oito coisas que uma mulher grávida pode fazer. Confira:

1. Fazer depilação

A maioria das mulheres não vive sem depilação, não é mesmo? E a boa notícia é que as grávidas podem, sim, continuar se depilando durante a gestação – isso é, da forma tradicional, com cera, já que sua composição não traz nenhum risco para o bebê.

Mas, vale destacar, é normal a mulher sentir um desconforto maior ao se depilar, principalmente na região da virilha. “A chance de encravar os pelos é bem maior (já que a pele fica mais grossa), e a dor também é bem maior nesta fase, devido ao aumento da sensibilidade local”, explica Alessandra Bedin, ginecologista do Hospital Israelita Albert Einstein.

Já a depilação a laser deve ser evitada nesta fase. Por isso, o mais indicado é continuar usando o método com cera – que deve ser morna, e não quente.

2. Exercitar-se

Engana-se quem pensa que uma mulher grávida deve ficar o tempo todo “descansando”, evitando se movimentar. Claro, o repouso é necessário em casos de gravidez de risco ou ainda, se essas forem as orientações médicas (já que cada gestante tem suas particularidades).

Porém, de forma geral, em uma gravidez que corre bem, a mulher pode e deve se exercitar, conforme destaca a ginecologista Alessandra Bedin. “É preciso evitar apenas a sobrecarga cardiovascular excessiva e exercícios de risco de trauma ou de impacto articular”, explica.

Por isso, embora as atividades físicas sejam super-recomendadas durante a gestação, é muito importante que a mulher converse com seu médico a respeito do tipo de exercício que pretende/deve praticar.

3. Fazer sexo

Muitas pessoas acreditam que a mulher que está grávida não pode/deve fazer sexo. Alessandra Bedin explica, porém, que se a gravidez for de baixo risco, o sexo é normal. “Apenas talvez fique um pouco mais sensível”, diz.

Keila Oliveira, psicóloga, sexóloga e terapeuta sexual, acrescenta que o sexo durante a gravidez deixa o casal mais próximo, faz bem para a saúde e exatamente por isso é tão recomendado.

Segundo a terapeuta sexual Keila, algumas mulheres até relatam sentirem mais disposição e prazer durante a gestação.

4. Dormir de bruços

Alessandra Bedin destaca que a mulher grávida pode dormir de bruços desde que a barriga ou a coluna não a incomodem.

Isso porque, não há contraindicações em dormir de barriga para baixo. Se a gestante se sentir confortável, tudo bem! O único problema é que, a partir do quarto mês de gestação, o volume abdominal aumenta bastante e a tendência é de que a posição se torne um tanto desconfortável.

A partir daí, o ideal é que a mulher adote a posição lateral esquerda, com a perna esquerda esticada e a direita dobrada para dormir.

Para aumentar o conforto, uma dica é usar um travesseiro pequeno entre as pernas e um grande para apoiar a barriga. Dessa maneira, ela tira o peso da barriga, melhora a circulação sanguínea, mantém a coluna alinhada e previne dores musculares.

5. Entrar no mar e na piscina

A praia está liberada para as futuras mamães. O banho de mar ajuda a relaxar e promove sensação de bem-estar. Alessandra Bedin destaca, porém, que elas só precisam ter cuidado com o equilíbrio e com ondas fortes. Devem evitar o impacto da água sobre o ventre e preferir locais mais tranquilos.

“Também é necessário se proteger conta o sol”, lembra a médica.

Outra recomendação para as gestantes que vão à praia e/ou à piscina é não permanecer com roupas úmidas por muito tempo, para evitar a candidíase, problema bastante comum na gravidez.

Não há contraindicações em relação a piscinas. Mas também é necessário se proteger contra o sol nesse caso. “Mas a água é excelente exercício, pois alivia o peso da barriga sobre a coluna”, acrescenta a ginecologista Alessandra.

6. Viajar de avião

Alessandra Bedin explica que a mulher grávida pode viajar de avião, desde que tenha uma gestação de baixo risco. “Se forem viagens longas, são necessários: o uso de meia elástica, hidratação em abundância e levantar-se a cada uma hora aproximadamente, para melhorar a circulação”, diz.

“Em casos de risco um pouco maior, muitas vezes acabamos usando algum tipo de anticoagulante”, acrescenta a médica.

Ainda de acordo com a ginecologista, as companhias aéreas exigem, entre a 20ª e 36ª semanas, uma carta do médico autorizando a viagem. Antes de 20 semanas, nada é necessário. “Após 36 semanas, a viagem de avião só é possível se o médico estiver junto com a gestante”, destaca Alessandra Bedin.

7. Passar tintura nos cabelos

Embora esta seja uma prrocupação comum entre as mulheres grávidas, Alessandra Bedin explica que a gestante pode usar tintura sem amônia nos cabelos (tonalizante) a partir da 14ª semana.

8. Tomar anestesia

De forma geral, gestantes podem, sim, tomar anestesia para tratamentos dentários. Isso porque a maioria dos anestésicos locais usados pelos dentistas é segura para mulheres grávidas. Mas, claro, é necessário informar ao dentista sobre a gravidez o quanto antes (caso ela ainda não seja aparente).

A mulher grávida pode trabalhar até o final da gestação?

Foto: Thinkstock

Esta é outra dúvida comum. A maioria das mulheres se questiona até que momento da gravidez poderá continuar trabalhando normalmente.

Alessandra Bedin explica que se a gestante tem um trabalho que exige pouco esforço físico, ela poderá trabalhar provavelmente até o último dia da gestação. “A questão é o desconforto do deslocamento até o trabalho, e dores na coluna principalmente”, diz.

Dessa forma, não é possível generalizar. Cada gestante deverá observar suas necessidades, dificuldades e conversar com seu(ua) ginecologista – para que juntos possam avaliar até que momento da gestação é mais indicado que ela continue trabalhando.

O que uma grávida não pode fazer

Foto: Thinkstock

Abaixo você confere uma lista com coisas que as grávidas não podem ou devem evitar fazer:

1. Depilação a laser. A ginecologista Alessandra Bedin explica que a chance de manchas fica muito maior nesta fase. O ideal é esperar seis meses após o parto para continuar ou começar o tratamento de depilação a laser. Durante a gestação, o mais indicado é continuar usando o método com cera.

2. Tomar bebidas alcoólicas em excesso. Alessandra Bedin destaca que pequenas quantidades (um brinde, por exemplo) não são proibidas. Mas não há um número de doses seguro. Então, o melhor é evitar, sem neurose. Sucos de frutas naturais e drinques sem álcool são boas alternativas para esta fase.

3. Comer alimento cru. É bom evitar comer coisas cruas ou de qualidade duvidosa. A mulher grávida deve dar preferência a alimentos preparados em casa, com o máximo de higiene, e/ou em lugares de sua total confiança. No caso das mulheres que apreciam bastante a culinária japonesa, uma alternativa é variar um pouco, conhecendo melhor a culinária de outros locais.

4. Beber café em excesso. A gravidez não impede que a mulher aprecie uma boa xícara de café, mas desde que sem exageros. O consumo moderado de cafeína não traz riscos ao bebê, mas em quantidades elevadas – acima de 300mg ao dia – pode causar complicações. Se gostar muito de café, escolha um período do dia para tomá-lo (por exemplo, depois do almoço) e em outros momentos opte por um suco natural, por exemplo, ou até mesmo por um copo de água.

5. Exagerar no consumo de doces e massas. A ginecologista Alessandra Bedin destaca que é hora de escolher bem os alimentos, sem exagerar na quantidade e, sim, abusar da qualidade. Não podem faltar leguminosas, cereais, hortaliças, frutas, entre outros grupos de alimentos na alimentação da mulher grávida. E por isso uma dica muito importante é contar também com o acompanhamento de uma nutricionista nesta fase.

6. Visitar um(a) amigo (a)doente. Se o problema for contagioso ou a pessoa estiver internada, não é recomendado que a mulher grávida faça a visita. O mais indicado é telefonar ou mandar um e-mail ao amigo desejando melhoras e explicando a situação.

Por fim, a ginecologista Alessandra Bedin destaca que a mulher grávida não deve deixar de fazer seu pré-natal e tirar todas as suas dúvidas com seu médico ou com o médico assistente. “Dependendo do caso, praticamente tudo é permitido, desde que com moderação”, finaliza.

Esses são apenas alguns exemplos do que uma mulher grávida pode ou não pode fazer. Vale ressaltar que cada gestação tem suas particularidades e, por isso, é fundamental estar sempre em contato com seu médico para esclarecer qualquer tipo de dúvida.

Assuntos: Gravidez

Para você