Saiba o que é a bulimia e veja como lidar com o problema

Entenda o que se passa com alguém que sofre com esta doença

Atualizado em 16/07/2012 9:57
bulimia Saiba o que é a bulimia e veja como lidar com o problema

Foto: Thinkstock

Com o fortalecimento do culto ao corpo magro, os transtornos alimentares estão aparecendo com uma frequência alta e tem despertado a atenção dos profissionais da área da saúde.

Na bulimia nervosa a ingestão exacerbada de comida em um curto período de tempo é uns dos sinais que chamam a atenção, sendo que cada vez que uma pessoa se descontrola, ela ingere cerca de 2.000 a 5.000 calorias por episódio, sempre acompanhado pela sensação de completa perda de controle, com sentimentos de culpa e vergonha.

Podemos afirmar que na grande maioria das vezes esses episódios vêm acompanhados de métodos compensatórios de purgação como: vômitos auto induzidos, uso de laxantes ou diuréticos, enemas, exercícios físicos extenuantes e jejuns prolongados.

Vários fatores podem disparar um episódio de voracidade como esse, mas um que nos chama a atenção são os períodos de jejum prolongados ou dieta muito restritiva, o que gera a perda de controle, e normalmente os familiares não tem a percepção do que está ocorrendo.

Abaixo estão listados alguns comportamentos que levam a detectar a bulimia:

  • Humor depressivo;
  • Preocupação excessiva com o peso e corpo;
  • Comer em excesso quando se sente angustiado;
  • Dieta restritiva seguida de episódios de compulsão;
  • Ter compulsões com alimentos calóricos e com doces;
  • Sentir e expressar culpa ou vergonha por sua compulsão;
  • Utilização de laxantes e vômitos para controle do peso;
  • Após as refeições, usar o banheiro para seus vômitos secretos;
  • Manter em segredo esses vômitos e as compulsões;
  • Planejar as compulsões e as oportunidades para a realização;
  • Sensação de perda de controle e desaparecimento após a refeição.

O ciclo de comer e tentar compensar seja com os vômitos auto induzidos, com o uso de laxantes, diuréticos ou a prática de exercícios extenuantes, se torna uma rotina que não traz resultados interessantes, levando as pessoas que utilizam esses recursos a sentirem-se frustradas, humilhadas e, com isso, acabam recomeçando todo o ciclo novamente.

A bulimia se caracteriza tanto pela ingestão exagerada de alimentos, como períodos de restrição (o famoso jejum prolongado), este último sendo disparador e mantenedor de episódios de voracidade, e geralmente podem ser alimentos ricos em gorduras e carboidratos.

Outro aspecto importante é a voracidade que apresenta nas suas relações interpessoais, pela necessidade que sentem de obterem afeto, atenção, carinho. Porém, em outros momentos, preferem o distanciamento, que mostra a mesma dinâmica do comer e vomitar.

Importante esclarecer que esta doença também pode levar ao óbito. Mesmo que a porcentagem seja baixa, várias situações estão envolvidas nesse processo, como o suicídio, pneumonia combinada com problemas cardíacos, reação hipertensiva decorrente da ingestão medicamentosa e o peso corpóreo.

Mas a mudança de hábitos alimentares está presente na bulimia e um dos sinais mais visíveis são as idas frequentes ao banheiro. Os pais precisam estar atentos aos hábitos alimentares dos filhos e ao comportamento pós-refeição.

Após desconfiarem que sua filha(o) pode estar com essa doença, o recurso é procurar profissionais especializados para o atendimento. Sempre é importante cuidar dessas situações, pois muitos pais não acreditam que seus filhos podem estar doentes ou mesmo desprezam os sinais na tentativa de não encarar a situação.

Uma equipe de profissionais especializados pode auxiliar nesse processo, como o psicólogo que irá junto com o paciente trabalhar a imagem corporal, e os gatilhos que a levaram utilizar a bulimia como recurso para perda de peso; o psiquiatra que irá medicar de acordo com o histórico e queixas apresentadas; o nutricionista que prescreverá uma dieta equilibrada e adequada para cada caso.