Ronco infantil e suas consequências

Quais as causas, consequências e tratamentos para o problema

Por Carolina Werneck
ronco infantil e suas consequencias Ronco infantil e suas consequências

Foto: Thinkstock

Distúrbios do sono são graves e devem ser tratados com atenção em qualquer idade mas, quando são detectados em crianças, as consequências podem ser determinantes em seu desenvolvimento.

Causas

O ronco infantil pode ser causado por inúmeros fatores. Destes, os principais são hipertrofia da amídala, agravamento de quadros de adenoide, desvio de septo (má formação no canal interno do nariz) e alergias diversas. Além disso, o uso de chupeta ou o hábito de chupar o dedo podem alterar a arcada dentária, ocasionando o ronco.

Sintomas

Uma vez que a criança em geral não associa o cansaço a problemas enfrentados durante a noite, é necessário que os pais estejam atentos aos sinais. Se, enquanto dorme, a criança apresenta um ritmo respiratório pesado, pode ser que não esteja descansando de maneira adequada. Roncar é natural, principalmente quando a criança se encontra mais cansada. No entanto, se essa situação se repete com frequência, é indicado procurar um especialista.

Consequências

O ronco pode acarretar queda no rendimento escolar e problemas no desenvolvimento infantil, já que prejudica a capacidade de absorção de informações, atribuídos a longos períodos de baixa qualidade do sono. Especialistas garantem que o ato de roncar também pode levar a criança a distúrbios de comportamento, tais como agressividade e mudanças de humor.

Os pais, em geral, confundem o ronco com um sono profundo, e acabam julgando que a criança esteja descansando bem. De acordo com a dentista Rejane Silveira Franco, “na verdade não é bem isso que está acontecendo. Enquanto a criança está roncando e tendo dificuldades para respirar direito, o descanso fica comprometido, bem como a retenção de informações aprendidas ao longo do dia. As consequências podem ser a variação de humor, irritabilidade, hiperatividade, cansaço sem motivo aparente, problema na arcada dentária e até mesmo na formação craniofacial”.

Outra consequência do ronco e da falta de descanso adequado é a obesidade. Uma vez que, durante a noite, o corpo não consegue repor todas as energias de que necessita, a criança acaba comendo em excesso, numa tentativa inconsciente de buscar outras fontes de energia.

Como tratar

Os especialistas responsáveis por detectar os distúrbios do sono nas crianças são o pediatra e o otorrinolaringologista. Caso os pais percebam algum sintoma, a primeira providência a tomar é procurar um dos dois. O tratamento, no entanto, pode envolver profissionais de outras áreas, como dentistas e fonoaudiólogos.

O diagnóstico é feito através de um exame chamado nasolaringofibroscopia, em que uma câmera é introduzida pelo nariz para identificar as causas do ronco. Mesmo aparentando o contrário, o exame é indolor, além de ser totalmente eficaz.

Segundo Rejane, os primeiros sintomas a serem tratados devem ser a adenoide, os problemas com as amídalas e a obesidade. Posteriormente virá o tratamento contra possíveis alergias. Alimentação e prática de exercícios também estão entre as recomendações.

Fique atenta ao seu filho. Garantir a ele um sono de qualidade evita uma série de consequências negativas em seu desenvolvimento.