Proteja seu filho da catapora

Conhecida cientificamente por varicela, a doença causa pintas avermelhadas por todo corpo

Por Gisele Macedo Sá
Atualizado em 10/05/2013 11:44
proteja seu filho da catapora Proteja seu filho da catapora

Foto: Thinkstock

Uma doença que vem acompanhada de pintinhas vermelhas por todo o corpo da criança e que, muitas vezes, causam coceira. Se você pensou em catapora, está correto. A doença é muito comum, e se você não teve na infância, certamente conheceu alguém que foi infectado e ficou todo pintadinho. Apesar de benigna, a catapora causa muito incômodo e é altamente transmissível.

O pediatra do Departamento Científico de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Paulo César Guimarães, explica “que a catapora é uma doença infectocontagiosa causada pelo vírus varicela-zóster (VZ).” Por isso a doença é conhecida cientificamente por varicela. As marcas avermelhadas na pele são um dos sintomas da catapora, porém antes delas surgirem os pais podem observar outros problemas apresentados pelas crianças. “Inicialmente o paciente com catapora apresenta febre e dores muscular, o que pode facilmente ser confundido com o diagnóstico de uma gripe”, alerta o pediatra.

As lesões costumam surgir primeiro no couro cabeludo e depois se disseminam em direção ao centro do corpo, podendo chegar também a locais como as mucosas da boca. O pediatra explica que as lesões apresentam estágios diferentes durante a doença, são eles: a mácula; quando se tem um ponto vermelho, a pápula; quando se consegue sentir esse ponto, a vesícula; quando se forma uma bola pequena, a pústula; quando a lesão se enche de cheia de pus e por fim a crosta; uma casca que se forma em cima da lesão.

Tratamento, Cuidados e Prevenção

O tratamento contra a catapora é basicamente sintomático, ou seja, tem o intuito de combater os sintomas. São usadas substâncias para diminuir a coceira, sabonete antisséptico para prevenir uma infecção secundária e antitérmico para combater a febre. Mas lembre-se: só um médico está apto a fornecer os subsídios para a medicação. Nada de medicar seu filho sem orientação profissional.

Mas o cuidado maior deve ser em proteger a criança contra uma contaminação bacteriana da pele. “As lesões não podem infeccionar e a mãe deve manter as unhas da criança sempre limpa, para evitar o contato do vírus com a boca do paciente. Neste caso pode ocorrer um problema maior como uma doença renal”, explica o especialista.

Como o a varicela é extremamente transmissível, a prevenção acontece com o cuidado no contato com o paciente infectado. A transmissão é feita através das secreções das lesões ou por espirros e tosses. Mas fique atento, mesmo depois de secas as marcas vermelhas podem ainda disseminar o vírus. A recomendação neste caso é de repouso total durante pelo menos sete dias.

A boa notícia é que já existe uma vacina para prevenir a doença. Ela geralmente é aplicada no bebê, entre 9 e 12 meses de idade. Depois de ter tido a doença, o paciente cria também uma imunidade contra o vírus e dificilmente volta a ter catapora.

A varicela é muito comum nas crianças, mas o pediatra explica que adultos também correm risco de contrair a catapora. “Se um adulto nunca tomou a vacina e não teve a doença ele estará predisposto a se infectar caso tenha contato com algum doente de catapora”, finaliza o pediatra e infectologista.