Novidade! Baixe nosso app em seu smartphone Android iPhone

Dicas de Mulher Dicas de Saúde

Pílula do dia seguinte: como usar, dicas, funcionamento e preços

Tire todas as suas dúvidas a respeito deste contraceptivo de emergência

em 19/02/2014

Apesar do uso da pílula do dia seguinte ser mais comum do que deveria, é preciso tomar certas precauções quanto à sua administração e recorrer à ela somente em situações de real emergência. Em vista disso, selecionamos informações importantes a respeito deste método contraceptivo de emergência para que você saiba exatamente quando é a hora de usá-lo e como isso deve ser feito, confira.

Como a pílula do dia seguinte funciona

O mecanismo de ação do levonorgestrel (pílula do dia seguinte ou anticoncepção de emergência) pode ser variável, pois depende da fase do ciclo menstrual.

Segundo o Ministério da Saúde, basicamente, a ação dele pode se dar por meio de: inibição ou retardo da ovulação; por dificultar o ingresso do espermatozoide no útero; ou por alterar a passagem do óvulo ou espermatozoide pelas trompas, ou seja, ele impede a fecundação antes da implantação.

Dessa forma, se a fecundação já tiver ocorrido (união do espermatozoide com o óvulo), a medicação não terá mais o efeito desejado.

A pílula do dia seguinte apresenta índices de falha de 0,4% quando ingerida entre 0 e 24 horas, 1,2% entre 25 e 48 horas e de 2,7% entre 49 e 72 horas. Assim, a utilização não pode ser tardia porque a eficácia diminui se for usado após as primeiras 24 horas.

É necessário lembrar que o uso repetitivo da pílula do dia seguinte pode comprometer sua eficácia. Portanto, se for utilizada com frequência pode ser ainda menos eficaz que os métodos anticoncepcionais de rotina.

Como usar a pílula do dia seguinte da maneira correta

A forma clássica de se tomar a pílula do dia seguinte é 1 comprimido (de levonorgestrel 0,75 mg) o mais rápido possível, não ultrapassando mais do que 72 horas após a relação desprotegida. O segundo comprimido deve ser ingerido 12 horas após a primeira dose. É importante ressaltar que se houver vômito dentro de 2 horas após a ingestão do comprimido, deve-se repetir a dose.

O contraceptivo de emergência é recomendado para situações especiais e excepcionais. Por isso, ele é indicado apenas nas seguintes situações:

  • Nenhum método contraceptivo foi usado;
  • Ruptura, deslizamento ou emprego incorreto do preservativo;
  • Deslocamento do diafragma;
  • Contraceptivo oral regular tomado de forma inadequada;
  • Atraso na data do injetável mensal;
  • Cálculo incorreto do período fértil;
  • Falha na interrupção do coito;
  • Erro no período de abstinência;
  • Expulsão do DIU;
  • Casos de estupro.

Com isso, fica claro que a anticoncepção de emergência não deve ser usada de forma planejada ou substituir um método contraceptivo de rotina.

É válido ressaltar também que a pílula do dia seguinte só é vendida com apresentação de receita médica. Sendo assim, é imprescindível procurar um médico para orientá-la. Além disso, o farmacêutico pode auxiliá-la e solucionar as dúvidas.

A principal contra-indicação do contraceptivo de emergência é a gravidez. Por isso, não se deve usá-la se houver uma gravidez confirmada ou se houver uma suspeita e recomenda-se o diagnóstico rápido antes da administração. Mulheres com histórico de acidente vascular cerebral, tromboembolismo, enxaqueca severa, asma, diabetes com complicações vasculares, hipertensão, distúrbios lipídicos, insuficiência renal, epilepsia e estado depressivo severo devem ser observadas durante o tratamento.

Dicas úteis sobre pílula do dia seguinte

Vale lembrar que ele é um método contraceptivo de emergência e não deve ser usado freqüentemente, ou seja, não substitui os contraceptivos usados rotineiramente. Além disso, ele não protege contra doenças sexualmente transmissíveis.

É importante saber também que a utilização dele só protege da relação que aconteceu antes de ter tomada a pílula, ou seja, não protegerá a mulher nas relações sexuais posteriores.

Dessa forma, deve-se utilizar um método de barreira até a próxima menstruação, e após, se indicado, iniciar um método anticoncepcional de rotina sugerido pelo médico.

Náuseas e vômitos são as suas principais reações adversas da pílula do dia seguinte. Cefaleia, tontura, sensibilidade das mamas e retenção de líquido podem ocorrer, mas com menos freqüência.

A maioria das mulheres apresenta pouca ou praticamente nenhuma alteração significativa no ciclo menstrual. Além disso, a pílula do dia seguinte não provoca sangramento imediatamente após o uso. Porém, o uso repetitivo ou freqüente pode acentuar transtornos menstruais e dificultar o reconhecimento das fases do ciclo e do período fértil.

Preço médio das pílulas do dia seguinte mais vendidas

  • Diad: R$17,60
  • Pilem: R$22,00
  • Poslov: R$19,60
  • Postinor 2: R$24,41
  • Prevyol-2: R$19,60
  • Previdez 2: R$20,40

Portanto, antes de se automedicar procure um médico e evite colocar sua saúde em risco. E não se esqueça de que a pílula do dia seguinte deve ser usada apenas em situações de emergência.

Fonte: BRASIL, Ministério da Saúde. Anticoncepção de emergência: Perguntas e respostas para profissionais da saúde. 1ª Ed. Caderno 3. Brasília: Ministério da Saúde, 2005, 20 p.

Receba nossas melhores dicas diretamente em seu e-mail

Assine nossa newsletter para receber nossas novidades sobre os assuntos do momento.

Nós odiamos spam. Nunca usaremos seu e-mail para outros fins.

Comentários
Dicas relacionadas