O prazer de comer no inverno pode ser desencadeado pelo emocional

Manter o comportamento magro mesmo nos dias frios é essencial para manter a saúde e a boa forma

Atualizado em 22/06/2012 15:06

o prazer de comer no inverno O prazer de comer no inverno pode ser desencadeado pelo emocional

Está chegando o frio, e nessa época sentimos a necessidade de comer alimentos mais pesados, mas também mais calóricos. Acabamos nos aproveitando desse momento para comermos mais, e as roupas acabam escondendo o corpo e muitas pessoas relaxam pensando que depois irão procurar uma forma de perderem esse peso acumulado.

Percebo que o que acontece é que a comida aqui entra como forma de conforto, para nos aquecer, seja de forma a esquentar mesmo como um leite quente, as sopas, mas também a alma, com os capuccinos, o famoso fondue, as pizzas.

Será mesmo que precisamos aumentar a ingestão calórica no inverno? Vejo que continuamos no mesmo ritmo, ou até pode ser que desaceleramos, mas de qualquer forma, vamos nos movimentar e desta forma queimamos gordura.

Passar pela estação mais fria do ano nos remete muito a reflexão, ficamos mais introspectivos, gostamos de ficar deitados no sofá debaixo de uma coberta, um filme gostoso, e podemos parar para pensar se também não ficamos mais ociosos, podemos nos sentir solitários e a comida vem de forma perfeita a preencher esse momento.

É de fundamental importância pensar que o inverno vai embora, e depois como as festas de fim de ano, casamento, páscoa, o momento passa, e o que se comeu fica, em forma de gordura no corpo, trazendo junto a insatisfação quando nos olhamos no espelho, ou voltamos a usar as roupas que ficaram no armário.

Podemos continuar a nos comportar de maneira magra nesse período, escolhendo alimentos saudáveis e buscando orientação na nutricionista, que é o profissional habilitado para nos auxiliar nessas mudanças que interferem em nosso organismo.

Se pararmos para refletir vamos chegar a conclusão de que precisamos cuidar do que comemos o tempo todo, claro que também podemos ingerir alimentos que nos trazem satisfação, tanto no inverno quanto no verão, porém sempre de forma fracionada, cuidando do que ingerimos no todo.

Carregamos o peso do que ingerimos, afetando nossa autoestima, trazendo novamente a sensação de impotência em função do nosso descontrole, ou melhor, da nossa falta de cuidados conosco mesmos.

E o ciclo do efeito sanfona novamente entra em cena, temos que buscar uma forma assertiva de perder o que ganhamos com nossas gulodices, e nem sempre esse caminho de volta é rápido e fácil.

A busca pela academia para quem deixou de malhar nesse período recomeça, e a preguiça, a protelação, tudo nos remete a ficar estagnados, porém temos que escolher um caminho. Os profissionais que trabalham nessa área novamente são requisitados, e junto aos novos pacientes, chega a urgência em perder peso, como se magicamente tudo pudesse mudar de forma rápida.

Infelizmente queimar calorias não é um processo rápido, ou mesmo nem todas pessoas respondem com a mesma facilidade de outras, pois cada metabolismo funciona de uma forma individual.

Entra nesse momento a paciência e a compreensão de que o ideal é que se recomece todo o processo, de forma gradual, onde retomamos os comportamentos magros, escolhendo agora os alimentos adequados, a prática de atividade física que agrada, que é prazerosa, além de poder cuidar das emoções que frequentemente nos levam a comportamentos de autossabotagem.