Dicas de Mulher Dicas de Saúde

Joanete: o que é, causas, sintomas e tratamento

Trata-se de um conjunto de deformidades que atinge primeiramente o dedão do pé

em 16/10/2014

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Joanete é o nome popular do hálux valgo, uma deformidade que o pé pode adquirir e que é caracterizada principalmente pelo desvio da ponta do “dedão” (hálux) em direção aos outros dedos, favorecendo o surgimento de uma espécie de “caroço/calo” na extremidade externa desse dedo.

Roberto Ranzini, ortopedista e médico do esporte, membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), médico do Corpo Clínico do Hospital Israelita Albert Einstein e do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, destaca que o joanete trata-se de um conjunto de deformidades que atinge primeiramente o hálux (“dedão”). “É um problema progressivo e promove um desequilíbrio biomecânico de todo pé, geralmente evoluindo para quadro doloroso incapacitante”, diz.

Ainda de acordo com o ortopedista, a primeira deformidade é um desvio do “dedão” (valgismo) seguida de um aumento do volume da articulação metatarsofalangeana do hálux.

Ranzini destaca que o joanete pode acometer ambos os sexos, mas é muito mais prevalente nas mulheres.

Sintomas do joanete

Lucas Leite, ortopedista do Hospital São Luiz Morumbi, explica quais são os sintomas do hálux valgo, mais conhecido como joanete:

  • Mudança de posição do “dedão”, formando um “caroço/calo” na extremidade externa desse dedo do pé;
  • Dor que, às vezes, pode limitar a prática de esportes e até o caminhar normal da pessoa no seu dia a dia;
  • Em alguns casos, o “calo” pode também ficar avermelhado (num quadro inflamatório);
  • Em alguns casos mais avançados, os outros dedos também podem começar a “dobrar”, formando os chamados “dedos em garra”.

Causas do joanete

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Roberto Ranzini destaca que as causas exatas não são conhecidas, mas existem fatores predisponentes:

  1. Filhos de pais com hálux valgo têm maior probabilidade de desenvolvê-lo ;
  2. Uso frequente de saltos muito altos e sapatos de bico fino;
  3. Pés planos (ou “chatos”);
  4. Hipermobilidade do primeiro raio, ou quando os ossos que compõem o dedão têm uma grande mobilidade.

Lucas Leite ressalta que a principalmente causa é genética. Ou seja, algumas pessoas têm predisposição a desenvolver o problema que, vale lembrar, é muito mais comum em mulheres do que em homens. Às vezes, o próprio formato do pé já oferece uma chance maior de desenvolvê-lo. “E a partir daí, alguns fatores podem piorar o quadro (mas não causar o problema), como o uso de sapatos de bico fino e salto alto (acima de 3,5cm)”, diz.

O ortopedista Lucas Leite acrescenta que, em alguns casos, a deformidade podia até ser indolor anteriormente, mas devido a esses fatores agravantes (uso de sapatos de bico fino e de salto alto), ela passa a incomodar.

Tratamentos para o joanete

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Roberto Ranzini destaca que assim que a pessoa notar que o dedão está “entortando”, deve procurar ajuda médica, especialmente se tiver algum parente consanguíneo que tenha o mesmo diagnóstico.

O ortopedista Ranzini explica que o tratamento para joanete, inicialmente, é feito evitando-se os fatores deformantes, como sapatos de salto alto e de bico fino, juntamente com fisioterapia e uso de palmilhas.

Ranzini destaca que a fisioterapia ajuda muito no controle da dor, mas apenas retarda a evolução do joanete. “É importante dizer que esta é uma patologia extremamente variável em termos de evolução, há casos de evolução muito lenta, assim como alguns com rápida piora”, diz.

“Normalmente a evolução é inevitável, e nos casos mais graves, com dor que não melhora com nenhum tratamento conservador, a cirurgia está indicada”, acrescenta Roberto Ranzini.

Lucas Leite destaca que é importante o alongamento do pé e pode ser necessário o uso de analgésicos e anti-inflamatórios para o tratamento do joanete. “Mas caso o quadro esteja progredindo muito rapidamente, esteja causando muita dor, está indicada a cirurgia para a correção do problema”, explica.

O ortopedista Lucas Leite ressalta que a cirurgia vai tirar aquele “calo” e também realinhar os ossos, ligamentos e tendões do pé, para que ele volte a ficar reto. “Pois caso o problema não seja corrigido por completo, o joanete provavelmente vai voltar. Ou seja, não basta apenas tirar aquela ‘bolinha’, são necessárias diferentes técnicas para corrigir por completo o problema. E isso vai ser feito de acordo com cada caso”, explica.

Como evitar o joanete

Foto: Thinkstock

Foto: Thinkstock

Roberto Ranzini explica que o que se pode fazer é, nos casos de predisposição (se a pessoa já tem o problema na família ou ainda, se já foi feita uma avaliação a respeito do formato do pé dela), é evitar os fatores deformantes, ou seja, sapatos de salto alto e de bico fino.

Lucas Leite destaca que nos dias atuais muitas mulheres têm o costume de usar sapatos de salto alto e/ou bico fino e que isto não é totalmente proibido. “Porém, especialmente no caso dessas pessoas que já tem predisposição ao problema, usar este tipo de sapato não deve ser uma rotina, ou seja, elas não devem usá-lo todos os dias e por muitas horas”, finaliza o ortopedista.

Agora você já sabe que joanete, na verdade, é o nome popular do hálux valgo, uma deformidade que o pé pode adquirir e que é muito mais prevalente entre as mulheres. Embora seja um quadro, em alguns casos, bastante incômodo, ele pode ser tratado sem grandes complicações. Por isso é fundamental procurar ajuda médica assim que notar os primeiros sinais deste problema.

Comentários
Dicas relacionadas