Dicas de Mulher Dicas para Mães

Gravidez de gêmeos exige cuidados dobrados

Conheça os principais riscos aos quais a gestante está exposta e saiba como proceder para manter uma gestação saudável

em 07/06/2013

Foto: Thinkstock

Não é apenas depois do parto que a mamãe de gêmeos começa a ter trabalho dobrado – mas vale lembrar que as alegrias também vêm em dose dupla. Durante a gravidez múltipla, ela deve dedicar ainda mais atenção à própria saúde e à dos fetos do que as mulheres que carregam apenas um bebê no útero. É que essa gestante apresenta maior risco de desenvolver pressão alta, pré-eclâmpsia e descolamento de placenta.

Na gravidez de gêmeos, existe também o risco de ocorrer um nascimento prematuro. “A possibilidade de prematuridade é o fator mais preocupante, pois como o volume uterino é o dobro, a tendência é de o útero interpretar que está pronto para o nascimento antes da hora”, afirma o médico especialista em reprodução humana do Hospital e Maternidade São Luiz, Arnaldo Cambiaghi.

O pré-natal deve ser rigorosamente controlado a fim de avaliar e mensurar a espessura do colo do útero para evitar que os bebês cheguem antes do momento certo. Caso haja dilatação precoce, que também pode implicar em um nascimento prematuro, o exame laboratorial de fibronectina fetal – que deve ser feito aos cinco meses de gestação – pode identificar.

“Se aparecerem sinais de parto prematuro, pode-se realizar um procedimento chamado cerclagem, uma intervenção cirúrgica que fecha o colo uterino, evitando a dilatação”, diz o especialista.

A gestação de gêmeos também demanda que a mamãe faça ultrassons a cada 15 dias, a partir das 24 semanas de gravidez (ou seis meses) a fim de identificar o crescimento dos fetos e checar o fluxo sanguíneo através da placenta para evitar complicações, já que dois bebês estão dividindo o mesmo espaço. Para fazer uma comparação, um ultrassom a cada mês é o suficiente para a gravidez de um único bebê.

Embora as complicações de gestações múltiplas não estejam relacionadas apenas com o comportamento (ou mal comportamento) da mãe durante os nove meses, para minimizar essas complicações, a gestante deve fazer acompanhamento com obstetra desde quando descobrir a gravidez. Mas, se houver algum problema durante os meses seguintes, o tratamento será adequado ao tipo de problema, alguns podem ser tratados com remédios e outros podem exigir internação.

A cesárea é o parto mais indicado para a mulher que está grávida de gêmeos. No entanto, se o bebê estiver de cabeça para baixo – e apenas nessa condição, pode-se fazer parto normal. Mesmo assim, provavelmente, um dos bebês não estará na posição adequada, mas existem maneiras saudáveis de retirá-lo, o que acontece cerca de 10 minutos depois do primeiro. Existe a opção de fazer primeiro o parto normal e, depois, a cesárea, principalmente quando as contrações do útero após nascimento da primeira criança são insuficientes para liberar a segunda.

Receba nossas melhores dicas diretamente em seu e-mail

Assine nossa newsletter para receber nossas novidades sobre os assuntos do momento.

Nós odiamos spam. Nunca usaremos seu e-mail para outros fins.

Comentários
Dicas relacionadas