Dieta da proteína: prós e contras

Conheça os benefícios e riscos da dieta do Dr. Atkins

Por Giselle Coutinho
dieta da proteina pros e contras Dieta da proteína: prós e contras

Foto: Thinkstock

Desenvolvida pelo médico americano Robert Atkins, a chamada Dieta da Proteína, valoriza a ingestão de proteínas, incluindo as ricas em gorduras saturadas e prega o corte drástico de carboidratos e fibras, presentes em pães e frutas.

O objetivo desta dieta é alterar o metabolismo para que ele queime a gordura corporal em vez de glicose e inibir o apetite.

Alimentos proteicos demoram mais tempo a serem digeridos e absorvidos pelo organismo. Por isso, prolongam a sensação de saciedade e reduzem a compulsão por carboidratos e doces. Com a demora na digestão na dieta das proteínas, o organismo passa a usar a gordura para produzir energia, o que leva à perda de peso.

Além disso, as proteínas favorecem a construção de músculos, que aceleram o metabolismo, favorecendo o emagrecimento.

Porém o alto consumo de gordura saturada não é saudável, pois pode levar à sobrecarga hepática e renal, por elevação da taxa de ácido úrico, e a doenças cardiovasculares, por conta da elevação dos níveis de gordura no sangue que aumentam o mau colesterol.

Outro problema que torna esta dieta um tanto controversa, é que a eliminação do consumo de carboidratos provenientes de frutas, cereais integrais e pães, faz com que a dieta fique pobre em fibras que são importantes para o controle da glicemia, dos níveis de gordura no sangue e para o funcionamento do intestino.

O baixo consumo de carboidratos também compromete a massa muscular. Os carboidratos são quem fornecem energia para o trabalho muscular. A perda de peso através de uma dieta com eliminação completa dos carboidratos, associada à prática de atividade física, pode levar à perda de musculatura e de água, e não de gordura.

Estudos publicados numa das mais respeitadas revistas médicas, a New England Journal of Medicine, mostraram que indivíduos nessa dieta perdem peso mais rapidamente, mas recuperam a longo prazo, pois a aderência à dieta é muito ruim pela suas limitações e monotonia.

Segundo o Dr. João Lindolfo, endocrinologista e diretor da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), do ponto de vista comportamental, a Dieta do Dr. Atkins não promove hábitos alimentares saudáveis. “No contexto da Reeducação Alimentar, não existem alimentos bons e ruins, mas combinações e quantidades que precisam ser respeitadas.”

Se ainda assim você quiser investir neste modelo de dieta, e tirar vantagem do efeito termogênico das proteínas, que fazem acelerar o metabolismo, prolongar a sensação de saciedade, dar firmeza à pele, contribui para a manutenção da massa magra e evita o efeito platô, em que a perda de peso estaciona depois de um tempo; busque uma versão menos radical, que diminua – e não elimine – as porções de pães e massas, priorizando a versão integral destes.

Consuma também apenas proteínas magras, como peixes, aves, queijos brancos, ovos e leguminosas, pois estas gorduras saudáveis não oferecem riscos ao coração. Além disso, procure não prolongar esta dieta, ainda que na versão amena, por mais de um mês e conte com a ajuda de um nutricionista.