Dermatite atópica

Tire todas as suas dúvidas sobre como surge, qual o melhor tratamento e se é possível evitar esse tipo de alergia

Atualizado em 21/06/2012 13:41

dermatite atopica Dermatite atópica

Esse tipo de dermatite é uma doença crônica (ou seja, dificilmente tem cura) que faz com que a pele fique vermelha, coce bastante e – até descame nos casos mais críticos. As crianças costumam ser as maiores vítimas do problema, com dermatite no rosto, no tronco e nas dobras do joelho e cotovelo. Uma coisa é certa: aqueles que têm asma, bronquite e rinite são mais suscetíveis a esse problema de pele.

Por que ela surge?

A condição genética é o fator principal. Mas o contato direto e frequente com poeira, produtos de limpeza e conservantes de alimentos também ajuda a desenvolver a dermatite atópica. Há casos inclusive de pessoas com dermatite por conta do amaciante ou sabão em pó das roupas.

Quando você tem tendência a alergias e usa produtos com fragrância forte demais, acaba correndo mais risco de dermatite, por isso tenha atenção. Produtos neutros e sem cheiro são os mais recomendados. Roupas com tecido sintético, suor exagerado, tempo mais seco (principalmente agora no frio) também desencadeiam o problema. O estresse é outro famoso agravante.

Como descobrir?

Troque as roupas sintéticas por tecidos de fibra natural, como algodão e linho. Quanto aos produtos de limpeza, opte pelos sem cheiro. Usar cosméticos hipoalergênicos também ajuda. E o principal: marque uma consulta com seu dermatologista pra esclarecer o seu problema, ok?

A comida também é um fator?

Alguns alimentos são, sim. Mas isso depende das alergias do paciente. Leite e derivados, ovos, frutos do mar, amendoim, chocolate e café tendem a ser os mais problemáticos. Às vezes, diminuindo a quantidade deles você já ameniza a irritação, nem precisa retirá-los completamente da dieta.

Existe tratamento?

Quando a pele já está lesionada, o recomendado é tratar com pomadas à base de corticosteróides ou outras substâncias que ajudam a acabar com a inflamação. Em caso de infecção secundária (que acontece principalmente quando você coça as lesões, agravando o quadro), o dermatologista vai lhe recomendar antibióticos via oral. Medicações antialérgicas ajudam a diminuir e controlar a coceira também.

O fato é que o tratamento da dermatite atópica depende de cada caso e deve ser indicado por seu médico dermatologista. Uma vez que a pele de quem tem dermatite já é mais sensível, não se pode usar qualquer produto, nem aqueles “receitados” por um parente ou conhecido. Também é necessário passar longe de receitas caseiras, combinado?

E como prevenir?

Uma vez que você já sabe o causador de sua dermatite, o jeito é controlar. Por exemplo, quando a poeira é o principal desencadeador, é necessário manter o ambiente de casa bem limpo, evitar cortinas, bichos de pelúcia e tapetes, que acumulam poeira. Ou usar produtos de higiene antialérgicos e sem cheiro forte, quando o problema é desencadeado por esses produtos.

A hidratação da pele é extremamente necessária, já que é mais comum a dermatite atópica surgir em peles ressecadas. Por isso, o melhor é evitar sabonetes agressivos (principalmente aqueles com partículas esfoliantes, prefira os de bebê), buchas e banhos quentes. Em seguida ao banho, capriche no uso de hidratante, pois é nessa hora que a pele os absorve melhor.

E lembre-se: a hidratação também acontece de dentro pra fora, ou seja, tomar água e sucos naturais é outro jeito de prevenir, cerca de dois litros de água são o mais recomendado, não importa se está frio ou calor. Ter uma alimentação saudável e não abusar dos alimentos que lhe fazem mal também é outra dica.

Jamais…

  • Fique em uma casa sem ventilação. Abra as janelas para que o ar puro entre e circule, evitando possíveis quadros de rinite e alergia.
  • Coce as lesões. Coçar agrava o quadro e pode fazer com que surja uma infecção bacteriana. Aí o tratamento fica mais demorado.
  • Enrole para marcar com o dermatologista, faça isso no primeiro sinal suspeito. Qualquer doença de pele tem tratamento mais eficaz quando você não prorroga a consulta.