Compulsão por compras é doença e tem tratamento

O desejo de gastar pode se tornar incontrolável e afetar as finanças, por isso é preciso procurar ajuda

Por Deborah Busko
Atualizado em 26/07/2011 9:15

compulsao por compras Compulsão por compras é doença e tem tratamento

Nunca foi tão fácil comprar. Os bancos distribuem cheques e cartões com facilidade, as lojas oferecem promoções incríveis e facilidades de pagamento com parcelas a perder de vista. Também nunca houve tanta oferta de produtos na internet, na televisão, tantos lançamentos disponíveis ao consumidor.

Tanta facilidade para comprar serve como um incentivo ao consumo e pode ser uma verdadeira armadilha para os compradores compulsivos, na maioria dos casos, mulheres. São pessoas que sentem uma vontade incontrolável de comprar alguma coisa simplesmente pela vontade de adquirir, não de possuir. Outra característica do comprador compulsivo é comprar sempre um determinado tipo de objeto, como sapatos, por exemplo.

O ato de comprar dá prazer, por isso pode viciar tanto quanto o álcool ou as drogas. A pessoa tem vontade de adquirir produtos que talvez nunca vá usar, mas compra para aliviar a ansiedade e muitas vezes, basta sair da loja para sentir arrependimento e a sensação de culpa.

O comprador compulsivo também pode deixar de pagar contas e outras pendências por conta dos gastos fora do orçamento. No momento do impulso, perde-se a noção de certo e errado e, consequentemente, o controle das finanças.

O problema tem tratamento, mas é fundamental que a pessoa reconheça que está doente. O mais comum é procurar por ajuda somente quando as dívidas se acumulam e se tornam maiores que a capacidade de pagá-las.

O tratamento para a compulsão por compras pode ser feito com acompanhamento psicológico e, dependendo do caso, incluir medicamentos antidepressivos, ou a combinação das duas coisas.

Além do acompanhamento de um especialista, é importante que a pessoa receba apoio das pessoas próximas. Uma alternativa pode ser alguém da família ou algum amigo próximo assumir as finanças do paciente, controlando assim todos os gastos. Participar de grupos de autoajuda de pessoas que têm o mesmo problema também pode ajudar.