As mudanças que ocorrem no corpo da mulher após o parto

Durante a gestação, o corpo se prepara para a chegada do bebê, mas depois do parto as transformações continuam. Veja quais são elas.

Por Daniela Azevedo
as mudancas que ocorrem no corpo da mulher apos o parto As mudanças que ocorrem no corpo da mulher após o parto

Foto: Thinkstock

Quase que diariamente ao ver TV, revistas ou acessar a internet, nos deparamos com notícias de celebridades anunciando a gravidez. O tempo passa, acompanhamos a barriga crescer, reparamos no quanto ela engordou e até palpitamos na escolha do nome. Até aí tudo bem, tudo normal, mas o espantoso é que, poucos meses depois de dar à luz, lá estão elas novamente posando lindas e magras em campanhas publicitárias.

Vendo isso, muitas mulheres ficam na dúvida se é possível voltar a forma antiga instantaneamente, mas da mesma maneira que o corpo precisou de nove meses para se transformar, vai precisar de tempo e de muita disciplina para voltar a ser o que era antes.

Quando uma mulher engravida, tudo ao seu redor se transforma: a casa, o casamento, a família e a rotina em geral, mas a maior mudança é a que acontece internamente, no corpo e na cabeça das futuras mamães.

Logo depois de ganhar o bebê e vivenciar as primeiras sensações da maternidade, a mulher entra no período pós-parto, também chamado de puerpério, resguardo ou quarentena, quando os órgãos reprodutivos começam a realizar o movimento de regressão para voltar ao seu estado normal. É nesse contexto que, pela primeira vez depois de meses, ela vai encarar o espelho sem um bebê na barriga. Para muitas mulheres, essa pode ser uma experiência chocante, mas sabendo o que acontece no corpo após a gestação, fica mais fácil entender que tudo é uma questão de tempo.

Útero: Durante a gestação, ele cresce 50 vezes o seu tamanho normal e, após o nascimento do bebê, começa a se contrair naturalmente aos poucos, o que pode gerar cólicas, principalmente durante a amamentação. Até o final do primeiro mês, o útero retorna ao seu tamanho normal.

Lóquios: Um corrimento vaginal parecido com a menstruação ocorrerá entre 20 e 30 dias. Ele começa bem vermelho e vai perdendo a cor aos poucos. Se depois desse período ele persistir pode ser sinal de alguma infecção.

Menstruação: Existem mulheres que só voltam a menstruar depois do parar de amamentar, mas isso não é uma regra. Geralmente, volta-se a ovular e menstruar entre quatro e seis meses após o parto.

Hormônios: A prolactina, hormônio responsável pela produção do leite aumenta, dificultando o funcionamento da função reprodutiva.

Intestino: Costuma ficar mais lento e acumular gases e, em algumas mulheres, podem aparecer hemorróidas que, consequentemente provocam prisão de ventre nos primeiros dias.

Vagina: Durante algum tempo, a dor na região da vagina e do períneo é normal devido ao desequilíbrio hormonal. A falta de lubrificação também pode acontecer devido à amamentação.

Seios: Durante a amamentação, ocorre o desenvolvimento definitivo das mamas, por isso, os seios não ficam exatamente como eram antes, mas aos poucos voltam a ficar parecidos com o que eram. Nos primeiros dias, podem ficar doloridos, pois estão se preparando para a amamentação. Em momentos de excitação, pode haver vazamento de leite, se isso acontecer durante a relação sexual, não se assuste.

Flacidez: A flacidez dos seios ocorre em função da gravidez e não da amamentação, portanto, o fato de não amamentar para evitar a flacidez dos seios não tem fundamento. Na barriga, a flacidez pode ocorrer devido a hiperdistensão da parede abdominal. Isso ocorre com todas as mulheres e exercícios físicos podem atenuar e, em muitos casos eliminar o problema.

Cabelo: Durante a gravidez, o aumento dos hormônios faz com que os cabelos de algumas mulheres fiquem mais grossos e caiam menos, mas após o parto, o cabelo volta ao ciclo normal de crescimento e queda, podendo ficar com aparência mais ressecada e frágil. Outro motivo é o fato do corpo priorizar energias para a produção de leite e para proteger a saúde da mãe.

Pele: As alterações hormonais na gestação também influenciam na pele do rosto que pode ficar marcado com acne, erupções, manchas e aumento dos pêlos. Depois do parto, a pele fica mais seca e as manchas tendem a diminuir, quando não sumirem completamente. As temidas estrias também diminuem e clareiam com a perda de peso, mas elas são definitivas, então o melhor é prevenir durante a gestação usando bastante óleo, controlando o ganho do peso e fazendo massagens.

Barriga: Depois do parto, a barriga continua maior que o normal e aos poucos vai desinchando, mas leva algum tempo para voltar ao que era antes e nenhuma solução rápida como cirurgia é indicada. De fato, algumas mulheres conseguem recuperar a forma em poucos meses como algumas artistas, mas isso depende de fatores hormonais, alimentares e de toda uma preparação, portanto se for o seu caso, pode sentir-se privilegiada.

Quadris: Durante a gravidez, o corpo se adapta para alojar o bebê, por isso os quadris ficam mais largos e dificilmente voltam ao tamanho anterior. Essa mudança pode ser bem sutil e passar despercebida, mas no geral, após o parto, o corpo das mulheres ganha uma nova forma.

Libido: Fatores hormonais somados ao cansaço causado pela nova rotina podem reduzir a libido da mulher diminuindo sua disposição para o sexo, mas aos poucos essa disposição volta e o casal encontra junto a melhor maneira de recomeçar. O mais indicado é que essa retomada aconteça depois da quarentena para evitar desconfortos e infecções.

Emoções: As emoções estão afloradas com tanta novidade e responsabilidade, o que deixa muitas mamães confusas, com medo e inseguras em relação ao bebê, ao corpo, ao relacionamento e a tudo, e isso tudo é natural. Contar com a ajuda e com a compreensão do companheiro, dormir bem e relaxar na medida do possível pode ajudar a se estabilizar emocionalmente.

Apetite: Existem mulheres que têm mais apetite depois da gestação do que antes, e como a alimentação do bebê depende exclusivamente da mãe, é fundamental se alimentar bem. A escolha de alimentos nutritivos e menos calóricos como frutas, legumes, grãos integrais e proteínas magras é a mais indicada. Dietas nesse período não são recomendadas.

Raciocínio: De acordo com o neurocientista Pilyoung Kim, autor do artigo The Plasticity of Human Maternal Brain: Longitudinal Changes in Brain Anatomy During the Early Postpartum Period publicado na revista Behavioral Neuroscience, as mudanças hormonais aumentam o cérebro na área que envolve o raciocínio e as motivações. Além disso, a falta de sono e a preocupação podem atrapalhar a memória.

Peso: Na hora do parto, a mulher perde em média seis quilos, que correspondem ao peso do bebê, da placenta, do líquido amniótico e dos sangramentos. Daí em diante, a melhor aliada para a perda de peso é a amamentação. O corpo queima gordura para produzir leite, sendo assim, quanto mais o bebê mamar, maior será a perda de peso. Uma alimentação saudável também é fundamental para recuperar o peso, mas nada de dietas nessa fase, se for o caso, procure um nutricionista. Atenção para a retomada da prática de exercícios físicos que deve ser feita gradualmente e com autorização médica.